Certamente por acaso, no mesmo dia e à mesma hora, foi publicada esta informação nas páginas do PCP e BE:

Na próxima sexta-feira, na Assembleia da República, realiza-se um encontro entre o PCP e o BE, destinado a uma avaliação mútua sobre a situação política, económica e social do país.
Após os encontros com o Partido Ecologista «Os Verdes» e a ID para a concretização da CDU – Coligação Democrática Unitária, este encontro insere-se no quadro de um normal relacionamento inter-partidário ainda mais justificado pelo agravamento da situação económica e social.
Este encontro tem lugar ainda num quadro mais alargado de contactos que o PCP terá com diversas organizações económicas e sociais.
pcp.pt

As direcções do Partido Comunista Português e do Bloco de Esquerda vão reunir-se na próxima sexta-feira às 11 horas na Assembleia da República. Na agenda do encontro estão consultas mútuas sobre a crise política e social que o país atravessa. A reunião foi proposta pela Comissão Política do Bloco de Esquerda e aceita pela direcção do PCP.
Para o deputado Jorge Costa, “a troca de impressões que se vai realizar é muito importante e vem na sequência de múltiplas convergências na recusa da política do FMI que já está a ser aplicada em Portugal”.
Recorde-se que na sexta-feira o coordenador do Bloco, Francisco Louçã, anunciou que vai propor à VII Convenção, de 7 e 8 de Maio, uma estratégia de unidade à esquerda, no sentido de diálogos com o PCP, sindicalistas e socialistas.
“O caminho que faremos é para desenvolver a capacidade de aproximação entre os distintos sectores da esquerda, sabendo que, no Parlamento e na vida social, nos temos encontrado na recusa da recessão, com o PCP, com sindicalistas, com trabalhadores e activistas sociais que são independentes, com gente que se tem abstido e com muita gente que tem votado no PS não aceitando hoje as políticas de recessão”, disse, acrescentando que defende uma estratégia que promove “todas as pontes necessárias e todos os diálogos possíveis”, de modo a “construir uma alternativa que possa governar, liderar e alterar as regras desta economia que se tem fechado no desastre económico”. Na mesma oportunidade, Louçã observou que “na luta contra as medidas liberais e em defesa dos salários e do emprego, PCP e BE têm tomado posições convergentes”.
Em resposta, Jerónimo de Sousa disse este domingo que, para as legislativas de 5 de Junho, o PCP mantém a coligação com o Partido Ecologista “Os Verdes”. Mas está disposto a entender-se numa aliança pós-eleitoral com o Bloco de Esquerda. “Há muitos homens e mulheres, portugueses, preocupados com o futuro do país, que procuram dar uma contribuição para travar este rumo. Em relação ao BE, é preciso que clarifique os seus objectivos. Mas não temos nenhum preconceito em considerar que existam portugueses também preocupados com a situação dispostos a fazer um esforço para esse governo patriótico e de esquerda”, disse o secretário-geral dos comunistas, que sublinhou: “A concretização da política necessária à resolução dos problemas nacionais exige a formação de um governo patriótico e de esquerda capaz de assegurar uma nova fase da vida do país marcada pelo desenvolvimento, a justiça e o progresso social, um governo para salvar o país e não um governo dito de salvação nacional”.
esquerda.net

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

25 respostas a Certamente por acaso, no mesmo dia e à mesma hora, foi publicada esta informação nas páginas do PCP e BE:

  1. Gentleman diz:

    Fez 93 anos que se deu o golpe bolchevista que poria fim ao regime parlamentar que foi instituído após a Revolução Russa de Fevereiro de 1917.

    Outubro de 1917 é uma data importante. Assinala o início da aplicação prática do marxismo, a doutrina que mais morte, sofrimento e escravidão infligiu em toda a história da Humanidade.

    O passado é para ser lembrado. Mas não só o passado.
    No preciso momento em que lêem estas linhas, 200 mil pessoas sofrem em campos de trabalho forçado na Coreia do Norte.

    • Pedro Pousada diz:

      Buuh!O papão comunista anda à solta, faminto de sangue! E quanto aos 200 000 confirmou com os censos 2011?Acho que são mais.

