Que se foda a democracia, como digo e sempre disse, mais logo Tilson Thomas, com a Sinfónica de S. Francisco, dirigirá a “Ressurreição” de Mahler (Coliseu, 21h)

 

Aqui, abrindo a obra (1. Allegro maestoso). É isto que vamos ouvir.
Entretanto, repare-se nesta imagem. É a Morte de Marat de David. Repare-se no braço direito de Marat, que David copiou da Pietá de Miguel Ângelo:

Michelangelo's Pieta 5450 cropncleaned.jpg

Também Bruce Nauman se encantou por um braço, uma obra-um braço, o braço direito. Braço que para nada serve, quando serve para votar, que para nada serve:

(No mais, praticamente de acordo com o Bruno, after Agamben; logo, acordarei mais bem disposto; recomeçar: o desaparecimento de Sócrates é um óptimo sinal!)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

41 Responses to Que se foda a democracia, como digo e sempre disse, mais logo Tilson Thomas, com a Sinfónica de S. Francisco, dirigirá a “Ressurreição” de Mahler (Coliseu, 21h)

  1. t. diz:

    o mais belo comentario a estas legislativas que encontrei na net. que força é essa?

    • Bolota diz:

      Caro Vidal,

      É mesmo que se foda a democracia…

      Mesmo assim, prefiro uma má democracia a uma boa ditadura, mas hoje porque dormi mal, que se foda a democracia e o povo que alimenta esta democracia eu incluido.
      Um povo que a viver no limiar da pobreza e elege um governo de direita, merece que se lhe chupe até os ossos.

      • Carlos Vidal diz:

        Postas as coisas nesses termos (e agora vamos lá a ser objectivos, porque a esta hora o maluco pide do Vias de Facto está a dormir), postas as coisa nesses termos (errados, diga-se de passagem), seria obrigado a concluir que prefiriria uma “boa ditadura” a uma “má democracia”. Só que há aqui um problema: não existem “boas ditaduras”, como se sabe. Mas, estranhamente, existem “más democracias”, e estas têm de ser derrubadas, transformadas, transfiguradas. Moderadamente diria, “reformadas”, “melhoradas”, etc., o que se sabe ser pouco. O que fazer então? Deixar a porta da emancipação sempre aberta.

    • Carlos Vidal diz:

      Força: é esta, amigo. (A do braço esquerdo.)

  2. JL diz:

    o importante é que se diga aquilo em que sempre se acreditou. o meu respeito…

  3. Justiniano diz:

    Caríssimo Vidal, sim, coisa neutra e insubstanciada (não obstante existir sempre alguma verdade e substancia na forma)!! Sabendo nós que o que de substancialmente se esconde por detrás daquela palavrinha e que verdadeiramente releva é o Estado de Direito liberal e social democrata! Sabendo nós que esse é o único mundo possível do possível, numa dupla dimensão ou num dualismo de limites, no sentido em que nada existe de possível para lá (além) e para cá (aquém) da dita republica liberal e social democrata!!
    Como será o Coelho capaz de cumprir o possível!!?? Ontem, enquanto desfilavam, em rodapé, os nomes dos eleitos, não pude deixar de evitar alguma pusilanimidade de espírito, tão flagrante, salvo as excepções que o são(eram), era o vazio de virtude e inteligencia!! Sem querer ser vulgar nesta minha observação, mas não podendo especificar por falta de vontade, tenho mesmo de ser vulgar, é inevitável (de outro modo seria cansativa a justificaçao, demasiado cansativa e aborrecida, o caríssimo Vidal e os restantes leitores compreenderão esta minha vulgar banalidade)! Depois da partida do mitómano contumaz, vemo-nos, finalmente, entregues a nós próprios! Aquele, o homem, inimputável, agia por indução térmica da “Europa”, não dava um passo que não fosse o passo que lhe haviam dito, na Europa, para dar e cria, profundamente, que assim bastava! Que não o abandonariam à sua sorte e aos seus méritos! Deslumbrado, foi assim avançando!! E aqui nos trouxe aquele!! Aqui, hoje, entregues a nós próprios!! E neste ponto me quedo mais animado!! Entregues a nós próprios, em consciencia!! Vamos ver!! Tenho pena da fraca estirpe que compoe aquela Assembleia, mas nestes tempos de necessário engenho estou esperançado que a atrevida ignorancia se contenha, pois a paciencia para a mediocridade parece-me esgotada!!
    O caro Bruno Peixe queda-se “sentimentado” talvez por não ter ainda visto a coisa por este prisma!! Recomeçar, como dizia o caríssimo Vidal!! Vamos ver!!

