M Sousa Tavares – é sigla de quê? Quem compra o “conceito” de liberdade deste indivíduo? (Nem por 1 Euro?? Metade disso??)

“(…) o Zeca Afonso foi um grande músico, um resistente contra a ditadura, um comunista, um revolucionário, se quiserem [ ?????? se quiserem ???? ] : mas, no meu conceito, NÃO FOI UM HOMEM DA LIBERDADE [ sublinhado meu ]”.

M SOUSA TAVARES, “coluna” dele, Expresso, 12 de Março, 2011.

MAURIZIO CATTELAN – Escultura em frente à Bolsa de Milão, 2010.

Esta Tavaríade deve ser registada. Eu registei. Depois digam-me o que se faz a gente desta. É-se tolerante?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

31 respostas a M Sousa Tavares – é sigla de quê? Quem compra o “conceito” de liberdade deste indivíduo? (Nem por 1 Euro?? Metade disso??)

    • Carlos Vidal diz:

      Nem eu, major – nem por meio centimo.
      Eu exportaria a frivolidade e a personagem para a Patagónia (e depois quem me garantiria que umas ressonâncias de frases de Chattwin não apereceriam por aí, numa livraria perto de si ? – umas ressonâncias, umas ressonâncias…), com uma indemnização para os seus habitantes. Pobres habitantes. (E egoísmo o meu, peço desculpa em estar a sugerir prejudicar os outros.)

  1. João Duarte diz:

    É por estas e por outras que deste tipo digo que nunca li , nem lerei um livro dele. Gastar dinheiro com tão reles bicho? Nããã
    Quer lá saber que seja boa literatura. Para o peditório dele não dou… Nem que a vaca tussa…

    • Carlos Vidal diz:

      Meu caro amigo, aquilo é literatura abaixo de light.
      Daqui por dois ou três anos ou meses, aquilo não tem compradores nem leitores.
      Aquilo é um José Rodrigues dos Santos mais bem escudado e com pretensões ilusionistas.
      Rasquice literária.

  2. Zoomie diz:

    O que é que se faz a gente dessa?

    Que raio de pergunta.

    opção 1: responde ao dito com um post num blog onde escreve: insulta o dito, chama-lhe de ignorante petulante, bourgeois, enfim diz o que lhe apetecer.

    opção 2: cala-se.

    opção 3: encontra o dito na rua, ippona-o, glasgow kiss e vai parar à cadeia. caso mediático: prof de belas artes na uni de lisboa dá/leva tareia de MST em plena avenida da liberdade. escreve um livro sobre a malevolência intrínseca do “sistema” durante o período de encarceramento.

    PS: gostei de ver o prof Vidal a reclamar a luta pela liberdade como sua. a mesma liberdade que os seus confréres da internacional desejaram/tentaram suprimir durante alguns meses turbulentos pré-pós 25, no interstício do set badiouano LOL. O Politburo é ou Comité Central são organismos onde a liberdade impera? come on. its a party like any other. 🙂

    • Carlos Vidal diz:

      Cheira-me a Zeque.
      Uma continuação de uma forma de ser Pessoa – homem sionista de mil rostos.
      Ainda bem que fala em liberdade.
      Sim, valorizo a liberdade, não a democracia-voto, que é um produto para centros comerciais de fraca qualidade.
      Em 1789 dizia-se liberdade – igualdade -fraternidade, etc. e tal.
      E estava bem – não aparecia lá a palavra “democracia”.
      Na Tunísia e no Egipto não apareceu grandemente, também, a palavra “democracia” (que serve mais para fazer calar do que para falar).
      Continuando, o Politburo e o Comité Central existem precisamente para o exercício da liberdade, da verdadeira liberdade, a conflitual.
      Noutro ponto, a opção 3 é uma opção tão válida como as outras (e para a qual estou disponível), de qualquer modo voltei ao assunto MST mas, ontém, disse que a personagem iria desaparecer de tudo o que eu viesse a escrever. É a solução mais inteligente.
      A eficácia da opção 1 foi escassa;
      da opção 3, ver-se-á: O contexto decidirá.
      A opção 2 é a mais inteligente: não se trata de calar, mas de fazer o indivíduo inexistir.
      Pelo menos na minha galáxia, pois parece-me que o sujeito tem fãs.

