Souto Moura, Prémio Pritzker 2011

(actualizado às 17:00)

O portal de arquitectura Scalae (aparentemente a notícia foi retirada, ainda que já esteja replicada no Ípsilon e o sempre bem informado Construir já a assuma como verdadeira) está, desde manhã, a divulgar a notícia que Souto Moura venceu o Prémio Pritzker de 2011. Ainda que a informação não seja oficial, a notícia já se encontra espalhada por vários meios de comunicação nacional.
Estando certo que a exuberante crítica nacional competirá por, durante os próximos dias, dar à estampa o texto mais pretensioso e laudatório sobre a sua obra e o seu portuguesismo que nos levará a regurgitar a sua casa menos mediática, apetece-me apenas dizer que o Eduardo Souto Moura é um tipo fantástico para uma conversa de café e para ver a bola. Parabéns ao Eduardo e à sua equipa.

(actualizado às 17:45)

O Público também confirma.

(actualizado às 17:52)

Lido no facebook: é a primeira vez que o Pritzker sai para o mesmo prédio.
Acrescento: É a segunda vez que o Pritzker sai a um atelier sem página de internet.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 respostas a Souto Moura, Prémio Pritzker 2011

  1. Conheço coisas d’ele (até porque vivi no Porto…) mas diz-me pouco com prémios ou sem eles.

    Os «meus» arquitectos são os “reaccionários”, akeles que acham que em ‘betão armado’ qualquer imbecil fax não importa o quê /e tem uma meai-vida de 30/40 anos, se tanto) e o difícil é construir coisas que durem centenas de anos com materiais ‘tradicionais’.

    Passe a publicidade aos meus amigos, que sabem como fazer isso:

    Alberto Castro Nunes
    António Maria Braga

    (desses “reaccionários”, hahaha !)

  2. Eme diz:

    Parabéns a um grande Português!

  3. Lourenço Cordeiro diz:

    «o Eduardo Souto Moura é um tipo fantástico para uma conversa de café e para ver a bola.»

    Certíssimo, mas não é por isso que o prémio lhe é entregue.

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Bem sei caro colega Lourenço, mas o meu contrato aqui com a casa raramente inclui escrita sobre arquitectura. As análises erógenas deixo-as para quem de direito.
      Talvez amanhã me apeteça… hoje festeja-se o caneco!

    • maradona diz:

      bem vindo ao melhor blogue de portugal, lourenço.

      • Lourenço Cordeiro diz:

        Ontem estive com o livro do António Figueira na mão, mas depois percebi que são contos e eu contos não gosto, à excepção dos contos do Mário de Carvalho.

  4. José diz:

    E, já agora, porque não escrever sobre o laureado e a sua obra para arquitectoanalfabetos?
    É que ler alguns dos textos de crítica que aí virão, significa abandonar a leitura após o primeiro parágrafo, cheio de calão técnico…

  5. Tânia Vânia diz:

    Sim senhor…”dar à estampa o texto mais pretensioso e laudatório sobre a sua obra e o seu portuguesismo que nos levará a regurgitar a sua casa menos mediática”. Belo naco de prosa este, senhor Saraiva, principalmente porque o ideal seria ficar por um post como este porque a coisa não merece mais. Ou então, se calhar, seria melhor escrever sobre mais uma manifestaçãozinha ou sobre os geniais Deolinda. Haja paciência para os invejosinhos.

  6. João Vasco diz:

    Fico contente. Mas faz-me alguma confusão. O Pritzker não será um prémio de consagração? O Arquitecto Souto Moura já é uma referência internacional? Quantos obras podemos destinguir na sua carreira? Ou será o prémio a torna-lo nisto tudo?

  7. a anarca diz:

    Parabéns ao premiado 🙂
    se é assim ou assado ou vice versa não interessa 🙂

  8. Tânia Vânia diz:

    Publiquem os comentários todos ou só aqueles que dizem bem. Obrigado 😉

  9. filipe diz:

    Caro blogger Tiago,

    Os seus textos são por vezes desinteressantes e este parece não fugir à regra. No entanto, gostaria de o corrigir e fazer um alerta a outros comentários.
    Em primeiro lugar, a «exuberante crítica nacional» compete desde sempre ao «pretensioso e laudatório sobre a sua obra e o seu portuguesismo» (achei engraçado essa auto-crítica e considero que lhe fica bem – clap clap).
    Em segundo, e mantendo a temática, queria alertar o José (comentário das 17:45 28Março) que os textos que se seguem nos jornais e blogs não vão colocar nunca calão técnico e serão mais adjectivados do que substantivos, o que será de leitura fácil e aprazível aos leigos e lambe-botas da arquitectura tal como são os livros do paulo coelho ou margarida rebelo pinto ou ainda do konsalik e afins.
    Em terceiro, e voltando ao autor, a sua correcção das 17:52 vem mostrar que não é muito atento aos factos e segue as correntes da desinformação que pululam pela internet. Aliás, se começar a utilizar esta mesma fantástica ferramenta poderá encontrar que existem mais premiados do Pritzker que não têm uma página na internet.
    Quarto ponto, acho o seu post um despropósito porque o seu último parágrafo acabou por destruir a informação dos anteriores. Se não corrigir esse seu tique poderá nunca a ser um mediano blogger. E digo isto porque o arquitecto referido é ainda melhor para uma conversa de whiskey do que café e segundo declarações do próprio ele não vai muito à bola.

    atentamente,
    filipe

  10. Lourenço Cordeiro diz:

    Ah, só uma coisa, Tiago: o Glenn Murcutt também não tem site.

Os comentários estão fechados.