    • A.Silva diz:

      Ai que medo!!… será que ainda comem criancinhas????
      Huiiii que medo!!

    • Manuel D. Saraiva diz:

      Por que será que estes reaccionários da treta nunca se identificam, com o nome verdadeiro, e preferem esconder-se no blá blá dos fascistas?

  2. xatoo diz:

    muito bem, quer dizer, muito mal.
    no Parlamento tudo, cá fora na rua nada, como muito bem ensina a classe dominante
    o JM Coelho é que topa os figurões com emprego certo no Parlamento – que vivem à grande e à francesa do reformismo desde há 4 décadas – quando hoje vem dizer que BE e PCP estão ambos a lutar em surdina por instrumentalizar o movimento da “geração à rasca”. É um trabalho escusado, Cavaco Silva já se antecipou assim que tomou posse

  3. LM r diz:

    Inacreditável. Colocam o BE no mesmo patamar das ficções “Verdes” e “ID”. Arranca bem a coisa.

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Inacreditável LM r, até o BE fala nos Verdes! Estão todos uns por cima dos outros. Pelo menos, arranca…

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      O xatoo és tu. Só pode! Descobri-te! 😀

      • LM r diz:

        Oh pá! Sobrestimas-me grandemente!

        Mas era escusada aquela forma de colocar a questão. Não é com certeza a forma ideal de arrancar com um processo destes.

  4. Rocha diz:

    Temos aqui um gentleman saudosista do Salazar a contar as suas historinhas, cheio de boas maneiras. Que é assim que a burguesia usa da pedagogia: portem-se bem meninos ou eu mando-vos para o Tarrafal.

    Agora sobre o post em si: unidade das esquerdas, mantendo cada qual a sua identidade e dentro do respeito pela diversidade, merece pois claro o meu apoio. Os diálogos entre o PCP e o BE são sem dúvida uma óptima notícia, mas creio que nesta fase se deve apostar mais na convergência da luta social para depois por concretizar a convergência política. Em todo o caso saúdo todo a unidade e convergência das esquerdas anti-capital.

    • Gentleman diz:

      «Temos aqui um gentleman saudosista do Salazar a contar as suas historinhas, cheio de boas maneiras. Que é assim que a burguesia usa da pedagogia: portem-se bem meninos ou eu mando-vos para o Tarrafal.»

      Quanta confusão vai nessa cabecinha… Com que então divulgar os crimes do marxismo é ser um saudosista de Salazar?

      • Rocha diz:

        Se não fosse pelo marxismo você ainda estava a fazer a saudação romana ao seu amado líder Salazar e o mesmo se pode dizer sobre dezenas se não centenas de ditaduras. A sua conversa é completamente de extrema-direita, não se faça de desentendido.

        Agora você diga que é de centro-direita, centro-esquerda, esquerda moderada, radical ou libertária, diga o que quiser, quem diz o o que você disse não passa de um facholas/farsolas.

        O que você diz sobre a Coreia do Norte é pura propaganda. Quer tapar a floresta com um árvore. Quantos campos de trabalho forçado com números muito superiores aos de 200 mil pessoas que você fala existem nos Estados Unidos e em muitos, muitos outros países capitalistas… Quantas valas comuns existem na Colômbia? Quantos casos de tortura ocorrem anualmente no minúsculo País Basco espanhol? Quantas câmaras de tortura utiliza a CIA ao redor do mundo? Quantas vão ser as vítimas das bombas de urânio empobrecido na “guerra humanitária” da NATO na Líbia? E quantos comunistas estão a ser tratados como “ilegais” da mesma forma fascista e persecutória nos actuais países “democráticos” do leste europeu como Sarkozy e Berlusconi tratam os ciganos “deportáveis”.

        Eu também sei mandar bitaites.

        E não venha dizer que os comunistas portugueses são seguidores da Coreia do Norte o que é uma mentira infame.

