Mas quem raio foi Mário Dionísio?

Mas quem raio foi Mário Dionísio?

Enquanto viveu e trabalhou, e com altos e baixos segundo as épocas, o seu nome aparecia em jornais, revistas, ouvia-se na rádio e na televisão – por ser autor de artigos, por dar entrevistas ou por ser falado por outros. Hoje, passados 18 anos da sua morte, e porque foi alguém que pôs questões à arte, à vida e à política, é natural que já ninguém o conheça.

Foi por isso que nasceu a Casa da Achada – Centro Mário Dionísio – para dar a conhecer a obra e o pensamento deste homem de cultura e para, a partir dele e do que fez, se continuarem a fazer novas coisas. O seu rico espólio está agora disponível para consulta de todos os que quiserem. E o seu nome tem-se ouvido mais, graças à actividade intensa e imparável do Centro Mário Dionísio.

Mesmo assim, continuamos a perguntar-nos: mas quem raio foi Mário Dionísio? 

No dia 25 de Abril inaugurou na Casa da Achada uma nova exposição: Mário Dionísio – Vida e Obra. No dia da inauguração, a casa encheu, como se conta na página da associação, e foi de facto difícil para muita gente ver a exposição com olhos de ver.

A exposição Mário Dionísio – Vida e Obra é constituída por 13 painéis biográficos, várias pinturas e desenhos do autor e de outros seus companheiros e documentos de todos os tipos, que fazem parte do seu espólio: fotografias, cartas, jornais, livros, rascunhos, um passaporte, alguns dos seus cachimbos, uma das suas paletas… Estão também sempre a correr na sala entrevistas filmadas com Mário Dionísio.

Amanhã, sábado, 30 de Abril, às 16h, há uma visita guiada à exposição, por Eduarda Dionísio. Claro que a entrada é livre e digo eu que é uma ocasião a não perder. Até amanhã.

             

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

6 respostas a Mas quem raio foi Mário Dionísio?

  1. Rocha diz:

    Seu pai? Seu tio?

    • Diana Dionísio diz:

      Seu avô.

      • Rocha diz:

        Eu não tive avôs tão ilustres. Um deles era professor e outro era camponês. O camponês era quem alfabetizava o povo na aldeia e é certo que o fazia com mais alegria que o professor – pois em terra de cegos quem tem olho é rei – e assim se explica o meu amor por pessoas simples.

        Desculpe a minha curiosidade. Quando se fala de um parente há sempre alguma emoção… e também quando se lembra pessoas admiráveis.

        • Diana Dionísio diz:

          Mário Dionísio foi professor e disse mais tarde, já reformado, que nunca deixou de ter prazer em sê-lo. E pensou e escreveu sobre isso de ser professor, e a escola, etc. Também porque foi pedagogo, isto é, ensinou outros a serem professores. Aqui deixo este texto de Mário Dionísio, que é engraçado e fala de professores e de ser aluno: http://www.centromariodionisio.org/experiencias_excepcoes.php

  2. francisco caetano diz:

    mas que comentário! que interessa saber que relação familiar se tem com quem ou de quem se apresenta a via e a obra por sinal vasta e de extrema qualidade! o avô ser camponês vem para o caso? e se tivesse a digníssima profissão de protector de meninas no intendente teria a mesma importância ou seja nenhuma.acho muitíssimo bem que se fale em Dionísio sempre!

  3. martinez diz:

    olà diana, é a lidia, gostei muito do teu post, e jà là estive com a exposiçao magnifica,
    tudo cheio de vida , interesse e aprendi muito a ler, ver e ouvir os livros, artigos do teu avô.
    Gostava muito de o ter conhecido, mas tenho o prazer de seguir o vosso trabalho
    ai na Casa, e hà uns anos, na Abril…abraços de Paris!!!!
    lidia
    LM

Os comentários estão fechados.