Sócrates e “cultura” é coisa contraditória nos termos, mas tudo é possivel em portugal (pequenino, muito pequenino)

SIZA VIEIRA. Mimesis Museum (Coreia do Sul). 2009.

Siza Vieira e Souto Moura não quiseram pequeno-almoçar (não caíram na ratoeira) com este homem e vulto de veneração da CULTURA, este citador de todos os clássicos do património da humanidade, este erudito candidato que confunde na escrita de Pessoa aquele verso do “menino de sua mãe” com “amor de sua mãe” (este último, versão JSócrates – o que é muito bonito).

Siza recusou, mas estes (e que “estes”!…) lá estiveram. Agora, a quem pequeno-almoçou hoje com Sócrates para falar de CULTURA, faço um pequeno desafio: que se atrevam a fazer um balanço destes últimos 6 anos 6! socratistas culturais. Por exemplo, aquela senhora, muito pequeno-almoçadora, muito sucialista (e socialite) e que foi parar (por milagre?) à Cinemateca, que o faça. Um balanço, um balancete. Comecem, por exemplo, com Pinamonti e depois continuem com uma meditação sobre a percentagem da cultura no orçamento de estado…

E todos, toda a gente o faça seguidamente, para que tudo fique mais claro.

Leiam JSócrates:

“Quando dizem que querem acabar com o Ministério da Cultura estão a dizer que querem menorizar a cultura, andar para trás nas funções do Estado e entregar tudo ao mercado”, disse.

E eu, por mim, não direi mais nada.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

4 respostas a Sócrates e “cultura” é coisa contraditória nos termos, mas tudo é possivel em portugal (pequenino, muito pequenino)

  1. closer diz:

    O balanço da actividade da Cinemateca, está à vista: o ponto mais baixo da sua história.

    Maria João Seixas é a directora geral da Comissão Liquidatária da Cinemateca. Condiz. Afinal, não foi Sócrates que deixou este país num estado miserável?

  2. ricardosantos diz:

    não estiveram com o socras mas estiveram com o papuço sacristão.

  3. Se calhar faltou aquele som da visão. Os putos da faculdade deixaram de lá ir, aquilo foi asssaz educativo e didactico, mas mais dos volumes um e dois do Diseuse. Não viam nada e de seguida vinham ler para aqui. Um tripálio, daqueles de Siena.

Os comentários estão fechados.