O discurso de Futre nos «Globos de Ouro» e o incómodo de Mira Amaral


Paulo Futre esteve em grande nos «Globos de Ouro». À parte os seus ataques a Bárbara Guimarães (só faltou saltar-lhe em cima), numa atitude típica de «macho latino», ficou uma mensagem séria aos políticos portugueses. Falou da classe média, que tem cada vez mais dificuldades em chegar ao fim do mês; e nos pobres, que nem sequer têm dinheiro para comer. «A classe baixa portuguesa está a passar fome. Repito, a classe baixa portuguesa está a passar fome. Concentrem-se, por favor», disse.
Um discurso que arrancou muitos aplausos da multidão presente na cerimónia. Inadvertidamente, no meio dos aplausos entusiásticos, a realização mostra um Mira Amaral descontente que não bate palmas e que está visivelmente irritado com o discurso. Logo atrás, um outro «colarinho branco» não disfarça os seus sentimentos com uma expressão marcada pela arrogância (cerca dos 4 minutos).
Para a classe política, a pobreza é um incómodo. Um tema extremamente inadequado para uma cerimónia daquelas. E Futre, esse, deve ser um comunista radical – só pode…
Houve um outro político que não pareceu gostar muito da prestação de Futre. Manuel Maria Carrilho não conseguiu disfarçar o sorriso amarelo. Mas aí, está bom de ver, os motivos foram outros…

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

Uma resposta a O discurso de Futre nos «Globos de Ouro» e o incómodo de Mira Amaral

  1. Sassmine diz:

    ai o Amaral com cara de pfffffff…

Os comentários estão fechados.