    • Carlos Vidal diz:

      No outro post (o de Deus e Caravaggio) – http://5dias.net/2011/06/03/deus-caravaggio-e-eu/ – e na nossa conversa sobre “eterno retorno” e (acrescento eu) infinito (Georg Cantor e algebrização da geometria), digo eu que se pode manter a hipótese de a democracia (talvez participativa como estádio além da representativa, exaurida e morta) pode ganhar outras dimensões que não apenas a da sustentação do estado liberal. Não digo exactamente que sim, mas suponho essa hipótese ser algo que desponta quando não se espera.
      Quanto ao resto, estamos de acordo: a partida definitiva dessa violenta agressão à nossa inteligência, a partida dessa figura ontem derrotada, deixa-nos mais animados, menos tensos e mais humanos.

      Pelo menos, podemos continuar a conversar sem aqueles famosos termos que não quereríamos ouvir mais: “maledicência”, “campanha negra”, “bota-abaixismo” e mais, que sei eu?

      Um abraço meu caro.

  4. Helena Borges diz:

    Já eu… Mando os abstencionistas, e não só, à m…

    Tive um gostinho perverso em ver a Elza Pais – a digníssima Sectretária de Estado da Igualdade, ex-, ex-Secretária – com cara de (falta de) tacho, sentadinha na primeira fila do Altis. Essa pulguita que recusou uma audiência à Aminetu Haidar.

    • Carlos Vidal diz:

      Também me deu imenso prazer essa gente ter aquilo que lhes cabe e merece (sendo que até acho merecerem muito pior, ou mais justo, justiça enfim: por exemplo, gostei daquela pergunta da jornalista da Rádio Renascença a JSócrates, “e os processos judiciais, serão agora reabertos?” Reparaste na assistência e nos jagunços do Altis? Não estavam à espera daquilo, deviam estar a pensar assim: “no meio de tanta dignidade na assunção da derrota pelo nosso líder, oh, vem esta com esta questão indecente” – e eu tenho cá uma consideração pela dignidade desse pessoal !….).

      Gostei também de saber que uma tal de Pássaro (Ministra do Ambiente) chorou (!!!!!!!!) quando JSócrates disse ir abandonar a liderança do Partido S.

      Entretanto, gostei ainda mais quando Jerónimo de Sousa deu a entender que a luta política futura não vai passar pelo parlamento (como nunca passa, aliás, como se sabe), e tal luta não é nada menos nem meia do que inevitável (aliás, lógica!).

      Era/é a isto que eu me refiro quando digo “que se foda a democracia”, ligando o termo ao “parlamento”, que é, entre nós infelizmente (tragicamente) o único “palco” da democracia.

      Quanto ao resto, não sou abstencionista. Todos sabem que voto CDU.
      Grande abraço (ah, por várias razões, já fui abstencionista, como costumo dizer, crítico: por achar que as nossas intervenções na vida cívica e na esfera pública podem ser de muitas espécies: publicar um livro sobre arte política ou fazer uma exposição é um acto de intervenção político. Mas agora, agora, todo o esforço para ampliar e consolidar esta votação da CDU, todo este nosso trabalho ao lado da CDU é sempre pouco, devemos fazer sempre mais de preferência. Logo, nada de abstenção. Outro grande abraço para ti, Helena – não tarda muito tenho de estar por Serralves, depois falamos.)

      • Helena Borges diz:

        Os jagunços do Altis, prontos a molhar a sopa! Pesou o salvo-conduto concedido pelo directo à jornalista. E os processos judiciais? E os trejeitos indignados? Sim, e os processos judiciais? E os trejeitos ainda mais indignados?

        Agora, engalfinham-se. O Seguro lá saiu do elevador em formação heavy metal, com a Jamila ao canto. O Costa avança? O jungle fever já está a arejar. Assis? De vez em quando.

        A luta é nas ruas, sempre. O parlamento pode ser uma ferramenta, mas como ficou não será. Não souberam – aqui, recuso-me a usar a primeira pessoa do plural – aproveitá-la. Sabes, estou intolerante com o abstencionismo, é que aqueles três milhões – já descontando um abuso de mortos, cerca de oitocentos mil – não vão tomar as ruas tão cedo. Não são estandarte de ninguém, da esquerda à direita e passando pelos Rossios. Pode ser que o Renato não leia isto, mas nem sequer estou a visá-lo.

        E ser cidadão é tão mais do que enfiar um voto numa urna!

        (Abraço agrafadinho.)

        • Carlos Vidal diz:

          Helena, estamos no mesmo barco sobre a cidadania – muito mais do que enfiar um voto numa urna, disciplinadamente e de quatro em quatro anos. Foi essa a mensagem de Jerónimo de Sousa, o seu subtexto (digamos assim).
          O abstencionismo apolítico é coisa grave. O Rossio lá está, umas vezes vazio, outras com gente. O problema do Rossio foi o carácter apolítico de que por vezes se revestiu, reduzindo quase tudo ao slogan – não chega, como o parlamento não chega.
          E sobre como sair daqui também não tenho uma resposta exacta: uma coisa me agrada no Rossio: a ocupação do espaço público (que há muito nos privatizaram).

