António Lúzio Vaz 1941-2011

Como é apanágio da cegueira praxista das odes muitos vão ser os defeitos e os feitios, os méritos e os vícios, o legado e as sombras, que se vão escrever sobre o homem que durante três décadas foi o Administrador dos Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra.

A Academia mais tradicional há-de lembrar o Homem da Casa, o Orfeonista, o Advogado. A outra lembrará antes as centenas de estudantes que financiou semi-clandestinamente e ao arrepio da anémica lei das bolsas, os milhares de euros que conseguiu fazer chegar para a manutenção do património das Repúblicas e o seu desassombro quer na crítica quer no abraço. Depois de ver o serviço que administrava ser estrangulado do ponto de vista financeiro ainda teve a capacidade de mover as influências necessárias para que à frente deste órgão continuasse o homem de esquerda Jorge Gouveia Monteiro. A sua resistência à visão empresarial do ensino superior, a sua solidariedade com as exigências do movimento estudantil (mesmo nos momentos de grande conflituosidade) e a sua eterna paixão pelas Repúblicas de Coimbra vão ser linhas esquecidas das justas manifestações de saudade mas são seguramente três das grandes razões para se prestar a devida vénia na hora da sua despedida.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

4 respostas a António Lúzio Vaz 1941-2011

  1. Rogério Maia diz:

    Um grande homem, sempre disponível para escutar os repúblicos, quase sempre disponível para ajudar. Guardo na memória as belas histórias que ao longo dos anos me foi contado sobre as repúblicas e sobre os repúblicos.

    Até sempre camarada!

    • pedrof diz:

      partilho da tua opiniao rogério. Mais, é de louvar o enorme contributo que fez para que muitos de nós tivessemos a oportunidade de continuar a estudar

  2. aminhapele diz:

    Boa e merecida referência.

  3. mdsol diz:

    Amigo quando era muito mais simples ignorar.

Os comentários estão fechados.