CUBA: Juan Wilfredo Soto e questões de credibilidade

Dissidente Guillermo Fariñas responsabiliza o Governo pelo "assassínio" de Soto

O senhor da foto, um ultra-famoso mitómano cubano, creio que psicólogo e especialista em autopromover-se com greves de fome meticulosamente preparadas desde há mais de 25 anos (ou melhor, desde os seus 20 anos de idade já foram umas dezenas de “greves” certamente, o que lhe valeu um qualquer prémio internacional com o nome de um antigo, por assim dizer, “dissidente” soviético), esta idónea fonte jornalística, assegura que um outro “dissidente” do seu país, de nome Juan Wilfredo Soto, um “activista” com inúmeros problemas de saúde, foi assassinado pela polícia cubana (quer dizer assassinado na quinta-feira, vindo a morrer ontém). Se foi ou não verdade, sobre o que se passou apenas temos a versão de Fariñas, na foto, e da famosa e fogosa lutadora dos direitos humanos Yoani Sanchez, crítica radical de Fidel baseada na ultrademocrática cidade de Miami… não, enganei-me, Havana.

A pressa dos jornais em dar a notícia deve (ou não) ser sintomática. Parece-me que Cuba ainda representa qualquer coisa de desagradável. Muito desagradável. É que não há meio de por lá rebentar uma revolta tunisina. E o pessoal da Florida já espera pela coisa há mais de 50 anos!!

YOANI SÁNCHEZ, de quem se pode conhecer aqui, por exemplo, algumas histórias curiosas. Era Luís Figo um pesetero? E era o único??

E aqui vai o seu blogue, muito interessante (uma merda, vamos!) e ultra-proibido e consultável por todos e a qualquer hora (não recomendo, contudo).

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

38 respostas a CUBA: Juan Wilfredo Soto e questões de credibilidade

  1. ezequiel diz:

    bolas
    não sabia que em miami já se compram favores sexuais com jeans.
    não sei se o sr prof poderia alugar uma familia em miami. a dúvida persiste. 🙂
    questões abordadas na sua Metafisica da Moralidade.

    • Carlos Vidal diz:

      grande (pequeno) ezequiel, tarado por israel,
      não reparou ainda que já desceu à condição de outros comentadores (e alguns até são ex-bloggers desta casa) com quem não troco ideias, não polemizo, não confirmo nem desminto, nem…

  2. Von diz:

    Essa do Figo pesetero… Ainda e sempre. Quantos, sim quantos, jogadores trocaram clubes. É uma profissão e não um sacerdócio ou ideário social ou político. Pois, o Diego jogava por amor… O Pep treina por amor… O Leonel, o Carlos, o Sergi, todos o fazem por amor…

  3. vidal Radical o muro caiu à mais de anos e o comunismo é um monte de tretas para adormecer criancinhas.

    Acorda pá, fáz-te há vida !!!!

    25 de Novembro Sempre, comunismo e comunas tótós nunca mais !

  4. poispois diz:

    Aí está o Sr. Carlos Vidal. O homem que nunca foi a Cuba, e se foi, não foi além do portão da sede do partido.
    Gosta de passar férias no paraíso da República Democrático da Coreia e nutre um particular fascínio por qualquer totalitarismo (desde que seja de esquerda).
    Meu caro, totalitarismos são repugnantes sejam eles de esquerda ou direita. Vivemos muitos anos sem podermos exprimir as nossas opiniões senão íamos presos e torturados.
    Faça um favor a Portugal: vá para Cuba combater “o pessoal da Florida” e fique lá por muitos e muitos anos.

    • Antónimo diz:

      Poispois, conhece Cuba e Coreia do Norte como a palma das suas mãos, verdade? Eu não. Nunca lá estive e, se desconfio (muito) dos jornais, também desconfio da bondade dos dois Governos – menos de um do que de outro -, tal como desconfio da bondade do nosso e de que em Portugal (na Europa) ainda se viva em democracia.

      No entanto, acho que valeria a pena ler Poispois se contrapusse algo ao que o Carlos Vidal aqui diz e fundamenta.

