A social-democracia compromete-se…


Há quem acredite na neutralidade das instituições. E eu até posso compreender que o cidadão simples acredite nisso. Mas não acredito que os signatários deste compromisso sejam ingénuos ao ponto de acreditar que a presença da OIT nas negociações entre o governo e o FMI, BCE e CE vai garantir algum tipo de vantagem para os trabalhadores e o povo português. É que é o mesmo tipo de ingenuidade dos que acreditavam que a ONU ia garantir a segurança do povo líbio. É a falsa ingenuidade dos que sabem muito bem que estas instituições são tudo menos neutrais. Este compromisso, já abordado pelo Renato Teixeira, é o compromisso da social-democracia. Alguém que genuinamente esteja com os trabalhadores e o povo não tem outra opção que a de rejeitar a intervenção externa. E é isso que amanhã o PCP vai fazer. Junta-te a nós!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

25 respostas a A social-democracia compromete-se…

  1. maradona diz:

    não juntamos!

    • Bruno Carvalho diz:

      Mas quem és tu para falar por todos os outros? Vai lá para uma sala de conferências discutir um compromisso qualquer.

      • maradona diz:

        E quem é o doutor para se imaginar como portador da única posição que “genuinamente” está “com os trabalhadores e o povo”?

        PS: oh pá, não me respondam que eu tenho mais que fazer.

  2. miguel serras pereira diz:

    É curioso que o Bruno Carvalho não estranhe a presença na lista de conhecidos militantes do PCP, e também que, criticando justificadamente os que acreditam na neutralidade das instituições, não leve a sua crítica às suas consequências lógicas, começando por denunciar a pseudo-neutralidade – a imagem socialmente aconflitual dos objectivos “nacionais” ou da ideia de “nação” – que é um dos traços distintivos do documento.

    msp

    • Bruno Carvalho diz:

      Caro Miguel Serras Pereira, são militantes do PCP que assinam à margem da posição do Partido. Portanto, a sua assinatura não vincula o PCP ao documento.

      • Rocha diz:

        Este Carvalho da Silva está me a meter um nojo desde à vários anos… mas ele não fala nem em nome do PCP, nem da CGTP.

        Dizes bem Bruno, como se não bastassem os partidos do FMI, PS-PSD-CDS e o imperialismo da União Europeia, a ditadura dos Bancos e afins, ainda temos que levar com as traições do Bordel Social-Democrata sempre a vender o povo ao preço mais barato.

  3. Antónimo diz:

    Eu assinei, embora esteja de acordo com o Bruno Carvalho. É preciso bem mais do que as boas intenções que lá vêm, mas mesmo aquelas constituem algum empecilho. Infelizmente, não o suficiente, não o necessário e demasiado reduzido. Apesar de tudo, as barreirinhas talvez tragam gente às barreiras a sério.

  4. LM r diz:

    Rejeitemos, então. Mas vai acontecer, já está a acontecer. Não é com mais uma ou duas ou três manifs que algo se resolve.
    E “genuinamente” ou não, dá ideia que o tal “povo” não sabe quem está com ele, já que se apresta para votar nos do costume; não se antevê nenhuma onda de votação massiva no PCP ou no Bloco.
    O povo líbio pelo menos já não tem aviões líbios a despejar bombas directamente em zonas residenciais.

  5. ricardosantos diz:

    Levamos já as metralhadoras?

  6. Augusto diz:

    Manuel Carvalho da Silva…Octávio Teixeira…..Conhece?

    • Bruno Carvalho diz:

      Conheço. Que têm?

      • Rocha diz:

        O PCP tem cerca de 75 mil militantes activos, a esmagadora maioria dos quais não subscreve nem subscreverá esta vergonhosa petição.

        Manuel Carvalho da Silva e Octávio Teixeira: a desvergonha é deles não é nossa.

        Ao contrário de outras organizações, no PCP, os Teixeiras e os da Silvas não valem mais do que o comum militante base e até diria mais: pelas suas atitudes, valem menos.

        É que o PCP não se vende.

  7. Augusto diz:

    Victor Dias no seu Blogue Tempo de Cerejas escrevia á dias:

    Uma iniciativa a saudar…..

    Afinal das duas uma, ou PCP tambem está de acordo com esta petição.

    Ou o PCP está totalmente em desacordo com esta petição, e desautoriza alguns dos seus militantes com inegável prestigio.

    Ou o mais provável, está contra e a favor…………..

    • Bruno Carvalho diz:

      O PCP não divulgou qualquer posição sobre o assunto mas, pelas posições que tem mantido contra a intervenção externa, não me parece que esteja de acordo com este compromisso. Não sei a que se refere quando fala de inegável prestígio.

    • JMJ diz:

      Talvez lhe tenha passado ao lado, Augusto, mas a posição do PCP foi expressa ontem, no decorrer do Encontro Nacional, pelo seu secretário-geral Jerónimo de Sousa, quando este afirmou a indisponibilidade do PCP para negociar fosse o que fosse com quem, ilegitimamente, se prepara para tomar para si o poder que deveria estar nas mãos do povo.

  8. Leo diz:

    Declaração de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral do PCP
    Sobre o desenvolvimento do processo de intervenção externa, designadamente o contacto com o PCP por parte do FMI/UE/BCE

    http://www.pcp.pt/sobre-o-desenvolvimento-do-processo-de-interven%C3%A7%C3%A3o-externa-designadamente-o-contacto-com-o-pcp-por-p

  9. Miguel Lopes diz:

    O Bruno tem razão no essencial. Aquele documento é uma caução foleira ao que se está a cozinhar com o FMI. O texto é tão contrito. O texto torce, retorce e não oferece nenhuma saída ao ataque aos salários, subsídios e pensões que se preparam, senão uma espécie de: “Por favor, batam com menos força”. Depois temos a cereja:

    “A presença, já sugerida, da OIT nas negociações entre o Governo e a troika FMI-BCE-CE seria um sinal construtivo muito importante, colocando a questão do trabalho digno.”

    Sugerir a presença da OIT nas negociações com o FMI, é já aceitar as negociações com o FMI. Isto nunca se assina.
    O que neste momento devemos defender, para além da posição de princípio, é que até tomar posse um novo governo, não há legitimidade para fazer qualquer acordo e portanto as negociações devem cessar e só recomeçam se o novo governo escolhido pelo povo assim o quiser.

  10. Luis R diz:

    200-300 pessoas. Uau. Assim se vê como o povo apoia os seus tão “genuínos” representantes ou lá o que é.

  11. ricardosantos diz:

    Sem mil pessoas porra vão mas é dar banho ao cão

Os comentários estão fechados.