Português envolve Cavaco Silva no assassinato de bascos


Santi Brouard, médico e dirigente da esquerda independentista assassinado pelos GAL

É muito grave. A notícia que hoje foi publicada pelo jornal i destapa as ligações entre os Estados português e espanhol na luta contra o independentismo basco. As revelações feitas por Rogério Carvalho da Silva ilustram o que parece ter sido uma colaboração do governo de Cavaco Silva com o terrorismo de Estado dos GAL, patrocinado por Felipe González. Mas também desvela um pouco o papel das FP-25 no história política do nosso país.

Depois de ser preso como membro daquela organização, Rogério Carvalho da Silva é contratado para segurança da Embaixada dos Estados Unidos, em Lisboa. Anos depois, um colaborador dos serviços secretos portugueses recruta-o para matar independentistas bascos. No meio de tudo isto, está preso em Lisboa por tráfico de droga.

É o próprio que diz que “foi acusado da morte de etarras em França num processo que também envolveu ‘o comandante e o vice-comandante dos serviços secretos militares, o então chefe de Estado-Maior das Forças Armadas, general Lemos Ferreira, e o primeiro-ministro nessa altura, Aníbal Cavaco Silva'”.

Estas acusações são graves não só porque se referem à actual primeira figura do Estado português. São graves porque, certamente, tiveram a colaboração de várias figuras do espectro político e da economia. Os GAL foram esquadrões da morte montados pelo governo espanhol de Felipe González que feriram e mataram mais de 60 pessoas.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Português envolve Cavaco Silva no assassinato de bascos

  1. maradona diz:

    foram condenados uma dezena de gajos por causa disso, e, se não me engano, dois deles tinham sido ministros. a carreira politca de gonalez acabou em conseuqencia disso. foi feita justiça parcial, como justiça parcial foi feita ao terrorismo independentista basco, que matou 900 pessoas, e não 20; por entre amnistias e não sei, muito assassino anda por lá a concorrer a eleições no estado democrático espanhol. espero que também tnham estado vigilantes em relação aos direitos dos presos condenados pelo processo GAL.

    • Bruno Carvalho diz:

      o terrorismo de Estado não matou 20 cidadãos bascos. entre 1960 e 2010 foram assassinados 474 cidadãos bascos.

      • José diz:

        ” entre 1960 e 2010 foram assassinados 474 cidadãos bascos.”
        Acredito.
        Ainda assim, metade do que a ETA matou em menos tempo.

    • Rocha diz:

      Convém salientar que, entre esses mencionados 900 estão fascistas do regime de Franco como o seu braço direito Carrero Blanco, além de diversos algozes e torcionários do regime franquista. É que o Estado Espanhol não faz essa contagem a partir do novo regime democrático burguês de 1978.

      E não o faz porque se recusa a cortar ideologicamente com o passado franquista. Assim aqueles que combateram em armas contra o fascismo, bascos e outros continuam a ser considerados terroristas por terem combatido uma ditadura sanguinária.

  2. Vanessa diz:

    Não acha estranho, que um dito membro das FP-25 de Abril, fosse contratado como segurança da Embaixada Americana, e depois recrutado por um colaborador dos serviços secretos portugueses para matar etarras?

    Isto parece um romance policial de quinta ordem….

    Ou então uma história da carochinha.

  3. xatoo diz:

    esta noticia saiu no dia 5 de Abril no jornal da Sonae e passou completamente despercebida;
    na pesquisa que fiz nos sites de esquerda em Espanha recolhi mais alguns dados. Se lhe interessar estão aqui coligidos:
    http://xatoo.blogspot.com/2011/04/felipe-gonzalez-envolvido-em-casos-de.html

  4. Rui diz:

    Não me surpreendia que estas ligações existissem, curioso é tb o papel do PSOE no envio de Etarras, alguns dos quais eram até bastante procurados, para a Venezuela de forma legal (antes de Chavez estar no poder). Basta ler o que refere António Salas no seu mais recente livro.
    Infelizmente nada é preto ou branco, por isso não me surpreendia que este tipo de ligações existam.

  5. xatoo diz:

    o “maradona é um tretas, diz ele: ”
    “foram condenados uma dezena de gajos por causa disso, e, se não me engano, dois deles tinham sido ministros. a carreira politca de gonzalez acabou em conseuqencia disso”
    É mentira, o troca tintas do aldrabona é maradoso; De facto o que aconteceu foi o seguinte:
    desde que os crimes dos GAL foram indiciados em 1993 Felipe González ainda foi reeleito para mais um mandato (embora perdendo a maioria absoluta). No Governo que se lhe seguiu em Agosto de 1996 o recém-eleito José Maria Aznar negou o acesso dos investigadores à documentação dos arquivos do Estado (Cesid). Ninguém foi condenado.
    O mesmo fez Cavaco de Silva do lado português, onde os assassinos foram contratados e a partir de onde as armas destinadas ao actos de terrorismo de Estado foram fornecidas. Cavaco impediu a comparência dos indiciados no trbunal de Madrid alegando “o segredo e a segurança de Estado”

  6. Miguel Lopes diz:

    “desvela um pouco o papel das FP-25 no história política do nosso país.”

    Desvela o quê? O que é que isso quer dizer?

Os comentários estão fechados.