É evidente que R Tavares é um erro de casting no BE; não há sequer uma vírgula mal colocada neste post de Louçã – e o deputado R Tavares deveria antes protestar com os jornais citados por Louçã (em vez de procurar protagonismo à custa do economista e líder do partido)

Um jornal (o “i”) enganou-se e escreveu, com ligeireza, que os quatro fundadores do Bloco foram o Luis Fazenda, o Miguel Portas, este que assina e o Daniel Oliveira. O Fernando Rosas desaparecia da história. Explicou depois o jornalista que tinha sido levado ao engano por uma informação de uma conversa com o Rui Tavares.
Escreve hoje outro jornal (o “Sol”) a mesma coisa. Estou por isso curioso acerca da coincidência de dois enganos tão estranhos.

A história, aliás, é bem conhecida. O Luis Fazenda contactou-me em 1999 e apresentou a ideia da formação de um novo partido. Eu contactei para o efeito o Fernando Rosas e o Miguel. Entre os quatro fizemos cuidadoso trabalho de casa para ver se era possível. E depois decidimos avançar e começamos a reunir com outras pessoas sobre a ideia (incluindo o Daniel). Por isso, é simplesmente uma falsificação a tentativa de retirar o Fernando desta história e de a refazer com novos protagonistas.

(FRANCISCO LOUÇÃ)

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

26 respostas a É evidente que R Tavares é um erro de casting no BE; não há sequer uma vírgula mal colocada neste post de Louçã – e o deputado R Tavares deveria antes protestar com os jornais citados por Louçã (em vez de procurar protagonismo à custa do economista e líder do partido)

  1. Pedro Penilo diz:

    Eu também não percebi a reacção despropositada de Rui Tavares. Não há nada que justifique essa reacção. Ou então ela era muito desejada.

    • Carlos Vidal diz:

      Eu acho que a última parte do teu comentário é a verdade.
      Acho e não tenho de pedir “desculpas” a ninguém.

    • José diz:

      As insinuações do Louçã não são assim tão subtis que não se entendam imediatamente…

      • Carlos Vidal diz:

        E que legitimidade ou legalidade ou mesmo lógica tem Tavares para responder através do seu gabinete no PE (onde representa portugal) a um texto de Louçã que cita duas fontes jornalísticas?
        E R Tavares aos jornalistas não “pede” nada??

        • Bolota diz:

          Vital,

          Comparar o BE com um partido, é comparar cagalhões com marmelos.

          A apresentação da moção de censura foi um dos exemplos.
          Se te situares, as eleições para o parlamento Europeu, ocorreram durante o auge da luta dos professores que louç e seu pares souberam calvagar como ninguem.

  2. Porque sempre que aparece um obstáculo à travessia de um rio, por exemplo, alguém, há séculos, diga-se, inventou a ponte. Mas nos tempos que correm, e na impossibilidade de um negócio tipo público/privado, a travessia pode fazer-se com recurso a um simples ditote. Não acham graça?

  3. Pedro Lérias diz:

    São tantos os erros não forçados do Louça e do BE nos últimos tempos que a pessoa pergunta-se o que está de facto a passar-se? O que atormenta esta gente, que mal estar se instalou?

    • Carlos Vidal diz:

      O problema do BE está em querer recolocar-se ao centro e colocar-se à esquerda ao mesmo tempo.
      Ao centro, busca a troika (tarde de mais).
      À esquerda, ou para se mostrar de esquerda, tenta expulsar R Tavares, o qual não percebo porque ainda não passou à condição de (deputado) independente, nem percebo porque é que DOliveira, como a Zita, ainda não deixou o partido (e o partido ainda não o mandou embora, pois não sei que falta eleitoral ou pensamente o indivíduo lá faça).

  4. Jorge diz:

    tchii, já andam a discutir a paternidade…

  5. Renato Teixeira diz:

    Há alturas na política em que se erra tanto, tanto, tanto, que até os acertos parecem erros. Nem RT sobrará. Só MSP e isso diz tudo.

    • Carlos Vidal diz:

      Esse então …..
      Se se vê nessas águas sozinho atira-se da ponte.

      E quando já não sobrar nada, o R Tavares fica em Bruxelas ou Estrasburgo ou lá o que é, como INDEPENDENTE.

