Adobe for Women

Já por aí vi vários comentários quanto ao afastamento da arquitectura (e dos arquitectos) da realidade concreta da vida das pessoas. Não posso estar mais em desacordo. Aqui fica mais um exemplo, neste caso a ser desenvolvido maioritariamente por arquitectos portugueses (blaanc + b_rOOtStudio), em Oaxaca no México.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Adobe for Women

  1. JMJ diz:

    Falando em ligação à realidade concreta e às pessoas:

    – Há alguém neste blog que vá participar na manifestação da Juventude Trabalhadora, na próxima 6ª feira, dia 1 de Abril, em Lisboa?

    http://www.cgtp.pt//index.php?option=com_content&task=blogcategory&id=170&Itemid=272

    (podiam, pelo menos, actualizar os cartazes na vossa coluna)

  2. susana diz:

    muito bom, adorei conhecer o projecto. obrigada!

  3. jm diz:

    mais um projetinho. não conheço esta polémica em particular, mas em geral quando critica o afastamento dos arquitetos fala-se do seu afastamento do espaço público, da cidade. da sua cumplilcidade com uma certa cultura do limpo e planeado que em geral leva ao gentrificado. da sua cumplicidade com o condomínio fechado, com o fim da rua como espaço público e transformação em espaço canal etc etc

    acho que se fala mais do consenso instalado do que de um ou outro projetinho que haja para aí. infelizmente…

  4. o da boa-fé diz:

    Sr. arquitecto, frouxa resposta à minha provocação. Afinal, por cada “VINTE casas sustentáveis no povoado indígena de San Juan Mixtepec”, quantos ateliers de insignes e ilustres arquitectos se interessam pelos MIL MILHÕES de habitantes das favelas deste mundo filho da puta e cão?

    ps: à luz da história (seus conflitos, tragédias e desenlaces) o Pritzker não interessa um caralho!

Os comentários estão fechados.