  3. Mais uma vez, excelente caro Carlos Vidal. A imagem que postou é sublime. É o que esse senhor merece sempre que as pessoas passem por ele.

  4. Ernst diz:

    O Sr.Vidal discorda e exerce o seu direito à indignação perante as afirmações do Sr.Sousa Tavares.
    Acho muito bem….da mesma forma que o Sr.Sousa Tavares, o Sr.Vidal ou qualquer outra pessoa tem o direito de dizer o que quiser e de discordar do que quiser. Nem falo em tolerância (palavra que me desagrada), falo em respeito pela liberdade de expressão*!
    Certo?!
    É ainda de salientar que o Sr.Sousa Tavares escreveu “no meu conceito”.
    O “conceito” é dele (e dos que pensam de forma similar) da mesma forma que o Sr.Vidal tem, com certeza, os seus conceitos e os pode e deve expressar tão livremente quanto o Sr.Sousa Tavares.

    *bem sei que falar em tolerância e/ou liberdade de expressão com alguns marxistas é algo como dar uma palestra sobre humildade ao Mourinho :-), mas enfim….não custa nada.

    🙂

    • Carlos Vidal diz:

      O sr. Sousa Tavares desrespeitou sem dignidade um dos maiores lutadores, e com os meios mais simples e mais frágeis (uma viola e um génio – e a PIDE omnipresente), da história da arte portuguesa.
      O resto é silêncio.

    • sara diz:

      Ilustrar o conceito de “liberdade de expressão” a um dizer bacoradas em canais televisivos, supostamente informativos e de pessoas que supostamente seriam ilustradas o suficiente para que eu tenha de inevitavelmente de suportar a fronha desses sujeitos – nem que por dois segundos – quando faço zapping, é um nadinha redutor…

  5. Carlos Fernandes diz:

    Sim, Prof. Vidal, o M.S.Tavares mais as suas larachas e plágios livrescos não é exemplo para ninguem, de acordo, agora, ok, está percebido o seu exemplar conceito de democracia e tolerância, quem defende que havia liberdade na ex. URSS e nos seus politburo e comité central, mais as respectivas e opulentas dachas onde a nomenklatura vivia…Enfim, não é preciso fazer um desenho disto nem fazer nenhum curso de belas artes para fazer esse desenho, presumo…

    • Carlos Vidal diz:

      Caro Carlos Fernandes, eu falei em Comité Central em sentido geral, referido certamente aos orgãos dirigentes dos partidos comunistas.
      O meu caro pensa o quê?
      Que num comité central dorme-se? Concorda-se com a comidinha fast food já feita?
      Nunca participei num, mas sei que não são lugares pacíficos. E isso é que é positivo.
      Não são coisas como o Secretariado das Canas e Vitorinos.

  6. Rui F diz:

    O Homem já veio hoje no Expresso a pedir desculpas porque tinha sido induzido em Erro, com um texto que não era.

    E o que escreveu hoje é a mais pura verdade.

    • Carlos Vidal diz:

      Caro Rui F,
      Eu bem vi que o homem veio hoje a terreiro pedir desculpas.
      Ridículas desculpas – trabalho de casa mal feito, como sempre.
      Poderia ir por aí, e aligeirar a questão, mas não vou.
      O que me interessa é a pressa do homem em causa em odiar profundamente todas as iniciativas como estas, como a manifestação de hoje, como a manifestação do próximo sábado!!
      Isso é que eu acho que é interessante para caracterizar esta personagem.

