O Pinto resolveu

Júlio Castro Caldas, o magistrado relator do processo disciplinar instaurado pelo Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) aos procuradores que investigaram o Caso Freeport, considera que havia indícios suficientes para José Sócrates e Pedro Silva Pereira terem sido constituídos arguidos. No despacho de arquivamento, a que o i teve acesso, o ex-ministro da Defesa de António Guterres, e colega de governo de Sócrates, sustenta ter havido uma “violação do princípio de igualdade processual, e debilidade instrutória”, graças à existência de “indícios de suspeição suficientemente fortes que permitiam a inquirição dos governantes com o estatuto de arguidos”

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a O Pinto resolveu

  1. B.P. diz:

    Castro Caldas, magistrado?
    Magistrado?
    Chamem a polícia (não é por nada, só para dar duas palmadas no, digamos… jornalista).
    Haja paciência!

  2. Augusto diz:

    Tudo bem Saraiva, mas ao mesmo tempo que hoje surge esta manchete, parece que o caso dos submarinos foi totalmente esquecido.

    E 3 administradores alemães da empresa que os vendeu, estão a contas com a justiça na Alemanha, julgo mesmo que se encontram presos.

    E há indicios muitos fortes de pagamento de luvas em Portugal.

    Porque será que este processo não anda.

    Há corrupção no PS, há corrupção no PSD há corrupção no CDS, e os processos não avançam, porque será.

    E porque é que esta campanha eleitoral foi tão omissa na denuncia deste flagelo.

Os comentários estão fechados.