        Ao cavalheiro gentleman cheio de boas maneiras para justificar o seu anti-comunismo (do mesmo tipo de aqueles que a 25 de Novembro de 1975 pretenderam justificar uma ilegalização do PCP) o meu camarada marxista sim, leninista sim, comunista sim, José Carlos Ary dos Santos dedicou-lhe este poema:

        Na frente de todos nós
        povo soberano e total
        que ao mesmo tempo é a voz
        e o braço de Portugal.

        Ouvi banqueiros fascistas
        agiotas do lazer
        latifundiários machistas
        balofos verbos de encher
        e outras coisas em istas
        que não cabe dizer aqui
        que aos capitães progressistas
        o povo deu o poder!
        E se esse poder um dia
        o quiser roubar alguém
        não fica na burguesia
        volta à barriga da mãe!
        Volta à barriga da terra
        que em boa hora o pariu
        agora ninguém mais cerra
        as portas que Abril abriu!

        Ary dos Santos

  5. Só faltava agora que quem se afirma de esquerda venha colocar reservas ao encontro, em lugar de esperar dele resultados concretos. Com “esquerdistas” assim não é preciso a direita…

  6. Miguel Lopes diz:

    Estamos no caminho certo! =)

  7. xatoo diz:

    olha se a Revolução de Outubro tivesse estado à espera do que se resolvesse no Parlamento burguês… ainda hoje no século XXI não tinham chegado a acordo com o Kerenski nem com os “soocialistas revolucionários” que queriam apreender as armas aos comités do povo
    se facto como se borra de cagunfa aí acima um salazarinho encapotado – isso seria coisa mui assustadora, a malta na rua à pesca dos tipos de fatinho rosa&teixeira e de gajas com sapatos prada

  8. Armando Cerqueira diz:

    PCP e BE, ou BE e PCP: Voto nessa hipotética aliança/coligação/convergência com base em pontos muito concretos.
    Avancem. Não desistam. Não se desunam. Sejam responsáveis.

    Armando Cerqueira

  9. josé diogo diz:

    Só perdem pela demora… Precisamos de uma frente ampla para travar os defensores do
    canibalismo capitalista ou seja: o PS o PSD e o CDS. Avante!, para trás mija a burra.

  10. n diz:

    é só conversa de merda. cada uma quer os seus votozinhos. mas pior é o PCP com a coligação fantasma e falando de objectivos do be quando o que li nas duas propostas anti-PEC IV são mais do que consensuais entre os 2.

    • Não é nada “conversa de merda”. É um princípio, que nunca vi, que me lembre!
      O que temos de fazer é apoiá-los e pressioná-los para que avancem. E evitar fazer comentários… de merda! 😉

  11. Pingback: A esquerda unida? « Fala Ferreira

  12. Morcego diz:

    Uma excelente notícia que vem dar ânimo e esperança a quem está numa situação desgraçada. Sejam consequentes e deixem-se de merdas.
    Força!!

  13. Qual “acaso” qual o quê???… Espero bem que a unidade da Esquerda seja intencional e que avance! E que a Esquerda Unida se assuma como alternativa à política de direita que os partidos da direita e o P”S” há 30 anos têm levado a cabo. E que o BE e o PCP (mais os independentes de esquerda e os socialistas) se assumam, de vez, como verdadeira alternativa de governo aos partidos do “arco [da velha] da (des)governação”. E que se faça passar esta mensagem, que a comunicação social do sistema, como sempre, vai tentar silenciar ou desvirtuar.
    A gravidade da situação exige-o!

  14. Estorieta:
    Estou em dívida com o pai do Chico L.
    Os sorjas dele recusaram-se e o comandante não forçou.
    Porque eu estava no Terreiro do Paço com o Salgueiro M., e se a fragata dispara tínhamos todos ido para o c”#$%&o.
    Depois «alguém» pôs de volta Cavalaria 7, o pai da Teresa (minha amiga) rendeu-se, o idiota do Pato foi obrigado ao mesmo, e portanto estamos aki.
    Senão não estávamos.

    😉

  15. Pedro M diz:

    Não basta um entendimento pós-eleitoral, se querem seriamente conquistar votos têm que concretizar não só uma união pré-campanha como redefinir-se politicamente para que possam ter esse apelo à esquerda real.

Os comentários estão fechados.