Guantanamo Allgarve Inn.

É este o grande projecto do PS de Soares e Sócrates para Portugal: sem salários, sem férias, sem horário de trabalho de trabalho, sem direitos, sem informação, sem cultura, sem autodeterminação, um belo dia, num futuro próximo, receberemos o nosso saquinho de plástico a troco do privilégio de votar no Partido do “S”, no único quadradinho constante do boletim de voto.

Nasceremos já com dívida original, já em falta, já com culpa. Percorreremos o país de autocarro, atrás da bancada metálica que se monta em frente ao grande líder. Não saberemos bem o que se passa, pois seremos estrangeiros no nosso próprio país. Pior: seremos estrangeiros imigrados no nosso próprio país. O país do “S”.

Olharemos embasbacados a televisão com os seus manipuladores de opinião e de realidade. Discutiremos e sonharemos horas a fio o tom, a hesitação, o soluço, a lágrima, a gravata, a esposa, a gaffe, a sondagem, a entrada prematura em directo que nos oferecem para nos regalarmos e rirmos, enquanto anunciam que jovens vão começar a morrer porque faltaram rissóis na Quinta da Marinha.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

13 respostas a Guantanamo Allgarve Inn.

  1. Helena Borges diz:

    Isto é um nojo: fazer da imigração um banco de imagens, comprar pessoas com uma merenda e um passeio. O método não é novo, lembro-me dos autocarros de reformados que celebram as vitórias eleitorais no Altis. Ainda assim, a abjecção não cessa de surpreender-me.

    • Helena Borges diz:

      Pensando melhor, a situação dos autocarros de reformados é diferente: importa mais a quantidade do que a cor. As pessoas são igualmente mercadoria, claro.

    • Renato Teixeira diz:

      E ainda há quem pense que a votar nestes senhores se está a votar à esquerda. Nojo, é exactamente o nome que se dá a isto.

  2. Orlando diz:

    Nojo, muito nojo, brinca-se com as pessoas mais vulneráveis, aquelas que nada têm a troco de um passeio e de um saco de merenda. Se ainda existe alguém que pensa que este PS de Sócrates é de esquerda, fica definitivamente com as dúvidas esclarecidas.

  3. cidsimoes diz:

    É o despudor desbragado. É o PS!

  4. JL diz:

    Nojo…
    e a verdade é que o Nojo não tem lado.
    é só mesmo Nojo…

  5. Catarina Borges Abel diz:

    Tiago,

    Se o Orwell pudesse assistir ao que se anda a passar… Já deves ter lido, chama-se “1984”.

    Catarina

  6. E com uma pegada de carbono enorme. Partido da Sujidade. Bafienta…cof, cof…

  7. Pingback: Uma pergunta para JSócrates: onde estão afinal os paquistaneses?? Desapareceram?? Como?? | cinco dias

  8. Jorge Castro diz:

    P «S»? De quê? Só se for de «S»ócrates, talvez, ainda que até este careça de aspas…

    O oportunismo muito pró-orwelliano, mas notavelmente mais tacanho… ainda! Nada de novo, afinal. Lembremo-nos dos putos arregimentados para o magalhães.

    Mas não deixou de ser curiosa a «unanimidade» interna no apoio em recente congresso. Se calhar, por duas solitárias (como as bichas intestinais…) razões: «se o homem ganha as eleições, assim cúmà assim, temos tacho garantido; se o homem perde, leva com as culpas, corremos com o gajo e partimos para outra…» Isto é, à pala do sujeitinho há-de haver quem fique sempre bem na fotografia. Elementar. Por isso apareceram tantos esquecidos dos últimos tempos. O melhor da política chunga à portuguesa.

    A subida dos juros agradece.

Os comentários estão fechados.