A nova biblioteca de Babel – III

“A ilusão dos favoritos” (Gustave d’Ormesson, 1837) – Nos primeiros anos da Restauração, sob o pano de fundo da intriga política e do enriquecimento sem causa, a história de vida de um órfão que nasceu pobre, que a sorte em seguida protege e por fim desperdiça a pouca sorte que chegou a ter, movido pela cupidez e a luxúria que o precipitam no abismo do pecado e convocam prematuramente a sua morte. Uma história exemplar, de grande proveito moral, e que ilustra a relação de um homem com um destino que desafia mas não lhe pertence, “A ilusão dos favoritos” comoveu gerações de leitoras e continua a conter das páginas mais pungentes alguma vez escritas em língua francesa.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.