Rui Tavares fez o que todos esperavam

Não vou perder tempo a discutir a relação oportunista entre o BE e o Rui Tavares. O partido queria mais votos e teve-os. O Rui Tavares queria protagonismo e reconhecimento e teve-o. Essas dívidas estão saldadas. Não me parece, pois, extraordinário que esta personagem não tenha tido a dignidade de abandonar o Parlamento Europeu.

O “anarquista” Rui Tavares, que diz que em Portugal “não há esquerda”, fez o que se esperava. Arranjou um pretexto mal amanhado, uma historieta sem grande fundamento, para abandonar o grupo do BE e o GUE/NGL. Pôs os patins à “esquerda de confiança” e foi para onde certamente se sente melhor. Juntou-se ao grupo dos Verdes. O grupo que apoia as intervenções militares da NATO, o Tratado de Lisboa, a Estratégia UE 2020, o aprofundamento do Mercado Único, o livre comércio, o anti-comunismo, etc.

O que me choca é o absoluto desprezo pelos eleitores. Estou de acordo, no geral, com gente do BE que diz que os mandatos são dos partidos e não dos eleitos. As pessoas votam em listas e em programas. Aconteceu com José Sá Fernandes e voltou a acontecer com Rui Tavares. Será que também se vai candidatar como independente nas listas do PS, nas próximas eleições europeias?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

18 respostas a Rui Tavares fez o que todos esperavam

  1. Leo diz:

    “O que me choca é o absoluto desprezo pelos eleitores.”

    Nesta história para lamentar a única coisa que me espanta é a desfaçatez dos dois ex-colegas que manhosamente insistem no “ trabalhar para a convergência das esquerdas na Europa” quando nem sequer conseguiram manter o seu grupo unido.

    Autismo? Incompetência? Manhosice, penso eu.

  2. Mario Antunes diz:

    Os mandatos são dos eleitos, e deverão continuar!!!
    Os partidos só criam barreiras.
    Barra as possibilidades de o individuo a poder actuar na política.
    Quebra a confiança do eleitores.
    E claro, esta lei de Hondt é uma injustiça!!!
    DEMOCRACIA REAL JÁ!

    • Bruno Carvalho diz:

      Os mandatos são dos partidos e dos programas que os candidatos se comprometeram a seguir. Não venha com esse palavreado pseudo-democrático que aqui a falsa cidadania não encontra lugar. Nem todos os partidos são iguais e os que tentam passar essa mensagem geralmente o que querem é que fique tudo na mesma.

      • fernando vasques diz:

        pois, “o palavreado pseudo-democrático” e “a falsa cidadania” apenas encontra lugar no rossio.

        • Bruno Carvalho diz:

          No Rossio mais propriamente em que sítio? É que ultimamente só lá andam turistas.

        • Rocha diz:

          Aí estão os sequestradores do costume.

          1 – Não falem em nome do Rossio ninguém vos elegeu como porta-vozes.
          2 – Não vi até hoje nenhuma moção, comunicado ou declaração do Rossio contra os Partidos em geral e a propósito desta tese sobre a quem pertence o lugar.
          3 – O movimento do Rossio gostem ou não existiu com a participação de gente com Partido e não teria sido mais que um pic nic à continente se não fossem essas pessoas.

          Quero corrigir o Bruno para dizer que este Mário e Fernando não são pseudo mas sim anti-democráticos. O regime anti-partidos já existiu em Portugal e chamou-se Fascismo Salazarista.

          • fernando vasques diz:

            sim filho, viva o partido, tudo pelo partido nada contra o partido!

          • fernando vasques diz:

            “Não falem em nome do Rossio ninguém vos elegeu como porta-vozes.”

            – e ao 5dias quem o elegeu como porta-voz?

            “O movimento do Rossio gostem ou não existiu com a participação de gente com Partido e não teria sido mais que um pic nic à continente se não fossem essas pessoas.”

            – parabéns! não só conseguiram esvaziar a praça como, numa única jogada, conseguiram foder um movimento de cidadões e a própria revolução socialista. a banca aplaude!

