precisamos de gente das letras na política. menos alegres, mais felizes e mais sérias.

no mário crespo, ângelo correia diz para bernardino soares, “você não consegue não acredita que os pobres possam vir a viver melhor no futuro, eu estou a ver”. e a única coisa que ouve é um lacónico “isso é outra discussão”? e ninguém lhe aponta o que a linguagem representa? os pobres viverem melhor. ou mais contentes. é o que se pretende. todo um programa numa frase. os pobres. eles. vocês. nós.

Sobre Sassmine

evil fingering.
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

18 respostas a precisamos de gente das letras na política. menos alegres, mais felizes e mais sérias.

  1. Álvaro diz:

    Coelho pr’á caçarola, já !

  2. Lúcio Ferro diz:

    Não se preocupe, Sassmine, gente das letras na política não faltará, a trágico-comédia ainda vai no preâmbulo e a política só agora recomeça, fresca, lavada de farsas após o voto democrático da maioria dos que exerceram o direito, mais divertida, mais salutar e estou em crer mais séria do que antes, sem abdicar, obviamente, do sentido crítico e, claro está, sem perder a capacidade de sorrir.

  3. Renato Teixeira diz:

    “os pobres. eles. vocês. nós.” Claro, curto e cheio de classe.

  4. Helena Borges diz:

    Joana, com carinho: lembras-me aquele confronto entre o engenheiro e o poeta. Dois mil e? Corrida à liderança do PS. “O país não precisa de um engenheiro, precisa de um poeta”. Ou seria ao contrário?

    Para além do eles e do nós, incomoda-me a ideia de que os pobres continuarão pobres, ainda que um bocadinho menos pobres, pobres, eles.

  5. Pingback: E o trabalho, pá? | cinco dias

  6. Sassmine diz:

    A mim, neste discurso, incomoda-me tudo…

    • Sassmine diz:

      Ah, eu vou editar o post, para que se perceba melhor. precisamos de gente mais feliz e menos alegre. não é de poetas, é de pessoas que dêem o devido valor às palavras e não as deixem passar assim incólumes…

  7. Chalana diz:

    Clap, clap, clap! Uma excelente análise ao trabalho realizado pelo PCP…

  8. Chalana diz:

    Pois se era essa a intenção e sobretudo feita deste modo, mais vale voltares a postar os artigos da constituição – são uma seca, mas sempre são mais factuais.

  9. Chalana diz:

    Percebi a tua falta de argumentos.
    Percebi a tua acintosa sugestão de que os comunistas estão à margem dos pobres.
    Percebi até o moralismo de quem quer dar lições.

    Está tudo?
    Abraço!

    • Sassmine diz:

      Que perspicácia. E curiosamente percebeu nada. Curioso. Argumentos? Mas isto era um debate? É que não parecia. Se quer saber, pergunte, Chalana.

      ‘Tá tudo, man. Props.

  10. Chalana diz:

    Tens razão pá! é a tal importância das palavras. é que tu já estás para lá dos pobres e dos ricos, da luta de classes e do pós-fordismo. Mas se também não for isto (ainda que já tenhas confirmado que o “isto” também era uma crítica ao PCP) condói-te um pouco da minha ignorância (já se sabe que os comunas são todos uns básicos)…

    • Sassmine diz:

      os comunas todos, sei-o muito bem e felizmente, não o são, mas o Chalana é básico que dói. isto é tudo porque eu não fiz declaração de voto? se eu o tivesse feito já podia dizer que o Bernardino Soares não soube responder? ou o Chalana já perceberia que o foco desta posta é precisamente a luta de classes, personificada nessa pessoa simbólica que é o Ângelo Correia? é que não é só básico, Chalana, é burro e mal-intencionado.

      e só para o informar, apoiei publicamente e votei CDU. não graças a comunistas como o Chalana, isso é certo.

  11. Chalana diz:

    Estou comovido!

Os comentários estão fechados.