  7. há alguns, como o MST, para quem liberdade é não ter consciência…

  8. Carlos Fernandes diz:

    A questão dos comités centrais e dos modus operandis é secundária, o que eu perguntei, e repito, é se o caríssimo blogger considera que havia liberdade (e democracia) na ex.URSS…

    • Carlos Vidal diz:

      Era um país em construção, com avanços e recuos (o maior recuo foi Gorbachov, mas certo, houve outros).
      Era um país que não só apontava para a liberdade e uma vida vivida fora das máfias actuais, como sobretudo era um país e um projecto á procura da redefinição da ideia/definição de liberdade.
      Se houvesse liberdade em Portugal, Sócrates já estava nas ilhas Caimão.

  9. M.Sousa Tavares a querer, pateticamente, ser “polémico”. Para “criar discussão de ideias”, tudo e todos servem…
    Ou seja: a armar-se ao pingarelho opinativo.
    (Hoje teve uma estrondosa resposta, mais uma, nas manifs no país ! — e ele que não venha com merdosas conclusões que todos os manifestantes eram “de esquerda”, “de extrema-esquerda”, “comunistas”, etc.).

  10. Adorei essa hipótese do «glasgow kiss».
    No fundo é só uma testada na tromba.
    Duvido que sequer dê cadeia…

    🙂

  11. Pisca diz:

    Os boçais e os broncos só conhecem uma linguagem, um chapadão ou um valente murro nos cornos, para abrir os olhos

    Depois que se vá queixar p’ra tv ou lá onde anda

    Alguém conhece algo feito por esta peça, para além de viver pendurado do apelido ?

  12. Vive pendurado no apelido (e o da mãe é … sensacional ! Ainda bem que ele não usa…) e ele é só bacoradas e engates, conheço a ‘criatura’. De longe, e infelizmente.

    🙁

    • Carlos Vidal diz:

      Não há problema que o faça, major, mas eu não me meti nessas vias.
      De facto, o apelido ou o nome da mãe nunca o poderia ele usar.
      Nenhuma relação que transpareça. E não digo mais nada.

  13. Carlos Carapeto diz:

    «««««««ninguem, de acordo, agora, ok, está percebido o seu exemplar conceito de democracia e tolerância, quem defende que havia liberdade na ex. URSS e nos seus politburo e comité central, mais as respectivas e opulentas dachas onde a nomenklatura vivia»»»»»

    Tavarich ou Camarada Fernandes, escolha. Está assim tão bem informado sobre o que se passava na URSS, esclareça uma coisa. Quantos desses membros que controlavam o Apparatchik , a Nomenklarura , o Politburo o Comité Central, e um raio que os parta, donos dessas tais opulentas datchas, que acumularam fortunas fabulosas roubando os bens públicos. Sim; quantos desses hoje se identificam ou defende o Marxismo? Sabe onde estão? Do seu lado, nos partidos de direita, aplicando o neoliberalismo mais retrógrado.

    Esses que você está a acusar que oprimiam o povo Soviético, são os mesmos que hoje em dia roubam e escravizam esses povos. Com isso a direita e os seus sicários já não se preocupam.

    Agora lanço-lhe o desafio noutro sentido. Diga-me o nome de um, apenas um, daqueles que se mantiveram fiéis ao Marxismo, que andam a levar porrada nas ruas, a sofrer perseguições, prisões arbitrárias, por defenderem os interesses do povo e dos trabalhadores, que tivessem enriquecido com o saque dos bens do Estado? Escreva aqui um nome se souber. Não sabe? Se não sabe então não diga asnadas, nem largue coices no escuro.

  14. José diz:

    C. Carapeto,

    se bem entendi o seu argumento, os marxistas que ocupavam lugares de relevo na URSS transviaram-se ideologicamente, e, portanto, não é o sistema o responsável pela situação de queda da URSS, pelos abusos de poder, pela corrupção, pelos desvios – chamemos os bois pelos nomes, pelos roubos de bens públicos, antes alguns indivíduos ideologicamente impuros, agora na direita.
    Bom, admitamos que assim foi. Mas como se evitaria que, voltando de novo ao sistema soviético, que a história se repetisse, que os rapaces voltassem ao poder? Não será o sistema soviético precisamente o responsável pela criação de uma classe dirigente opaca, sem accountability, propícia a encarar o estado e os seus bens como seus de jure, porque de facto já são?

