Fui ao dentista

Hoje fui ao dentista, desvitalizar um dente. Na sala de espera, aprendi imenso, graças à Points de Vue – Images du Monde: King Carl Gustaf of Sweden, the stern-looking, bespectacled monarch who is honorary chairman of the World Scout Foundation, has found himself thrust uncomfortably in the spotlight following the publication of an unflinching book… which catalogues his past predilection for wild, alcohol-fuelled orgies and naked jacuzzi parties with models. Ah ele é isso? Com nojo, passei para a revista do último Expresso, que incluia uma entrevista com Vasco Pulido Valente, sobre ele próprio, a Europa, Obama e tudo; terei sido o único a achá-la uma inútil maçada, e não inteiramente, nem sequer especialmente, por causa de VPV? Chamaram-me para a câmara de tortura e eu lá fui, a pensar que o jornalismo de m. tinha muito mais interesse que alguma m. de jornalismo que um gajo tem de aturar hebdomadariamente.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a Fui ao dentista

  1. joão viegas diz:

    Tal e qual (eu vou ao dentista amanhã, mas é para revitalizar), e o problema é que a situação põe-nos perante um dilema : se deixamos de comprar e de ler (o que eu faço, com ma consciência), a qualidade piora ; se continuamos a comprar e a ler para ver se o nivel sobe, a qualidade piora ainda mais…

    E com isso, vamos pactuando com o declinio da oferta de informação, e com o perigo que isso acarreta em termos de vulnerabilidade à contra-informação.

    Diz que o mercado ha de tomar conta disso, que quem se coloca ao nivel do Correio da Manhã acaba por perder porque encontra concorrentes muito mais bem preparados, que existindo mercado para informação rigorosa e de qualidade ela tera necessariamente que aparecer um dia e que o mar de rosas é ja para amanhã…

    Je ne vois que le soleil qui poudroie et l’herbe qui verdoie…

Os comentários estão fechados.