O contra-ataque de Mourinho: «Uma imagem vale mais que mil palavras»

 

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a O contra-ataque de Mourinho: «Uma imagem vale mais que mil palavras»

  1. Renato Teixeira diz:

    Agora a UEFA já fala em irradiar o homem do futebol. Não há vergonha.
    No jogo do Benfica com o Braga houve outra igual feita por um jogador do Braga. Bem, o árbitro escocês, nada assinalou. E que belo árbitro aquele. Os outros deviam meter os olhos naquela performance fora de série.

  2. JuaryReis diz:

    OS DOIS LADOS DO DOM

    O futebol move paixões, multidões e muitos momentos para mais tarde recordar. Ontem, foi mais um dia exemplar quer por uma boa razão, quer pelo oposto. Houve um pouco de tudo e, claro, (mais) uma genialidade de Messi.

    Como fã de futebol e treinador de bancada, lembro-me de gostar de ver o F.C.Porto jogar basicamente no contra-golpe e assim vencer os seus oponentes, alegadamente, favoritos. Os anos 80 e 90 foram décadas onde esta prática foi recorrente e bastante produtiva. Mourinho também vê o contra-golpe a maneira mais eficaz de dar a volta ao jogo do Barcelona. Mas, não chega.

    Apesar de ter sido sempre fã do Real Madrid, principalmente na era Hugo Sanchez/Butragueño/Michel/Camacho/Gordillo (década de 80), nos últimos anos essa paixão foi completamente trocada pela emoção de ver a equipa catalã em campo. Imaginem que era casado há duas décadas e, do nada, apaixono-me por alguém da mesma idade da minha esposa (não, não é a habitual recaída por “pitas”) que esteve toda a vida na minha vida, mas que as contingências da nossa existência somente fizeram juntar as nossas almas agora. Há coisas que a gente não controla. Ainda para mais, ela gosta de viajar. Aqui, a esposa perde. E, no caso da bola, o Madrid também. Só há um Messi neste mundo.

    Sou daqueles que venera a arte concedida por Maradona e defende que ele é o nº 1, apesar de não ter visto jogar Pelé, Eusébio, Cruyff, Beckenbauer, Yashine ou Di Stefano. Curiosamente, até o último (figura mítica madrilena) concordará que ver Messi é como se a poesia e a prosa se fundissem numa só forma de escrita e onde reina a mais pura magia futebolística. A meu ver, antes deste jogador e depois do seu compatriota, só mesmo Zidane, Ronaldinho e Rivaldo mostraram que são raros os que podem ser considerados especiais neste desporto.

    Por falar em especial, não esquecendo que Mourinho o é no campeonato dos títulos e na forma como psicologicamente joga com as sensibilidades de um plantel, é irresistível ver este Barcelona. O famoso “tic-tac” que já vem dos tempos de Cruyff e foi prosseguido, entre outros, por Rijkaard, é agora mais do que nunca excelentemente executado por Guardiola. E quando se tem o FMI (Fintas à Messi e Iniesta) e a ele se junta a classe dos jogadores Xavi, Villa ou Daniel Alves está tudo dito. Aliás, a defesa é o ponto menos bom da equipa, mas a garra de Puyol e a competência de Piquet e Abidal vão dando para tornear as dificuldades. Na próxima época, fala-se do regresso de Fabregas. Nem quero imaginar…

    Nesta 1ª mão da Liga dos Campeões, como disse na abertura deste texto, houve um grande momento e outro para esquecer. Comecemos pelo segundo, ou seja, pelo acto inexplicável de Pepe. Mourinho pode defender os seus jogadores até ao tutano, pode afirmar que o Barcelona é protegido pela UEFA, mas também deve admitir que o jogador luso-brasileiro pôs-se a jeito. Uma entrada daquelas pode não dar vermelho na Luz, Dragão, em Bernabéu ou Camp Nou para os “teams” que jogam em casa, mas aquilo não era um jogo entre portas. O rigor é maior e é compreensível que a expulsão acontecesse (e não são válidas as imagens televisivas neste caso, pois se assim fosse nem valia a pena existir este desporto. Já repararam quantos casos já aconteceram de simulações que não o são, mas pela velocidade do lance toda a gente naquele momento concorda que seja marcado? Por favor…). Mais: Pepe tem o dom de ser um jogador demasiado impulsivo e, por vezes, sair das estribeiras. Em 2012, no Europeu, espero que seja mais ponderado em algumas jogadas. A selecção portuguesa e os seus adeptos agradecem.

    O momento mais agradável veio de Messi. Normal.

    juaryreis@nullgmail.com

    • JDC diz:

      Mas a questão, bem levantada pelo vídeo, é a entrada do jogador do Barcelona, em tudo igual em termos de agressividade e perigo para a integridade física do adversário, ter sido punida com amarelo. Quem viu o jogo percebeu a pressão do inicio ao fim dos jogadores do Barcelona para que os jogadores do Real Madrid fossem punidos disciplinarmente. O caso mais gritante foi quando o Pedro literalmente se atira para cima do Arbeloa e fica agarrado à cara no chão. Simplesmente vergonhoso!

  3. Ho Chi Mihn diz:

    Isto deve ser a política “patriótica e de esquerd’a” aplicada ao futebol. lol.

    Como é que é possível gostar do treinador mais arrogante do mundo?!?
    Sobretudo, como é que é possível esquecer a arbitragem do Olegário Benquerença no Inter-Barça das meias-finais do ano passado..?

Os comentários estão fechados.