  15. Carlos Carapeto diz:

    Ou você não percebe patavina daquilo onde quer meter o nariz. Ou está a fazer-se desentendido. Mas essa cambada alguma vez foram Marxistas? Foram sempre aquilo que são hoje. Percebeu o que eu escrevi?

    O que eu disse foi que uma corja de oportunistas tomaram de assalto as cúpulas do sistema, e no momento próprio passaram-se serenamente para o outro lado, deitando a mão a tudo quanto puderam. Obviamente que para isso tiveram que mascarar-se de qualquer coisa.

    Esses que ontem oprimiam o povo, são os mesmos que hoje o exploram reduzindo-o à miséria é à exclusão de toda a ordem. Ontem Marxistas, hoje neoliberais. Portanto são aquilo que sempre foram, uma elite de oportunistas burgueses. Não confunda as coisas. Esses hoje pensam da mesma maneira que você pensa. São uma corja de anti-Marxistas intragáveis.

    Porque os sérios os honestos aqueles que trabalhavam para o bem comum sem quaisquer ambições pessoais foram afastados, desacreditados e achincalhados por Gorbachov e a sua camarilha. Esses continuam pobres e fiéis aos seus princípios morais e ideológicos a servir o povo e os trabalhadores.

    Mas se o seu objectivo é desacreditar o Marxismo, deve lembrar-se que o PSD nos seus primórdios também continha uns pozinhos de Marxismo. E o PS esse estava impregnado de genes Marxistas até à ultima espiral do ADN. Também vai culpar o Marxismo por o estragalhaço que esses dois partidos têm provocado no nosso país?

    Marx não é responsável por os desvios e os excessos cometidos em seu nome. Tal como Cristo não pode ser responsabilizado por os crimes praticados por a igreja durante séculos.

    Marx continua a ser o único caminho indicado para a humanidade seguir, quando se livrar deste atoleiro em que se encontra mergulhada.

    • José diz:

      C. Carapeto, já vi que ficou muito indignado por aquilo que acha que foi um ataque.
      Receio que não entendeu a pergunta.
      “O que eu disse foi que uma corja de oportunistas tomaram de assalto as cúpulas do sistema, e no momento próprio passaram-se serenamente para o outro lado, deitando a mão a tudo quanto puderam. Obviamente que para isso tiveram que mascarar-se de qualquer coisa.”
      Muito bem. Entendido. Agora a mesma pergunta atrás feita: “Mas como se evitaria que, voltando de novo ao sistema soviético, que a história se repetisse, que os rapaces voltassem ao poder? Não será o sistema soviético precisamente o responsável pela criação de uma classe dirigente opaca, sem accountability, propícia a encarar o estado e os seus bens como seus de jure, porque de facto já são?”
      Não me responda dizendo que sou ignorante, ou que sou anti-marxista ou que me faço de desentendido, não é insultando-me que responde à questão. E esta é algo que lhe deverá importar. Se não é o sistema soviético – e é deste que falo, nunca falei do marxismo. Este não se confunde com aquele – que está mal, antes os oportunistas que dele se aproveitaram, como evitar, num eventual ressurgimento do sistema, que outros oportunistas se apropriem da liderança soviética?

  16. Carlos Fernandes diz:

    O caro Carapeto está a afirmar que os membros da nomenklatura viviam tal como o povo simples, a ter de ir para as bichas comprar leite e alimentos, será isso…

    Ou pondo a questão doutra maneira alguns dos actuais e brutalmente ricaços da Rússia não eram membros do Partido Comunista, ah pois não, não eram …

    Finalmente, o facto de eu criticar o comunismo não quer dizer que seja um defensor do capitalismo, muito menos o selvagem, que curiosamente é o mais praticado em Portugal quando está no poder um partido supostamente de esquerda, o partido socialista!