      Por exemplo, podia pôr em causa as fontes dele dizendo não serem credíveis (mas com argumentos e factos: por isto e por aquilo); que o jornal não sei quê também disse não sei quantos; que isso contra a twiteradora foi um plano forjado por Havana para a descredibilizar; que etc., etc., etc.. Das três uma, ou procurou e não achou, ou procurou e não gostou do que achou, ou limitou-se a papaguear ideias feitas

      Para repetir lugares comuns, que não fundamenta, mais vale continuar a fazer o que estava a fazer. Deve haver algo mais útil para fazer do que encher as caixas de comentários com coisa nenhuma.

      • Leo diz:

        Por muito que desconverse o certo é que as “fontes” não têm ponta de credibilidade e nenhum media sequer desta vez ousou pedir informações aos familiares. E tanto quanto se sabe o fulano em causa não era órfão.

        Isto não tem credibilidade nenhuma.

      • poispois diz:

        Se nunca lá foi devia ir porque não sabe o que perde em Cuba; um país maravilhoso com um povo acolhedor que não merece o regime em que vive, quanto à Coreia escusa de ir, é muito chato viajar sempre acompanhado pelo cicerone do partido.
        Já agora, não sabia que um comentário de coisa nenhuma mereciam uma resposta tão longa.

        • Antónimo diz:

          Por ter a secreta esperança de que seja suficientemente inteligente e passe de futuro a dizer qualquer coisinha em que se possa agarrar num debate honesto.

          Custa-me abrir os comentários e vê-los cheios de tralha e lixo que nada adianta seja ao que for e que apenas me fazem perder tempo útil. Com o longo texto apenas esperei que de futuro pensasse antes de falar, em vez de como um papagaio repetir o que ouviu. A fé não me chega enquanto argumento intelectual.

          O Carlos Vidal se calhar até não tem razão nenhuma, mas não são os comentários de taxista que me convencem do contrário e que me conquistam para o seu lado Para isso ia ali abaixo ao café ouvir o Sr Viriato.

          • poispois diz:

            Então vá lá ao café. Já escrevinhou “tralha e lixo” que chegue.
            Volto a repetir porque parece que não percebeu.
            Vivemos demasiado tempo num regime totalitário. Não contribuo para que se branqueie outros regimes totalitário sejam de esquerda ou de direita.
            E se acha isto a opinião de taxista quem me dera que você fosse taxista (seja lá o que vossa excelência quer dizer com isso).

        • Antónimo diz:

          Não sabe a que me refiro quando falo de taxistas?

          Então, senhor, um tão grande fã do uso dos lugares comuns? Que perante um post onde se iliba o Governo de Havana é logo capaz de papaguear os mais óbvios argumentos da bondade dos regimes cubanos e norte-coreanos. Capaz de usar uma conversa tão antiga que me parece nunca ter existido nenhum post num blogue, crónica de jornal ou reportagem televisiva sobre o comunismo em que não tenha surgido logo um iluminado qualquer a lembrar de forma original Cuba e a Coreia do Norte… Imagino até que já ninguém faz textos novos sobre o assunto, copia-se e depois cola-se um qualquer que alguém plasmou na rede desde que a rede é rede.

          Mas eu ajudo, queria dizer que, como o Sr. Viriato, V.Exa. (nós, as pessoas educadas e inteligentes, é assim que nos tratamos) é incapaz de contra-argumentar, talvez por ter engolido o que que alguém lhe impingiu e, acriticamente, não saber o que há-de fazer com o material.

          Contrarie os dados do Vidal, vá lá. Um bocadinho mais de esforço… Se tanto leu sobre Cuba e a Coreia do Norte de certeza que há-de ter algo a acrescentar. Conte-nos tudo dessa havaneza visita.

          • Carlos Vidal diz:

            Até diria mais:
            até aconselharia poispois a contrariar a magnífica entrevista a Yoni Sánchez, que António Vilarigues mais abaixo cita.
            É de “gritos”.
            (Coitada. Uma criatura unineuronal.)

