Foi o bloco central que deixou várias gerações à rasca. Eles são o nosso antigo regime.

Mário Soares: “Querem alguma coisa mais do que o caos? Não se trata de anarquistas. Nem, muito menos ainda, de marxistas, nem sequer de islâmicos radicais. Serão movidos tão-só pelo desespero? Tratando-se de desempregados e de precários, pode-se talvez compreender. Mas não, seguramente, apoiar. Porque são perigosos, antidemocratas, niilistas. Parece que esperam que alguém lhes indique um caminho. Mas qual e quem? A isso respondo: não, muito obrigado! Já tivemos disso 48 longos anos e não queremos mais…”

Pacheco Pereira: “vai ser difícil evitar que a rua entre em cena, como na Grécia, E não vem da CGTP, nem do PCP, de cujas manifestações políticas vamos ter saudades. Vem do Bloco em primeiro lugar, vem da ala esquerda do PS, vem da extrema-direita, vem de anos e anos de um fermento que anda por aí, alimentado pela incúria e irresponsabilidade, feito por velhos reaccionários com nostalgia de Salazar e por jovens modernaços que passam a vida no Facebook e acham que o ecrã do computador mudou o mundo.”

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Foi o bloco central que deixou várias gerações à rasca. Eles são o nosso antigo regime.

  1. Nightwish diz:

    Sobre os Godinhos, Varas, Pedros Soares, institutos públicos, grupos de trabalho e o raio ZERO, mas os que desctroem a sociedade são os que se queixem.
    Só lhes falta mandar destribuir bolo.

  2. rui david diz:

    o mário soares tem razão na caracterização que faz, exceptuando o recurso ao já estafado papão fascista, mas esse é um recurso de retórica incontornável na argumentação da esquerda em geral. Intriga-me que este pessoal, em vez de se revoltar contra objectivos concretos (por exemplo as empresas que os exploram ou se aproveitam de leituras casuisticas da lei, ou procedem mesmo ilegalmente para os manterem na precaridade), se coloca numa atitude “espera”. Alguém que lhes resolva os problemas. Acaso já lhes ocorreu a hipóteses de se sindicalizarem? Ou de tentarem articular a sua luta com as dos trabalhadores, estabelecendo plataformas com os sindicatos? Está quieto…. que isso é “política” e eles nem querem muito com política, nem sabem o que isso é…. é que eles só querem emprego e não chatices, quando muito convidam “todos os partidos” a “juntarem-se”.
    A confrangedora inépcia intelectual dos adultos, alguns parece que com mestrados, etc., que organizam a manifestação, deprime e preocupa.

    • V. KALIMATANOS diz:

      O aparente mistério a desvendar neste consenso entre ludovinas políticas é que o Soares e o Pacheco pertencem ao mesmo “partido” e nem um nem outro sabe disso, ou finge que não sabe. Mas há mais, até entre outros que não concordam com eles. De salientar, o passado PC dos dois melros preocupados..

  3. idi na huy diz:

    Apareceram 3 desses no FB com cursos do IST a amandarem bitaites sobre cada um a pensar por sua cabeça(q génios!…) anarco-capitalistas(digo eu:FASCISTAS) com links ao Grupo Parlamentar do PSD(óbvio!!!),adoração do Hayek(que astrologista,oops!economista)e cada pessoa um empreendedor-atomização alargada da humanidade.Classes,com isso nada!!Axo q são aqueles com um curso e se vêem como se estivessem no séc-XIX ou XX,a viverem como nababos num mar de anlfabrutos….Não reparam q o Belmiro os contracta ao preço da chuva para depois lhes dar um pontapé no cú!São os novos proletários mas ao serviço,todo o serviço, do patrãozinho.

  4. Marco diz:

    Para mim, o facto mais relevante é a inépcia da velha raposa da “esquerda democrática” em lidar com a nova conjuntura.

    Se já nem o senador tem esperança em capitalizar politicamente o movimento e o afronta ostensivamente, a dissociação da oligarquia face ao pulsar da “rua”, do “povo” é mais flagrante do que pensava.

    Para o bem e para o mal parece que vêm aí tempos novos…

    À luta!!!!

  5. Subscrevo por inteiro o ‘comment’ do Roy, nada a acrescentar.
    🙁

  6. susana diz:

    genial é o ‘especialista’ em internet não ter percebido que a sua última frase é hilariante. foi como alguém que me disse há tempos, numa discussão sobre a wikileaks, “ok. esquece a internet. pondo de lado os computadores e a internet não achas que…”. qual será a marca tecnológica civilizacional que a minha geração vai ser incapaz de interiorizar quando for velha?

  7. Pingback: O poder não tem poder contra o poder da rua | cinco dias

Os comentários estão fechados.