  17. Carlos Carapeto diz:

    Oh Carlos Fernandes, você não consegue atinar com uma esmolinha para o peditório. Isto porque está a meter-se em assuntos que não sabe. Move-o o ódio a qualquer coisa.

    Não ponho em causa aquilo que afirma. sei muito bem como as coisas eram. Não posso é permitir que use a demagogia para desacreditar um sistema, vitima dos seus comparsas burgueses. Se os mafiosos continuam a ser os mesmos, porque não os critica agora?

    Nem aceito que extrapole situações que ignora na totalidade, como essa aldrabice da suposta penúria de alimentos. Isso é mentira. Os bens alimentares essenciais nunca faltaram. As estantes dos armazéns podiam não estar recheadas da diversidade de produtos tal como aqui conhecemos. Mas o pão, o leite, a carne, os cereais, o peixe , frutas, vegetais existiam em abundância. Quanto a esses que acusa de usufruírem de todos os luxos no tempo da URSS , já lhe disse quem são hoje. São as máfias que o capitalismo, venera e idolatra, fazendo chorudos negócios com a rapina das matérias primas do país . Porque a Rússia de hoje é uma colonia de materias primas, 60 % do PIB advém daí.

    Sobre essa propagandeada falta de bens alimentares desejo esclarece-lo. Nesse tempo ninguém passava fome. E hoje com os supermercados a abarrotar existem milhões de pessoas sub nutridas

    E porque razão não mostra agora a sua solidariedade para com essas pessoas? Ou com milhões de crianças abandonadas na rua. O que o impede de denunciar esse e outros terríveis flagelos sociais que se abateram sobre essas populações? Só o preocupa o Marxismo?

    Quanto a esses “actuais brutalmente ricaços” (a frase é sua). Sim ; eram membros do Partido Comunista tal como era Gorbachov, que fazia eloquentes discursos a empolgar o Marxismo/Leninismo e tecia brilhantes e estridentes estrofes a Estaline afirmando que o Ocidente não conhecia a realidade Soviética do seu tempo. Ignora esses discursos?

    Assim como Yakovlev, Yeltsin, Chevarnadzé, Tcherniev, Roy Medvedev, todos eles faziam parte das cúpulas do sistema. Qual o epíteto que se atreve a atribuir a estes? Também eram da Nomenklatura.

    Ou ainda aquele outro ladrão que o Zirhinovski atirou com um copo de água às fucias durante um debate televisivo. Boris Nemtsov actual dirigente da União das Forças de Direita, Também era Comunista e fez carreira dentro do Partido.
    Em 89/91 quando foi dirigente da região de Gorki (Nizni Novgorod actual) entregou o complexo industrial AvtoVaz a Oleg Deripaska onde trabalhavam cerca de 100 mil operários, vendeu os trabalhadores, vendeu as habitações e a fábrica, ninguém ficou sabendo por quanto.

    Até parece que ignora também que essa ladroagem é recebida com todas as honrarias na sua Europa democrática?

    Depois ainda tem o descaramento de vir acusar os Marxistas por os desvarios que essa bandidagem provocou?

    Você é igual a eles, não deixa de ser um deles, admira-os só por terem provocado o desmantelamento da União Soviética.

    Não tem é os birloques no lugar para se assumir.

    Nem foi capaz de me indicar um unico nome de qualquer Comunista que tivesse acumulado fortuna à conta de bens roubados ao Estado.

    Pois não; se você anda aqui só para falsear a história.

  18. Carlos Carapeto diz:

    Retifico. AvtoVaz para AvtoGaz.

    A AvtoVaz como incorretamente escrevi é o complexo da Lada em Togliati.

Os comentários estão fechados.