        • A.Silva diz:

          Olhe poispois, pois eu já fui a Cuba, só tinha a viajem de ida e volta e um contacto que arranjei na net de uma casa em havana, depois percebi que em qualquer parte de Cuba com a maior das facilidades se podia ficar alojado e assim percorri metade da ilha alojado em casa de cubanos, 2 adultos e 3 crianças. Falei com quem quis sobre o que quis, na praça central de havana em frente à ópera entrei numa discussão com mais de meia dúzia de cubanos entre os quais um que defendia acerrimamente os americanos (Bush), havia policias a passar e mais grupos de cubanos a discutir, ninguém parecia ter medo.

          Podia ficar para aqui a contar outras histórias, mas uma coisa ficou clara para mim, em Cuba pode não haver muita coisa mas há liberdade e assim que puder lá voltarei para estar com aquele povo magnífico.

          É evidente que não é o paraíso, não tivessem eles como vizinhos os EUA que há 50 anos levam a cabo uma suja e miserável guerra contra aquele povo.

    • Carlos Vidal diz:

      poispois,
      Nunca ter ido a Cuba,
      não respeitar esse país (ou outro qualquer, com este ou outro governo),
      não respeitar a população de Cuba,
      é dar notícias apenas fundado, baseado em Fariñas ou Sánchez.
      Por agora, mais nada.

      • Leo diz:

        Mas se puder, não perca a oportunidade e visite Cuba. Vai ver que vale a pena.

        Aqui há anos quando todos decretavam o fim de Cuba revolucionária eu fui lá e confesso que valeu a pena. Não só vim de lá descansado – bastou ter atravessado toda a ilha e ter visto os campos bem tratados – como ainda passei umas boas férias.

        E não apenas passei horas à conversa com muitos cubanos como até com gente de todo o mundo – até com portugueses! – que por lá andavam. Como me disse um casal do Norte que por lá encontrei em Santiago, Cuba é um vício que se pega. Era um casal relativamente jovem que ia para lá todos os anos. Adoravam o país e principalmente os cubanos.

        Eu o maior desporto que por lá pratiquei foi o das conversas e discussões. Toda a gente de lá adora conversar e discutir. E sabem mesmo discutir porque são muito curiosos e estão muito bem informados. Qualquer um, era mesmo uma delícia.

        • Carlos Vidal diz:

          Isso sei eu.
          Mas há quem lá vá só para falar com o premiado Fariñas e a premiadíssima Sánchez!
          É o meu tema desde sempre nesta casa: quem só usa a palavra “democracia” e nada mais, usa um cliché que não lhe pertence, aceita que lhe esvaziem o cérebro.
          Na boa.

  5. Ler também:
    A entrevista de Salim Lamrani, Professor na Sorbonne IV, jornalista, especialista em relações Cuba-EUA com Yoani Sanchez:
    ocastendo.blogs.sapo.pt/914971.html

    • Carlos Vidal diz:

      Grato pelo link, caro António Vilarigues.
      Li a entrevista quase toda. Se o caso não fosse sério (Cuba e a intoxicação mediática), eu diria que poucas coisas li tão cómicas e ridículas desde há meses. Uma starlette tonta, mentirosa e engasgada.
      Vou talvez escolher uns excertos apropriados para aqui deixar em post mais logo.
      Um abraço
      CV

  6. MetroidSamus diz:

    O Governo cubano vai autorizar os seus cidadãos a deslocar-se ao estrangeiro, em turismo, o que será permitido pela primeira vez em mais de 50 anos.
    Notáveis estas conquistas do proletariado.

  7. Pedro Pousada diz:

    Pois Mr MetroidSamus e quejandos eu gostava de ir a Paris com a família mas o Banco não me autoriza, tou sem saldo…notáveis conquistas da burguesia, podes mas não tens como…

    • Carlos Vidal diz:

      Pois é Pedro, é que nem para estudar e trabalhar podemos ser burgueses.
      Uma liberdade infinita vamos tendo por aqui.
      Eu nem aqui a Madrid posso ir esta semana.
      Não é qualquer um que pode ser burguês. Nem por razões de trabalho.

      Mas somos livres: “como ela [a gaivota], somos livres, somos livres, de voar”, etc.

      • MetroidSamus diz:

        Eu nem aqui a Madrid posso ir esta semana.
        Não é qualquer um que pode ser burguês. Nem por razões de trabalho.

