O género une-as, a classe separa-as

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

5 respostas a O género une-as, a classe separa-as

  1. Marota diz:

    Quantos cargos da Administração Pública são ocupados por pessoas nomeadas por confiança política? Quantos o serão por simples “doação” de lugares ou “compadrio”, por “cunhas” ou troca de favores? Sabe quanto isto pode custar ao país? Sabe avaliar a desmotivação de pessoal competente por ser afastado desses postos de trabalho? Sabe quanto custa uma administração pública infestada de boys?Sabe quanto custa em ineficiência, por exemplo, a mudança de todos (ou quase todos) os Directores Gerais sempre que muda um governo? Nem ao menos calcula?

    Assine esta petição (está mesmo aqui à mão…) pela legalidade e transparência no acesso ao emprego na função pública. Acredita que assinar uma petição é, no mínimo, dizer não. E… quem se cala, ou consente também conta com essa gente…

    http://www.peticaopublica.com/PeticaoListaSignatarios.aspx?pi=ARTIGO47

  2. Ana Paula Fitas diz:

    Subscrevo 🙂
    Obrigado, Renato.
    Abraço.

  3. Feito.
    Não acredito muito na força d’estas coisas, mas enfim, se vos consola… nada a objectar.

    🙂

  4. M. Abrantes diz:

    Boa foto, revelando uma moça amestrada por um chapéu verde com uma estrela vermelha, um top de fato-de-macaco, e um livrinho de capa encarnada. Não tem olhar e a expressão do rosto visível é amorfa. Ao segundo sinal rodará para a esquerda e caminhará feliz para onde a mandarem.

Os comentários estão fechados.