  6. Pingback: É impressão minha ou… | cinco dias

  7. António Fonseca diz:

    Está bom de ver que esta cena interessa aos dois: o Louçã viu-se ligeiramente acossado, quer mostrar quem manda, o Rui Tavares está mortinho por dar o salto para o PS e irá dramatizar qualquer coisa. E dou umas semanas p vermos a cena, sendo que estranho será se o Rui Tavares não for candidato do PS nas próximas europeias. O Daniel Oliveira vai lamentar muito a situação e dirá que não se revê num partido q trata assim as outras vozes das esquerdas pondo o pezinho ainda mais de fora ficando a aguardar pelas modas para ver quando mete o outro que falta.
    Mas é muito engraçado ver os termos da discussão interna do BE aos resultados eleitorais: Como ali havendo ideologia, não há projecto transformador, nem lhes passa pela cabeça que os resultados poderão (e na ditadura burguesa em que vivemos é de duvidar) dar um retrato aproximado da correlação de forças num determinado momento e que isso n cauciona a validade de qualquer ideia, levando esses mesmos resultados a uma discussão, não sobre a correlação de forças existente ou as forças e fraquezas (e forma da sua superação) da organização por forma a alterar essa mesma correlação, mas sim, com base nos resultados discutir-se a validade de ideias, coisa que levada ao absurdo acaba na conclusão que para se ganhar eleições só mesmo sendo igual a um dos partidos da troika…
    algo que com toda a naturalidade já esteve mais longe.

    • Carlos Vidal diz:

      DOliveira não sai, por vontade própria do BE, tenho a certeza disso.
      Por razões muito diversas, mas, pelo seu pé, não sai.

      Mas vai chatear, chatear, chatear. É sina de mediacrata. Um mediacrata acha-se sempre com lugar seguro e cativo para chatear.

      Tavares, é diferente.
      Quando for propagandeado que o PS de Seguro virou à “esquerda”, Tavares atravessará a “rua”, como um tal de Vale de Almeida. Politicamente, não há diferença nenhuma entre os dois!

  8. Vasco diz:

    O que faz um mau resultado eleitoral, xiça…

  9. António Paço diz:

    Na caixa de comentários do Público encontrei este sobre o Rui Tavares que me parece merecido: «(…) como penitência deverá sair do BE e começar a colaborar com um partido democrático de esquerda, que em Portugal só o é o PS. Aliás, já noutras ocasiões estranhei que um intelectual honesto e de espírito democrático (admirador confesso, tal como eu, de Obama!) como RT ande a perder-se e a desperdiçar talento e prestígio por esse ninho de cucos chamado BE!»
    Descontando o facto de o Rui Tavares nunca ter sido do BE, mas um «anarco-social-democrata», como o crismou penso que o Daniel Oliveira (cada vez menos anarco e cada vez mais social-democrata), que a direcção do BE incluiu nas suas listas de candidatos certamente para «acrescentar esquerda à esquerda», há muito que me parece que ele pôs a luzinha a piscar indicando que está maduro para mais ‘altos’ voos. O voto na resolução que ‘legitima’ o ataque da NATO e da UE à Líbia, esse, não é uma luzinha, é um farol.
    Curioso que o comentador tenha usado a expressão «ninho de cucos» para se referir ao BE. Ora o que me parece é que o BE tem sido não um ninho de cucos, mas um «ninho para cucos»: os cucos, como se diz na wikipedia, depositam o seu ovo num ninho de outra espécie, que o trata como qualquer outro dos seus ovos. A mãe de ‘acolhimento’ não dá pela diferença. Como o cuco tem pouco tempo de gestação nasce antes dos outros ovos e, para ganhar espaço, expulsa-os do ninho. Os pais continuam a alimentar o cuco sem darem pela diferença. Quando o cuco atinge a maturidade, sai do aconchego do ninho.
    Outros ‘cucos’ conhecidos: Joana Amaral Dias, Miguel Vale de Almeida, Inês de Medeiros…

    • Carlos Vidal diz:

      Espera lá, concordo com tudo, mas a Inês de Medeiros não é uma “histórica” PS?
      Não foi sempre dessas bandas?
      Esclarece-me lá, António.

  10. Leo diz:

    “É evidente que R Tavares é um erro de casting no BE”.

    Pois é. Exactamente como Fernando Nobre foi também um erro de casting no BE.

  11. gonçalo almeida garrett diz:

    Por falar em vírgulas mal postas, será que quando p Prof (lol) Vidal escreve “DOliveira não sai, por vontade própria do BE, tenho a certeza disso” quer dizer que “DOliveira não sai, por vontade própria, do BE . Tenho a certeza disso”?

    Não sai por vontade do BE ou dele? Veja lá se se faz entender, homem!

    • (Imbecil almeida garrett [nada de confusões com o outro, por amor de Deus], aproveita os teus 15 minutos de fama, pois logo ou amanhã quando chegar a casa digo-te/mostro-te o que faço ao teu notável comment.)

  12. Leo diz:

    Alguém me sabe dizer qual foi o valor da transferência do artista em questão do grupo parlamentar Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Verde Nórdica para o grupo parlamentar dos Verdes europeus?

  13. António Paço diz:

    Romeiro, romeiro, quem és tu?

  14. Assim não dá, Carlos. Continua o insulto.

Os comentários estão fechados.