Ela pode querer renegociar a dívida, entender os alegristas, mandatar o Nobre e tolerar o corredor aéreo que abriu o caminho às “nossas bombas” na Líbia. É uma pena tanta paciência com tão boas perspectivas. Parabéns à Gui. Este foi, dos que conheço, o seu melhor desenho-manifesto.

as revoluções começam sempre nas ruas sem saída.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

5 respostas a Ela pode querer renegociar a dívida, entender os alegristas, mandatar o Nobre e tolerar o corredor aéreo que abriu o caminho às “nossas bombas” na Líbia. É uma pena tanta paciência com tão boas perspectivas. Parabéns à Gui. Este foi, dos que conheço, o seu melhor desenho-manifesto.

  1. a anarca diz:

    excelente desenho !
    devia passar a cartaz …

    um cubano disse-me um dia que adorava a lingua portuguesa
    pedi-lhe um exemplo
    e deu-me a palavra : Beco sem saída

  2. JL diz:

    Pois é Renato,
    foi assim com o muro de Berlim (que é o que sugere a imagem) e depois disso alguns alemães “viram” a liberdade.
    um abraço

    • Renato Teixeira diz:

      Ver o muro de Berlim em todos os muros é obra. E o de Gaza? E o das fronteiras entre o México e os EUA e o Norte de África e a velha Europa? Há que os deixar abaixo, por certo, mas seria bom que as oportunidades fossem melhor aproveitadas do que a restauração do capitalismo e da democracia de mercado a leste. Não se contente com tão pouco…

      • JL diz:

        Sem duvida Renato,
        não sou nem serei nunca conivente com essa coisa chamada “realpolitik”.
        abaixo todos os muros que nos envergonhem.
        e não me contento com pouco… se calhar nem com muito.
        vou-me contentando com as pequenas coisas, aquelas que nos vão resolvendo o mundo.
        outro abraço

  3. Niet diz:

    Renato Teixeira: A revolução mata alguns, mas intimida milhões! Dizia
    o ” nosso ” Trotsky. É nisso,como sabe, que nasce
    o projecto de libertação até à extinção das classes.
    Salut! Niet

Os comentários estão fechados.