          (Continua)

  5. xatoo diz:

    sobe sobe balão sobe (a alma ao purgatório)
    “que se foda” antes a ressurreição do judeu Mahler
    como forma superior de alienação

    • Carlos Vidal diz:

      Estou a ficar farto desta merda, e tenho muita paciência.
      Não sei se Mahler era ou não judeu, nem me interessa, mas interessa-me a sua música acima de qualquer outra (junto a três ou quatro outros).

      Quanto à enxurrada de PCP grafado à maneira parva do MRPP, ou seja, P”C”P, também já começo a fartar-me, sobretudo quando isso vem de um adepto de Manuel Alegre, e de alguém que me parece já não ser capaz (como eu sou e me interessa) de exaltar a Revolução Cultural, facto que aqui sempre destaquei.
      O MR ainda é maoista? Sim? Não? Porquê?
      É que eu tenho apreço pelo sr. chinês, e não gosto de renegados.
      E já agora, e porque estou a fartar-me (atacar Mahler é proibido nos meus posts! – REGISTE!!), digo-lhe xatoo que em menino andei pelo MRPP – lá fiz, com outros jovens, um jornal pertença então do que chamávamos “Núcleo de Jovens Simpatizantes”, portanto sem idade para filiações, e hoje não gosto mesmo nada de me lembrar onde me mandavam, a mim e a outros, por vezes, buscar equipamento eléctrico/sonoro para os comícios: à sede do …… local. Por isso, xatoo, mais calminha, mais calminha, o MRPP pouco tem a ver com a esquerda.

      Em resumo, o PCP escrito deste modo: P”C”P, também será coisa que eu não gosto. ‘Tá dito.
      Entendido??

      • Vasco diz:

        Em Almada era nas sedes do PS que os MR’s iam buscar o que precisavam para atacar o PCP. Noutros sítios não sei…

        • Carlos Vidal diz:

          Noutros sítios, idem.

          O PS é demasiadamente organizado (mesmo em sociedades secretas, sobretudo desde aí), tentacular e perigoso. Perigoso mesmo. É o responsável nº 1 dos nossos descalabros. E não parece. Faz por não parecer e às vezes até consegue passar por entre os pingos da chuva (!!).

  6. miguel dias diz:

    Grande som!
    (E sim que se foda…)

  7. miguel dias diz:

    Lembrei-me agora de uma coisa. Um bocado tortuosa, bem sei. Andaste e bem, durante meses anos, atacar essa coisa socretina, seus apêndices e manifestações várias. Hoje, daqui para a frente, confrontas o verdadeiro inimigo despido da pele de cordeiro. Mas nessa luta que se segue o que fazer com os tais apêndices ? Eles vão estar do teu lado da barricada, ou é apenas um impressão minha?

    • Carlos Vidal diz:

      Os tais apêndices serão atacados sem dó, como o cabeça da coisa.
      Aquilo funciona em rede.
      Se, por acaso, se viesse a descobrir algo de novo sobre o Freeport, algo de muito claro e irrefutável, creio que o apêndice/clone Silva Pereira, muito provavelmente, seria arrastado com o outro. E assim sucessivamente.
      Ou seja, se bem te entendi, digo que quero os apêndices longe da porta (até porque são piores que a “figura central”, precisamente porque apêndices).

    • Justiniano diz:

      Apenas para lançar ali um abraço e um bem haja ao caríssimo miguel dias!! Que Deus o guarde de bom regresso!! E que dizer desta eleição, miguel dias!!?? Prognósticos!? Avançará o Coelho com toda a confiança ou voltará a jericó!? Que diz aí a tua bola de cristal!?
      (Caríssimo Vidal, se bem entendi ali o nosso caro miguel dias, referia-se à possibilidade impossível de ajuntamento poético entre a sua esquerda e a esquerda da prima!! Assim, na rua e tudo, agora que os liberais foram soltos da trela e falam de boca cheia!!)
      Um bem haja,

      • Justiniano diz:

        (Ali o Coelho é o Passos Coelho e o avanço, claro está, serão os cavaleiros do apocalipse liberal)

        • Carlos Vidal diz:

          Ver o PS (“Reconstruído”) numa manif ao lado da “minha” esquerda? Não creio. Não creio mesmo. Eles lá têm as UGTs deles, não vai ser possível. Por vontade de ambas as partes. E julgo que Sócrates não vai assim, sem mais nem menos, em “busca da felicidade” (quem iria com ele???). Ele vai continuar a influenciar os movimentos da coisa PS (que não, não se dirá “Reconstruído” – aquilo é mesmo aquilo que é, e será: para a esquerda, nada: será “alguma coisa”, sim, mas só na cabeça de um Daniel Oliveira).