        Mas se morar perto do Porto e quiser aproveitar o feriado do 10 de Junho para dar um salto a Madrid regressando no mesmo dia, olhe que pode reservar um voo na Ryanair com todas as taxas incluídas por 14 Euros. Um óptimo preço perfeitamente ao alcance de um beneficiário do RSI, não acha?

        Mas somos livres: “como ela [a gaivota], somos livres, somos livres, de voar”, etc.

        É realmente muito boa a liberdade que o capitalismo proporciona. Mas é claro que para ter meios para usufruir das coisas boas que o capitalismo coloca à disposição é necessário trabalho e/ou estudo e/ou sorte. Os madraços, os indisciplinados e os socialmente “burros” terão que se contentar com menos. Foi há 150 anos Darwin explicou porque é que o mundo é assim.

    • MetroidSamus diz:

      Pois, a liberdade de expressão, liberdade de associação e liberdade de viajar, essas “liberdades burguesas”…
      E quanto a dinheiro para viajar, Cuba tem aproximadamente a população de Portugal. Quer apostar que há muitos mais portugueses com dinheiro para visitarem Cuba do que o inverso? Quanto quer apostar?

  8. Pedro Pousada diz:

    com a desgraça do FMI e das misérias que se avizinham aí à porta essa malta bafienta dos media corporativos ainda fala de Cuba! Haja paciência! E ó Sr.António Cunha o “h” é no “caiu (h)á mais de anos” e não no “faz-te há (devia ser “à”) vida”!

  9. mesquita alves diz:

    Boa tarde,
    A tática que o Carlos Vidal usa, denegrir e difamar, com o objectivo de justificar a sua ideologia, já foi usada pelos nazis e por Estaline. Se calhar o Carlos Vidal, se pudesse, também extreminava alguns…meu maroto!

    • Carlos Carapeto diz:

      Se não lhes agrada ir para Cuba, vão para qualquer outro país da América Latina ou de África e tentem circular por qualquer lugar de dia ou de noite com a mesma segurança. Nem em Miami.

      É essa a grande superioridade moral e civica do povo Cubano, apesar das tremendas privações que lhe têm sido impostas.

    • Antónimo diz:

      Mas está aí o foco, Mesquita Alves. De que lado estão os estalinista e os nazis?

      O que Vidal diz – e junta argumentos cuja credibilidade ainda não vi aqui ser posta em causa com argumentos que não os da fé – é que a arma da difamação é usada por sectores cubanos próximo de Miami, por exemplo, e depois propalada na comunicação social sem qualquer busca do contraditório. Quem fica com a fama e quem fica com o proveito, tem dados que o deixem decidir sem sombra de dúvidas?

  10. ezequiel diz:

    Vidal,

    a situação em cuba é lastimável.
    no pior bairro de miami vive-se melhor do que em cuba.
    era só isso que eu queria dizer.

    eu já “desci à condição” …

    o sr parece uma tia snob. LOL
    um comunista a falar de subidas e descidas de “condição”

    releia os comentários. eu não o insultei
    o sr pouco ou nada sabe do que se passa em Cuba, Israel, Palestina etc

    mas fala como se soubesse.

    há um nome para isso

    volto daqui a 1 ano

    • Carlos Vidal diz:

      Você, sr. Zeque, não tem condição.
      E mais: O que eu sei – você não sabe: como é mais do que evidente!
      (E provado.)

      Volta daqui por um ano?
      Não há internet nos colonatos? Eu pensava que por lá havia tudo.
      À volta não há nada, mas nos colonatos do meu caro sr. Zeque, acho que há isso e muito mais.

  11. Pedro Pousada diz:

    Privações, humilhações e difamações mediáticas, atentados terroristas, chantagem económica, proibições de todo o género e feitio, não há povo do mundo mais solidário com o mundo e mais atacado pelo imperialismo que o povo cubano e essa gente mercenária que vende os seus verdadeiros ou falsos talentos, essa quinta coluna invertebrada não merece a mínima consideração! Quando vejo os papagaios do Público a imitarem os papagaios da Time, da CNN, da Sky News interrogo-me se a herança, o veneno daninho, do sr Goebbels não se transformou no método jornalístico dominante!

Os comentários estão fechados.