Relatório Único, o novelo do PSimplex, as empresas de PSucesso e os turbo-dirigentes PS

As empresas que quiserem entregar hoje (último dia) o seu relatório único, documento de entrega obrigatória, não irão conseguir. Isto porque o portal no qual se deve preencher o relatório foi, aparentemente, tomado de assalto.
Até aqui tudo bem, podia ser considerado um azar. O problema é que nas diversas áreas/serviços online do Estado, sempre que há um elevado número de acessos é o desastre. Tudo se complica. O que revela um problema de fundo, dos portais, das bases de dados encomendados pelo Estado. Um problema de competência técnica e criativa de quem produz e gere estes serviços.
Quando super-empresas como a Novabase, com 550 adjudicações nos últimos anos (entre os quais os desastrosos serviços online da segurança social), investe em António Vitorino para Presidente da Assembleia Geral da SGPS, está tudo dito.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Relatório Único, o novelo do PSimplex, as empresas de PSucesso e os turbo-dirigentes PS

  1. Guilherme diz:

    Acrescento que a aplicação para preenchimento e entrega do RU é uma das maiores catástrofes de usabilidade e desenho de interfaces que já tive a infelicidade de usar na vida.

  2. susana diz:

    gostava de perceber porque raio recebeu o simplex um prémio internacional que o distingue como instrumento da administração pública. toda a gente do meu conhecimento que recorreu ao dito deparou com uma enorme ineficiência.

    quanto aos serviços online da segurança social, parecem uma paródia. recentemente procurava informação sobre creches públicas (começo a duvidar seriamente da sua existência…) e depois de ter passado por uma série de seleções que estreitariam a resposta (mapa, tipo de serviço, etc.) a iteração desaguou numa informação preciosa: “para obter essa informação dirija-se aos serviços de segurança social da sua área de residência” (que é um dissimulado “venha passar o dia connosco!”). experimentei outras iterações, aleatórias, e a resposta era sempre a mesma. eficientes até à medula, até parece que o fazem por directivas superiores – dir-se-ia que querem justificar a privatização.

Os comentários estão fechados.