Mas por que carga de água é que tem de, ou há de, valer a pena ir ao futebol?

Maurizio Cattelan. Stadium. 1991.

Alguém me responde? (Sim, gosto da obra do Cattelan. Globalmente.)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Mas por que carga de água é que tem de, ou há de, valer a pena ir ao futebol?

  1. Rocha diz:

    A esta altura do campeonato, gajos de esquerda que ainda gostam de Futebol estão a minar completamente a sua própria credibilidade. Neste momento gostar de Futebol é fechar os olhos a uma super alienação embrutecedora mais o regabofe de corrupção capitalista – se não autêntica máfia – em que se transformou o Futebol comercial.

    Ser cúmplice da alienação do Futebol é uma da formas de ser cúmplice do Capitalismo.

    • nao diz:

      falar é fácil, criticar então… diz la tu a que coisas te dedicas nos “tempos livres” que eu ca hei-de arranjar forma de te provar que são todas formas de cumplicidade capitalista… nada mais puramente capitalista que o mundo da arte, diria eu, e não deixo de gostar de ouvir musica…
      quanto à análise que fazes do futebol moderno (ou comercial, se preferires) nada a dizer mas daí a dizer que gostar de ver um jogo é ser-se cúmplice do capitalismo… por favor

  2. Bruno Peixe diz:

    Carlos,

    Aceito o desafio e tento responder à tua pergunta.

    1º O Futebol é uma competição: um jogo em que uns ganham e uns perdem.
    2º A competição futebolística, mormente a profissional, faz-se dentro de certas regras e os vencedores e perdedores identificam-se por referência a essas regras.
    3º Do resultado da competição futebolística resultam hierarquias.
    Corolário contra as isomorfias desportivo-políticas: a luta de classes é luta, não competição. Faz-se para abolir a competição e as próprias regras do jogo que conduz à existência de classes.
    4º A existência de hierarquias, distintos graus de responsabilidade e de poder, deve ser contestada e negada em todas as esferas da vida, e não apenas naquelas que se costuma reservar para o que se chama « política ».
    Corolário: A negação dessas hierarquias e a afirmação da igualdade de todos com todos é o que se chama comunismo.
    Corolário 2: Do que acima ficou dito, não vale a pena existir futebol, pelo menos na sua modalidade competitiva – nomeadamente todo o futebol profissional.

    Salto lógico mal explicado, mas que agora não há tempo para argumentar: a proibição não sendo uma opção válida nem desejável, devemos simplesmente fazer, na nossa existência, como se o futebol (profissional, competitivo) não existisse. Assim sendo, e respondendo à tua pergunta, não só não vale a pena ir ao futebol, como o que de facto vale a pena é não ir.

    Um abraço,
    Bruno.

  3. xatoo diz:

    precisamente, é “uma questão de gosto”
    é a luta de classes possivel
    o benfica porto
    dentro de estruturas deliberada e culturalmente construidas para aliviar os ressentimentos na sociedade
    não há “gosto” que se conforme na não pertença à tribo vencedora
    nunca li o Druckner (não gosto)

  4. Bruno Peixe diz:

    Não vale, Carlos, assim não vale. Tá um gajo a desperdiçar o latim e depois tu dizes que só com o Rui Santos? É que no post desafias « alguém » para te explicar, mas nos comentários já é só com o Rui Santos. Compreendo-te, o gajo de facto põe a discussão num outro plano, como se pode constatar aqui: http://www.youtube.com/watch?v=OsSQhJzg3X0.

    um abraço,
    bruno.

    • Carlos Vidal diz:

      Muito bom, genial, grande Bruno.
      Pena que os gajos tenham perdido a verve num instante.
      Quanto ao resto, Rui Santos no seu melhor.
      Na SICN o gajo, o Santos, tem aquela frase que diz tudo (nem o nosso “mestre” poderia supor ser possível ir tão longe): “mas que raio de democracia é esta?”
      Qual ser, qual acontecimento…

  5. Zegna diz:

    o futebol é para o pessoal que não tem nada onde gastar o dinheiro …………….gostei mesmo foi do gajo que disse ” Não sou electricista ………” pois não e ainda bem…….

  6. boccia diz:

    vou só deixar isto aqui….

    • Carlos Vidal diz:

      Isto não é aquilo que tem de ser “limpo” do futebol. Isto é gerado pelo futebol, ou melhor, pela aliança entre capitalo-futebol e sociedade do espectáculo.
      Mas, o jogo até é giro.
      Adiante.

Os comentários estão fechados.