Tomar o país nas nossas mãos

Agora que o “socialista” francês Strauss-Kahn, presidente do FMI, confirma o pedido de “assistência financeira”, importa reler/ler “A Doutrina do Choque – A Ascensão do Capitalismo de Desastre” de Naomi Klein, na qual se descreve e analisa várias intervenções do FMI ao longo dos anos. Dizer que o principal interesse do FMI é garantir o pagamento da dívida nacional às instituições da alta finança, nacional e internacional, é ser simpático para estes vampiros.
Veja-se como a banca lucra com a entrada do FMI.
Lutar contra a entrada do FMI, exigir a renegociação da dívida pública – diferenciando de uma forma clara o que é dívida pública e privada, e promover a produção nacional não são propostas inexequíveis. É o que está a ser feito, com sucesso, na Islândia e, essa sim, a única hipótese de futuro para este país.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

Uma resposta a Tomar o país nas nossas mãos

  1. Pedro Penilo diz:

    O vandalismo tem de ter resposta.

Os comentários estão fechados.