          • Justiniano diz:

            E, caríssimo Vidal, para a “sua” esquerda é verdadeiramente um alívio!! Finalmente poderão, como bem diz ali o caríssimo miguel dias, enfrentar o verdadeiro inimigo despido da pele de cordeiro!! Ficam pois dispensados daquele compromisso de parecer ser das pequenas coisas de esquerda que causam algum constrangimento sempre que o PS entoa um brocardo canhoto!!
            (São questões de família, como dizem o DO e o RT, não é!?? E que grande família!)

          • Carlos Vidal diz:

            Será isso, suponho.
            (Com os bolsos cheios de pedras: se isto tivesse uma medida exacta, diria que deve haver 10% de gente disposta a marchar e sem UGTs.)

  8. xatoo diz:

    Carlos Vidal
    as condições sociológicas nessa sua época de menino eram outras. Havia o confronto entre as duas superpotências (o que aconteceu em Angola é um case-study) e é admissivel pensar que na adolescência do pensamento comunista em Portugal algumas ingenuidades fossem instrumentalizadas. Leve isso em conta quando se pronunciar, porque isto não é nenhuma missa onde se diz sempre a mesma coisa, como se as sociedades não fossem organismos dialécticos; a sua composição muda e as teorias não são doutrinas estáticas, evoluem consoante a orgânica politica actual
    Sobre o Maoismo hoje, alinhavei algumas considerações no post da Helena Borges (se lhe interessar)
    http://5dias.net/2011/06/05/3-875-022/comment-page-1/#comment-189802

  9. Vasco diz:

    Que o PCP estará na rua – e noutros locais onde se trava a luta de classes – não há dúvidas. Venha a «outra» esquerda também, se assim o entender.

    • Carlos Vidal diz:

      Está bem, que venha.
      Mas, como noutras circunstâncias (à beira das estradas nocturnas), temos de ter cuidado com quem damos boleia.
      Com Costa ou com Contracosta, tem de ser perceptível quem tem a iniciativa, e tem de ser perceptível quem parasita e porque parasita.
      Para já, é isto. Acho que estamos de acordo.

  10. xatoo diz:

    agora por bocas, acresento mais uma:
    quem move o P”S” não é o Sócrates nem o Assis ou o Seguro; quem move o PS é a Maçonaria, numa situação em que quem determina de facto as politicas nunca dá a cara (Almeida Santos, Arnaut, Alegre et al… agora já andam a ganir pelo António Costa, esse sim, que é credivel ) Se vier o Costa a aceitação do “povo de esquerda” virá com ele.É um circulo eterno. E isso é que interessa ao directório partidário do P”S” e suas clientelas: a credibilidade da opinião pública num tipo que foi empossado pelo Bilderberg

  11. Carlos Fernandes diz:

    Eh pá que grande tiro certeiro deu agora o Xatto nesse comment mais acima. Só lhe faltou referir que não é só o PS que a maçonaria e o maçónico bildeberg controla, também controla outros partidos à esquerda e à direita (de vez em quando lá fazem eleições para mudar as moscas e as marionetas, para criar uma sensação de frescura e mudança no povo, com caras novas), mas derreter isto, como diz o ilustre Carlos Vidal, pois isso é que mais díficil. Teria que haver, a bem de uma Democracia real e verdadeira, e não de uma de fachada que mais não é do que uma vergonhosa palhaçada, não um mas 5 ou 6 juízes Di Pietro anti corrupção e tráfico de influências e com tomates para engaiolar os 20 ou 30 passarões que nos bastidores controlam os cordelinhos desta situação.

    • Carlos Vidal diz:

      Evidentemente, isso mesmo, trabalhar para derreter a mais poderosa mafia para-institucional internacional, e não vamos lá com uma aliança MRPP-PS (e disso sei do que estou a falar – repito: mas ó xatoo, apareça sempre!).

  12. xatoo diz:

    não, não vamos lá…
    porque a aliança não é entre dois directórios paridários, mas sim entre o programa apresentado pelo PCTP-MRPP e as bases sociológicas que votam PS iludidas pela apropriação da palavra Socialismo. Tenha uma certeza: sem a adesão maioritaria das bases nada se fará
    Espero que compreenda as diferenças e suspenda a tendência para pensar sempre em termos de tomadas de posição por agrupamentoa de elites partidárias

  13. Pingback: Anders Breivik e 5 Dias: a violência como o ponto em que os extremos se tocam « O Insurgente

Os comentários estão fechados.