Pois, claro, evidentemente, morto o comunismo, vem a felicidade

When the U.S. economy was riding high for most of the 20th century, it would have been impossible to imagine a foreign city–especially one in a Communist country–with more of the planet’s very richest than New York, home of old-money Wall Street. But that indeed is the case. Today Moscow is the city with the most billionaire residents in the world.

The Russian capital boasts 79 billionaires, a stunning increase of 21 in just one year. That more than edges out No. 2 New York, with 59 billionaires, and No. 3 London with 41. Other cities in the top 15 include such rising stars as Mumbai, Taipei, Sao Paolo and Istanbul. Los Angeles manages a tie for No. 8.

(Oh, por que espera a Câncio e não embarca já… É que aqui, em Moscovo, não se fala de outra coisa: a tão ansiada chegada da f…)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Pois, claro, evidentemente, morto o comunismo, vem a felicidade

  1. Helena Borges diz:

    Distribuir a riqueza é uma maçada.

  2. Justiniano diz:

    A Aliyeva continua em grande forma, discretíssimo charme!!

  3. António diz:

    É tão melhor ver a população viver na miséria. E cada ano de comunismo é um passo atrás no progresso civizacional! Qual é o partido comunista que o Carlos gostava de viver?

    • Carlos Vidal diz:

      Quando uma primeira dama põe o mais caro dos diamantes, quando os bilionários chegam à praça lá da terra, o povo vibra de felicidade.
      Quanto a partidos, o meu preferido sempre foi o chin̻s Рdo tempo da Revolṳ̣o Cultural.

      • Gentleman diz:

        Como dizia Diácono Remédios: os chineses fizeram uma revolução cultural magnífica… porque matou 1 milhão de comunistas.

        • Carlos Vidal diz:

          O Diácono disse isso, foi?

        • Rocha diz:

          O Gentleman aplaude que se matem 1 milhão de pessoas por serem comunistas (seja qual for a veracidade da afirmação citada, facto ou mentira) e ainda consegue corar de vergonha de lhe chamarem fascista.
          Talvez para si isso seja pouco e deva chamar-lhe de nazi…

  4. Pedro diz:

    Claro que isto compromete o autor original e não o Carlos…

    “(…)But that indeed is the case.”
    “–especially one in a Communist country–”

Os comentários estão fechados.