Esquerda, volver

Veio do mais pobrezinho, aos oito entrou para as obras, foi ganhando, tem carrinha, esta tarde de domingo traça no café a situação do país:
– Não sou como os políticos, que só querem para eles. Isto tem de mudar!
Os outros, toldados da cerveja, aguardam o anúncio. Sente-se o ambiente de um soviete em preparo […].

(o resto da crónica sobre a alvorada da revolução transmontana pode ser lido aqui).

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Esquerda, volver

  1. “Veio do mais pobrezinho, aos oito entrou para as obras, foi ganhando, tem carrinha, esta tarde de domingo traça no café a situação do país”

    Provavelmente trabalhou illegal, sem descontos para a SS, nem IRS. Se tivesse que deixar 60% do seu trabalho nas mãos do Estado, mal teria dado para sobreviver quanto mais para “ir ganhando”. O mais certo é que acabasse por optar pela sombra do rendimento mínimo. Hoje continuaria pobrezinho e a andar a pé.

  2. ana cristina leonardo diz:

    Dizia o poeta egípcio e suicida Salah Jahine que “o povo sempre foi de direita”. Lido em “Como Um Verão que Não Voltará”, de Mohamed Berrada (um retrato bem esgalhado do Egipto dos anos 50/60 quando havia mulheres fatais, revoluções e música a rodos)

Os comentários estão fechados.