Eu, carrasco do povo líbio me confesso

Num blog colectivo é normal, saudável e interessante haver divergências de opinião. O 5dias não é excepção e vi aqui muitas coisas escritas com que concordei inteiramente, com que concordei assim-assim, e com que não concordei nada. Mas há fronteiras de que não se pode abdicar e uma delas é a de chamar “carrasco do povo líbio” a alguém por apoiar o auxílio ocidental aos rebeldes líbios, como tem vindo a fazer repetidamente o Renato Teixeira.

Não posso abdicar, não por ser amigo e admirador do Rui Tavares, que sou, mas porque eu próprio sou apoiante desde o início da intervenção ocidental na Líbia.

Sou apoiante porque acredito que o povo líbio tem direito a uma oportunidade democrática e principalmente direito de se libertar de um ditador que usa o país para se enriquecer a si próprio e aos seus, que promove o assassínio sistemático de opositores dentro e fora do país, que fomenta grupos paramilitares racistas, que se coroa a si próprio «rei dos reis de África», que descreveu o Tribunal Penal Internacional como «uma nova forma de terrorismo mundial», que financia a extrema-direita nazi, que ordena violações em massa, que colocou e que não hesita em lançar mercenários estrangeiros contra o seu próprio povo.

Por isso, se para o Renato Teixeira ser «carrasco do povo líbio» é dar ao povo líbio uma hipótese de se livrar de tal personagem, de impedir os opositores do regime de Khadafi (a quem este chama «doentes políticos») se serem mortos a tiro sem um mínimo de justiça e de dar uma oportunidade aos líbios de usufruírem de parte dos lucros do petróleo, então eu prefiro ser «carrasco do povo líbio», na original interpretação semântica do Renato Teixeira, a ser escumalha e mercenário de Khadafi, como o Renato Teixeira tanto parece aspirar.

Por isto, e pelo facto de o volume da minha participação no 5dias não justificar a continuação, dou por aqui encerrada a minha escassa colaboração no 5dias, agradecendo ao Nuno Ramos de Almeida a simpatia e a paciência, fazendo votos de muito sucesso ao 5 dias e aos seus membros, e desejando ao Renato Teixeira que nunca tenha de escapar desarmado aos tiros de alguém que o veja como um «doente político».

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

17 Responses to Eu, carrasco do povo líbio me confesso

  1. Bruno Carvalho diz:

    Sim, esperemos que o Renato Teixeira não tenha de escapar desarmado às bombas da NATO como acontece neste momento com milhares de civis líbios. Claro que para si – e para o imperialismo – quem não está com a NATO está com Kadhaffi. Boa viagem.

  2. A.Silva diz:

    Vai em paz e que deus te guarde de um dia levares com uma bomba em cima da cabeça, lançada pelos frenéticos e angélicos “libertadores” do povo libio ou quem sabe… se do português!

  3. Leo diz:

    “o auxílio ocidental aos rebeldes líbios” ????

    Refere-se aos bombardeamentos sobre tudo o que resta em pé depois de 3 meses de ataques diários e mais de 10.000 investidas, certo?

    E que já liquidaram cerca de 900 civis inocentes – incluindo crianças, jovens, idosos, mulheres – e despacharam mais de 10.000 para camas hospitalares.

    E presumo que está satisfeito com a precisão dos ataques sobre televisões, universidades, escolas, hospitais, estradas, portos, aeroportos, fábricas, edifícios governamentais, autocarros, condutas de água e de electricidade.

    Mas já agora, não seria mais correcto o termo contra-revolucionários, traidores, vermes, por exemplo? É que os nomes têm importância. E revolta-se um termo nobre aplicado a criaturas que mais não são que a infantaria dos USA, Grã-Bretanha, França e NATO que diariamente desde há 3 meses anda a liquidar o povo líbio.

  4. Pingback: Faço questão de não partilhar o meu espaço com senhores da guerra. Nem dos mal encarados, nem dos apóstolos da democracia das bombas. Adeus que já vai tarde! | cinco dias

  5. Gentleman diz:

    Caro Jorge,

    A malta deste blogue tem uma visão peculiar do mundo, visão essa que condimenta com doses apreciáveis de novilíngua orwelliana. Andam sempre com a palavra “democracia” na boca. Mas, na prática, tacitamente defendem, como sempre defenderam, regimes ditatoriais.
    São os órfãos do socialismo autoritário. Ler o que escrevem é como entrar na Twilight Zone. Para eles, a História não cumpre o seu papel fundamental que é o de nos proporcionar as lições necessárias para que não repitamos os mesmos erros. Eles querem continuar a aplicar as mesmas receitas do passado. As mesmas receitas que, em escassas décadas sob o Comunismo, condenaram mais pessoas à escravatura do que em 3 séculos de colonialismo Europeu. Esta é a grande e inconveniente verdade.

    Um bem haja

  6. Vítor diz:

    Já vais tarde.

  7. Rocha diz:

    Poderia abreviar um pouco mais e dizer: “eu NATO me confesso”.

