Construam-se portas grandes para os ricos nos Hospitais Públicos (e, já agora, portas mais pequenas para os pobrezinhos)

No Albergue Espanhol, Francisca Prieto é da opinião de que, por ser rica, devia poder entrar num hospital público pela porta grande, já que paga muitos impostos para que esse hospital público funcione.
Suponho que, ao invés, os pobres devam entrar nesse hospital pela porta pequena, já que nem impostos pagam, esses parasitas.
Tinha muito mais a dizer sobre esta forma de ver a sociedade. A consideração que tenho por algumas das pessoas que escrevem nesse blogue, sobretudo o meu Fernando Moreira de Sá e o nosso António Figueira, impede-me de o fazer.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

18 respostas a Construam-se portas grandes para os ricos nos Hospitais Públicos (e, já agora, portas mais pequenas para os pobrezinhos)

  1. a anarca diz:

    UM BOFETÂO era pouco.
    estupores destes deviam ser votados ao ostracismo …
    Ouvi essa declaração do Passos e gostei de ouvir
    (na minha ingenuidade o que diz faz sentido e acredito qu só assim é que deve ser )
    As pessoas de bem responsabilizam-se pelos desfavorecidos e mais nada .
    Esta Fprieto Não é gente certamente !

  2. Dédé diz:

    Pode a Francisca estar descansada que, como dizem os brasileiros, o Pedro está a providenciar.

  3. Carlos Sousa diz:

    Ó Ricardo não te impeças, que o João do albergue espanhol diz que este blog é parvo.

    • Você é só tonto. Teve o discernimento suficiente para fazer uma piada. Se quiser um duelo, há-de ser ao xadrez ou, se não tiver inteligência para tanto, pode ser damas.

      • Carlos Sousa diz:

        Ó Joãozinho quando quiseres fazer juízos de valor olha primeiro para o espelho, porque se eu tive “o discernimento suficiente para fazer uma piada”, tu infelizmente não tiveste o discernimento suficiente para a compreender.

  4. monge do deserto diz:

    Analisados bem os argumentos invocados por Francisca Prieto, se calhar até tem razão…

  5. Francisca Prieto diz:

    Eu, rica??? Ah, ah, ah, ah.

  6. Justiniano diz:

    Verdadeiramente este Villalobos, que não conheço de lado nenhum, é um tinhoso! Tinhoso naquele sentido desonroso, de lambe nódoas alheias!! E um tinhoso empertigado e pesporrente! Lá terá as suas razões!! Mas que vem aqui, desembraiado, de sineta ao peito, ofender-se, à laia de manesa, de razões escangalhadas!! De peito feito!! Tivesse eu vagar, e por uma questão de princípio, vergastava-o didacticamente!!
    E como este local costuma ser frequentado por gente educada e de bom trato, as minhas sinceras descupas por este tão desajeitado desbafo!!

  7. Pedro Lourenço diz:

    Chiquinha, filha, continue a pensar assim e vai ver que quando precisar mesmo o sns está de tal forma descapitalizado que já não tem safa. nem porta grande nem pequena. vais tratar-se ao espírito santo ou ao mello e é bom que leia as letras pequeninas do seguro de saúde porque o mais certo é darem um pontapé no rabiosque da querida quando o seu plafond tiver sido atingido – e olhe que não é preciso muito.

    (Espero não ser ameaçado pelo rambo e declaro desde já que não tenho disponibilidade de agenda para coboiadas)

  8. antónio diz:

    Vale a pena olhar para o texto em discussão com inteligência, designadamente tendo em vista perceber do que estamos a falam em pano de fundo. Se perderem 5 segundos a pensar vão ver que a ideia é simples, a de não acabarmos de vez com os “ricos” (i.e., aqueles que, de acordo com o Governo ainda em funções perderam o abono de família) e de a suposta justiça social não poder ser feita com o custo de asfixiar, designadamente, o valor do trabalho.

Os comentários estão fechados.