Dezenas de milhares de bascos excluídos das eleições municipais

Ontem, o Tribunal Supremo espanhol anunciou a proibição de todas as listas candidatas pela coligação Bildu às eleições municipais de 22 de Maio. Depois da ilegalização do novo partido da esquerda independentista Sortu, que havia condenado a violência, o Estado espanhol vai mais longe e proíbe a participação nas eleições da coligação dos partidos Eusko Alkartasuna e Alternatiba. O primeiro é social-democrata e participou em vários governos bascos ao lado do Partido Nacionalista Basco. O segundo resulta de uma cisão da Esker Batua, a Esquerda Unida basca. Nenhum deles simpatiza com a ETA mas ambos aceitaram contribuir para que se consolide o processo de paz. Dessa forma, juntaram-se na coligação Bildu ao lado de centenas de candidatos independentes dispostos a abrir uma alternativa no panorama político basco.

Esta decisão representa um violento ataque aos direitos dos cidadãos bascos uma vez que centenas de municípios vão passar para as mãos do PSOE, PNV e PP graças à ilegalização do Bildu e do Sortu. Há que recordar que nas últimas eleições, em várias localidades, ganhou o voto nulo com maioria absoluta. Dezenas de milhares de bascos votaram com boletins de voto proibidos (no Estado espanhol, há boletins de voto diferentes para cada partido) e deu-se o caso caricato da vitória do PP, em Lizartza, com apenas 27 votos. A maioria da população, 186 votos, havia votado na lista ilegalizada da esquerda independentista e 142 votaram em branco. Mas não tão grave como no caso de Elduain onde o PP ganhou com um voto contra os 83 votos nulos.

Esta é a democracia espanhola. A democracia de que ninguém fala porque está aqui ao lado. O País Basco só enche os jornais portugueses com atentados da ETA. Nunca se fala nas prisões, na tortura, nas ilegalizações, nas cargas policiais. Foi o que fez Daniel Oliveira quando se referiu à trégua da ETA como uma vitória da democracia espanhola. O mesmo Daniel Oliveira que nunca mais abriu a boca para denunciar os atropelos e o estado de excepção que vive o povo basco.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Dezenas de milhares de bascos excluídos das eleições municipais

  1. Carlos Carapeto diz:

    Não esqueçam que quinta feira dia 5 passam trinta anos sobre a morte de Bobby Sands.

    Escrevam alguma coisa.

    Cumps

  2. MetroidSamus diz:

    O Bildu e do Sortu são uma reencarnação do Batasuna. Enfim, uns queridos.

    Já agora, a democracia espanhola já ilegalizou o PCE também?

    • Rocha diz:

      E você é a reencarnação da PIDE.

    • Miguel Lopes diz:

      “O Bildu e do Sortu são uma reencarnação do Batasuna. Enfim, uns queridos.”

      Mentira. Uma pequena pesquisa no wikipedia impedia-o de vir para aqui dizer disparates. O Eusko Alkartasuna foi fundado em 86, o Alternatiba em 2009, ambos fazer parte da coligação Bildu. Não são reencarnação nenhuma.
      Mas mesmo que isso fosse verdade, não justificaria a ilegalização.

  3. Rocha diz:

    Não é de facto uma democracia o regime espanhol, nem sequer considerando-a democracia burguesa. É mais correcto desde já discutir que tipo de ditadura é o Estado Espanhol, porque de democracia, mesmo que burguesa, já nada resta.

Os comentários estão fechados.