Não façam de JSócrats o vosso inimigo Nº 1, não!! Desperdicem munições, depois verão!!


JEFF WALL. The Vampires’ Picnic. 1991.

Pus agora aqui dois posts, duas citações seguidas; não gosto muito – MAS TEM DE SER : VAMOS LÁ :

As estatísticas foram o grande aliado da mitomania deslumbrada que nos tem governado nos últimos anos. Mas, como diz o Povo, “quem com ferro mata, com ferro morre”. E o bumerangue dos números aí está, e é assustador: Portugal é a economia mais lenta do mundo e a única em recessão em 2012. Estamos com o mais baixo crescimento dos últimos 90 anos. A nossa dívida pública é a pior dos últimos 150 anos, mesmo sem contar com as empresas públicas ou as PPP. O nosso desemprego é o mais alto desde que há registos. Temos a segunda maior onda de emigração do último século e meio, com uma das maiores “fugas de cérebros” registadas pela OCDE. A nossa taxa de poupança é a pior dos últimos 50 anos e continuamos com o dobro do abandono escolar de toda a União Europeia, sendo o 2.º pior dos 27, logo a seguir a Malta.

Nada disto, a julgar pela entrevista que na terça-feira concedeu à TVI, parece perturbar o nosso “comandante” Sócrates: ele continua a repetir mecanicamente o álibi vitimizante que aqui descrevi há duas semanas, insistindo em que a “culpa” não é do rombo do navio, mas da água que teima em entrar…Isto coloca os Portugueses perante uma escolha difícil, mas clara: a de manter, ou não, o rumo que o País tem seguido nos últimos tempos. É a possibilidade desta escolha que, acima de tudo, celebramos sempre no 25 de Abril.

[Lido primeiro no Portugal dos Pequeninos]

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Não façam de JSócrats o vosso inimigo Nº 1, não!! Desperdicem munições, depois verão!!

  1. Pingback: “Há uma parte do eleitorado que quer ser enganada” | cinco dias

  2. Justiniano diz:

    Caríssimo Vidal, sem dúvida!!
    O homem testa os limites da decencia e , pior do pior, obriga-nos a subscrever personagens que habitualmente não subscreveriamos ou pior ainda, inspira personagens de consabida vulgaridade à transcendencia. Empurra-nos a partir a loiça toda, a mandar às malvas todo o discurso do capote consensual, do pão na mesa, dos coitados e coitadinhas!! É preciso ter figado para ouvir o homem! E sabe bem, o caro Vidal, que sempre me borrifei para a “vida pessoal” e os casos do homem, não me interessam!!
    Espero que o homem ganhe as tais eleições com maioria absolutíssima, louvor e distinção, isto já ultrapassou a hipótese da salvação, por uma questão de merecimento, quem merece 30% merece mais, 50%, 60%!!
    Como sempre, caro Vidal, um bem haja para si!

    • Carlos Vidal diz:

      Sublinho um detalhe.
      Inteiramente de acordo: aquele indivíduo merecer 30% ou 40% é o mesmo que 70 ou 80%. É o retrato disto.
      Pelo menos 80% era coisa sem disfarce. Caramba.
      Em frente, portugueses (só vos faltam as qualidades, dizia o outro).
      Grade abraço, caríssimo Justiniano.

      • Justiniano diz:

        E o Almada, caro Vidal, se vivesse hoje, e sobrevivesse, especialmente à tentação de não se tentar, o que não diria!!? Da confortável impostura, do medinho consensual, da barriga cheia e gorda, da repetição redonda e replicada dos marialvas da nossa gloriosa academia, repetindo ontem, hoje e amanhã as palavras uns dos outros, e indistintamente, as mesmíssimas!!
        Diria, certamente, um viva a Sócrates que não tem culpa nenhuma de ser quem é e de o terem deixado apodrecer Portugal, para o qual se está, merecidamente, borrifando!!

  3. Justiniano diz:

    E não, evidentemente, não estava a falar do MMC!!

Os comentários estão fechados.