INDIGNADOS NA ENCRUZILHADA – A ideia de deixar a ideia ficar em casa não é uma ideologia perigosa? O que quer trazer para a rua quem quer deixar a ideologia no armário?

“hay que dejar las ideologías en casa.”

O movimento que varreu as ruas do Estado espanhol e do Mundo, que se concretizou em perto de mil cidades diferentes, está na encruzilhada e as suas próximas escolhas serão determinantes para o trilho que vai continuar a fazer.

Ao longo das últimas já largas semanas, milhares de activistas encontraram-se na praça. Com proveniências sociais e ideológicas distintas convergiam numa ideia comum: a democracia que temos não é a democracia que queremos.

Este postulado, tão inteligente como necessário, é a antítese do que um sector do movimento anda a defender e que se resume na passagem que abre esta posta.

O caminho que alegadamente deixa as ideologias em casa é, paradoxalmente, profundamente ideológico. Embrulhado na aparente novidade, e também aqui mais velho do que muitas das soluções experimentadas no século XX, a sua escolha retirará ao movimento uma parte significativa do seu potencial transformador. A vingar, afastará todos os que não se convencerem, deixará o movimento completamente exposto à sabotagem (da polícia e dos que o combatem politicamente) e pior, ficará imobilizado face à impossibilidade de decidir o que quer que seja e incapaz de ir além do que à partida já parecia elementar.

A defesa do consenso como método de votação, que abre caminho ao direito de veto e à unanimidade, vias rápidas do pensamento único e do atrofia social, mais não faz do que permitir que sejam os mesmos de sempre a decidir pelo cansaço. O militante profissional ou o activista abnegado, votará a sua ideia não fundada na qualidade dos argumentos mas na sua capacidade em iludir o sono e vencer os que não têm tempo a perder para mudar a vida. Os trabalhadores, os estudantes que estudem, os desempregados que andam à procura de emprego, os precários, os que têm filhos a acordar cedo ou simplesmente aqueles que não compreendem que para tomar o seu destino nas mãos têm que estar horas infinitas à procura dos consensos que o antagonismo existente, naturalmente, não está capaz de gerar, continuarão de fora. Em suma, a maioria, aquela que sem a qual ninguém muda de vida, continuará a ver a sua palavra valer menos e sem capacidade de decidir o seu futuro horizontalmente, pelo que a democracia continuará a não ser verdadeira.

Esta foi a primeira via para que se tentasse impedisse que a troca de ideias produzi-se ideologia, ou seja, a transformação das ideias em acção, e uma vez derrotada também em Madrid e em Barcelona, onde se vota por maioria simples aquilo que é de simples decisão, agora a guerra foi aberta às ideias e à unidade do movimento já tinha construído até aqui.

O que sobra se as ideias ou quem pensa diferente ficarem de fora? A ideia de deixar a ideia ficar em casa não é uma ideologia perigosa? Lutar por outra democracia, por outro trabalho, por mais direitos e garantias, por mudanças no sistema político, pela devolução da voz às pessoas, pela luta contra as organizações que nos colocaram sob resgate, em suma, a luta pela abertura de novos caminhos, não é, no final de contas, a ideia que tem levado o mundo inteiro de regresso à praça pública? O que quer trazer para a rua quem quer deixar a ideologia no armário?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

8 respostas a INDIGNADOS NA ENCRUZILHADA – A ideia de deixar a ideia ficar em casa não é uma ideologia perigosa? O que quer trazer para a rua quem quer deixar a ideologia no armário?

  1. Pingback: Indignados ou a luta ideológica « Fala Ferreira

  2. Lia Nogueira diz:

    Em relação ao consenso, por favor, informa-te antes de dizer disparates… podes começar por aqui, por exemplo:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Consenso

    http://en.wikipedia.org/wiki/Consensus_decision-making

    http://www.consensus.net/

    “Sem informação não há (r)evolução”

    • Renato Teixeira diz:

      Lia, acho que não estás a deixar a ideologia em casa. Eu não confundo coisa nenhuma. Declaração de interesses: vivi numa República que funcionava por consenso. É um método de vida, não um método de votação. Esse debate está, felizmente, muito claro.
      A ser colocado como método de votação mais não é do que a perversão do consenso, a estimulação da homogeneidade, da unanimidade, enfim, do pensamento único que todos queremos combater.

  3. João Romão diz:

    Esse “movimento que varreu as ruas do Estado espanhol e do Mundo” inclui certamente milhares de pessoas sem qualquer experiência anterior de activismo ou intervenção política organizada e provavelmente outros tantos populistas que à custa da promoção do vazio ideológico mais não fazem do que defender o “status-quo”. Naturalmente, as decisões, iniciativas e propostas assumidas por consenso neste contexto são inevitavelmente pouco ambiciosas. Mas não me parece que este movimento possa ser reduzido a isto. Na realidade, o que me parece mais interessante são as novas redes que se vão criando a partir deste movimento de massas, umas mais interessantes que outras. Cá por mim, isto agora começou. Alguns exemplos interessantes estão neste artigo de hoje:
    http://www.publico.es/espana/383871/la-ola-que-llevo-al-15-m
    Abraço!

  4. Lia Nogueira diz:

    ah, um dos manuais que podes ler sobre consenso, via “Toma los barrios”/ Madrid, em: https://n-1.cc/pg/file/AsambleaAluche/read/367634/introduccin-al-proceso-de-consenso

    • Renato Teixeira diz:

      Ai o livrinho vermelho… viva o livrinho vermelho.

      • Renato Teixeira diz:

        Lia, proposto como método de votação, que é o que alguns insistem em fazer, nada tem de democrático e falsifica o que se pretende com o consenso onde e quando ele é possível. Abre campo à sabotagem, política e da polícia, e nada garante do ponto de vista democrático.

  5. afonso hp diz:

    continuo a acreditar na necessidade das ideologias, aliás é do confronto entre elas que se constrói a consciência social. diversos seres acéfalos que poluem um pouco todos os lugares é que se reclamam não-ideológicos ou apolíticos, o mesmo é dizer não têm opinião sobre nada, tal como o bom escravo que faz a vontade ao seu dono.
    outra coisa é confundir consensos com unanimismos, porque custe o que custar com o consenso cria-se a união ao contrário das maiorias que tendem a fomentar os sectarismos.
    agora, como corpo pensante as assembleias populares também devem estar atentas e saber reagir quando se debatem contra tácticas de provocação, de infiltração ou de controlo.
    um forte abraço renato, afonso

Os comentários estão fechados.