    Os crimes por trás dessas quatro letrinhas estão ausentes da sua argumentação que aliás podia ser uma transcrição de um comunicado da NATO.

    …”e de dar uma oportunidade aos líbios de usufruirem de parte dos lucros do petróleo”… Sarkozy e Cameron não diriam melhor, tal como a Total e a BP.

    Se eu fosse ao Renato não perdia a calma com os seus insultos, sabe porquê? Porque são insultos NATOs.

    O que surpreende é que um fanático da guerra como você alguma vez tenha vindo cá parar. Vá, vá lá confortar o seu amigo RTavares e tome uma pastilha rennie.

  8. Omega-3 diz:

    Um esquerdista idiota,é o q vossa excª é.Analfabruto(neologismo com a justaposição de analfabeto e bruto,pq o sr. pode encontrar aqui muitos artg acerca da invasão neo colonial da frança,eua,alemanhaVota,não vota)itália e as compaNHIAS PETROLIFERAS.Adiante,já disse muito.Bye bye

  9. JMJ diz:

    Para quem quiser saber sobre o sofrimento do povo líbio às mãos dos seus “libertadores”, aconselho, amanhã:

    http://aurora1917.wordpress.com/2011/06/17/debate-sobre-a-agressao-imperialista-a-libia/

  10. Tomás Guevara diz:

    Há qualquer coisa de néscio em quem apoia a intervenção da Nato na Líbia.Há qualquer coisa de terrivelmente manipulador em quem tenta identificar os que se opõem à nato como entusiastas apoiantes de kadafi.Nem sequer vale a pena tentar escalpelizar as afirmações com direito a link e tudo de jorge palinhos. Quem apoia crimes desta natureza,massacres de populações,”erros colaterais”,a destruição de um país e que utiliza o mesmo jargão que um qualquer adepto de bush utilizaria merece por um lado pena.Por outro algum distanciamento.Também por motivos higiénicos

  11. closer diz:

    Pessoalmente não concordo com a posição que Rui Tavares teve em relação à Líbia. Mas isso não faz dele nem um carrasco do povo líbio nem um senhor da guerra. Aliás, reparo, que este blogue está cada vez mais especializado nos ataques ao BE ou a assuntos com ele relacionados. Isso é mais visível desde que se estabeleceu uma tácita aliança entre alguns elementos afectos ao PCP e os trotsko-feristas como a Raquel Varela e o Ricardo Teixeira. este, em particular, parece-me um caso patológico de imaturidade, cegueira e sectarismo político. Cerca de 80% dos posts de Ricardo Teixeira têm como objectivo o BE, que é um aliado objectivo do grande capital e do imperialismo. Não deixa de ser estranho quando ainda há não muito tempo, ele próprio era militante desse partido.

    PS: Tenho que aproveitar este espaço, para responder indirectamente a Renato Teixeira, porque este senhor censura os meus comentários. Para ele a democracia é para os acampamentos e para os que concordam com ele.

  12. Manuel Monteiro diz:

    Oh, Santa Beatriz da Silva!(nome da minha rua), mas que post mais doentio: os assassinos da NATO atacando o assassino Kadafi para “libertar” o povo. E o povo o que faz para se libertar?
    Então:
    Todo o apoio ao povo líbio na sua luta contra o opressor!
    Exigência do fim da agressão imperialista!

    Manuel Monteiro

  13. Pedro Lérias diz:

    Caro Jorge,
    Sigo o 5dias há pouco tempo, suficiente para perceber a sua posição. Há de facto um certo desvario de alguns dos colaboradores do blog.
    Reforço, por exemplo, o que é dito acima. Também já vi comentários meus censurados por Renato Teixeira, o que apenas serve para fortalecer o que o Jorge diz. O 5dias parece estar empenhado em se tornar em máquina de propaganda de um certo grupo de pessoas, com completo desprezo por básicas regras de cordialidade, educação e democracia.
    O abuso da linguagem é particularmente preocupante, por pessoas que desconhecem o sentido da proporcionalidade ou de integridade intelectual. Tudo serve para venderem o seu produto.
    Já agora, fui contra a grande maioria de intervenções da Nato/ONU nos últimos anos mas sou, como o Jorge a favor desta na Líbia. Ingenuamente? Talvez. Mas insultos como ‘carrasco’ não são permissíveis entre quem quer promover a discussão ou manter relações educadas com a oposição às suas ideias.
    Fica o meu comentário de apoio à sua atitude. É difícil, se não mesmo impossível, a pessoa por vezes justificar-se a partilhar uma plataforma com quem recusa repetidamente manter um certo civismo.
    Cumprimentos,
    Pedro Lérias

  14. Samuel diz:

    Não tenho seguido os seus escritos, não sei quem é, não conheço o seu pensamento; mas se, mesmo escassa, a sua colaboração neste este espaço (ou noutro qualquer) esteve sempre ao nível da qualidade deste texto… 🙂
    Quanto aos disparates com direito a link e tudo, como outros comentadores já destacaram… nem vale a pena!

Os comentários estão fechados.