    • Irene Sá diz:

      Ao Mário Antunes já só lhe falta gritar: viva o individualismo, viva o culto da personalidade! abaixo os colectivos e os compromissos políticos!

  3. Em qualquer negócio, mesmo aqueles que não são passados a papel, se é que é o caso, é sempre possível que uma das partes invoque um pretexto para o resolver. Por isso, quem vê a política dessa maneira! E quando digo quem, quero dizer, as pessoas e as organizações. E é bem feito! Quem despreza a memória, arrisca-se a desejar uma simples lembrança.

  4. closer diz:

    Não percebo o que quer dizer Bruno Carvalho quando refere uma relação oportunista entre o BE e Rui Tavares. O BE procurou alargar o seu campo eleitoral propondo um independente como Rui Tavares. As coisas não correram bem! Paciência!

    Não percebo porque tem que se fazer um drama desta situação. Situações destas são frequentes. Ou será que já se esqueceram da Luísa Mesquita?

    • Bruno Carvalho diz:

      Relação oportunista de quem já sabia que o Rui Tavares ia dar problemas. Mas em nome dos votos tudo se faz…!

      Sobre a Luísa Mesquita, estava mesmo à espera que alguém tocasse no assunto. A situação era diferente porque ela era membro do PCP. Nada indiciava que aquilo ia acontecer, até porque ela assinou um compromisso (que de resto todos os candidatos da CDU assinam). Não o cumpriu e decidiu, de forma oportunista, ficar até ao fim para poder receber uma reforma choruda.

      Mas já que fala no assunto. Que lhe parece? O Rui Tavares deve abandonar o Parlamento Europeu ou apropriar-se do mandato? É que há uns anos ouvi muita gente do BE dizer que os mandatos são dos eleitos e não dos partidos. Mas agora ouço o contrário. Eu mantenho a posição: o Rui Tavares devia ceder o lugar a outro eurodeputado do BE. Mas isto é a típica coerência dos comunistas, ao que alguns chamam cassete ou ortodoxia…

      • closer diz:

        Meu caro Bruno Carvalho

        Eu não falo pelo BE, mas apenas por mim. Acho que o Rui Tavares deveria ceder o seu lugar a quem estava a seguir na lista. Mas, se quer que lhe diga, não acho que a questão seja particularmente relevante. Se o BE tiver posições correctas no Parlamento Europeu, tanto o pode fazer com 2 ou com 3 eurodeputados. Se o Rui Tavares acha que se deve manter no por lá, poderá ser uma questão relevante do ponto de vista ético, mas políticamente é irrelevante

        • Leo diz:

          “não acho que a questão seja particularmente relevante.” ???

          Nem a troca do GUE/NGL pelos Verdes europeus?

          Se acha que não tem relevância a perda de 1/3 da representação do BE no PE deve também achar que não teve qualquer relevância a perda de 50% da representação do BE na AR.

          Em menos de dois anos isto não tem pois nenhuma relevância na sua opinião. Fantástico!

  5. Pedro, o africano diz:

    Pergunta: Será que também se vai candidatar como independente nas listas do PS, nas próximas eleições europeias?

    Resposta: Sim!

  6. pedro diz:

    Discordar com a permanência do Rui Tavares no PE tudo bem, agora vir dizer que o Rui queria protagonismo é uma perfeita injustiça. Não foi o Rui que se aproximou do BE para fazer parte das listas ao PE, aliás foi exactamente o oposto… E assim sabemos quem se quis aproveitar da notoriedade de quem?

    Tirar o Rui do PE era exactamente o que o Louçã queria com o seu comentário no FB. Como não tem coragem Louçã faz uso do jogo sujo… Porque será que não tentou falar com o Rui antes de vir a público?

  7. Acho que o Rui Tavares está a ser mais Bloquista que o BE ao integrar os grupo dos Verdes que é claramente o espaço herdeiro da tradição anti-comunista e libertária da esquerda europeia. O BE estar no GUE faz tanto sentido como o PC estar no grupo dos liberais.

Os comentários estão fechados.