Foi o bloco central que deixou várias gerações à rasca. Eles são o nosso antigo regime.

Mário Soares: “Querem alguma coisa mais do que o caos? Não se trata de anarquistas. Nem, muito menos ainda, de marxistas, nem sequer de islâmicos radicais. Serão movidos tão-só pelo desespero? Tratando-se de desempregados e de precários, pode-se talvez compreender. Mas não, seguramente, apoiar. Porque são perigosos, antidemocratas, niilistas. Parece que esperam que alguém lhes indique um caminho. Mas qual e quem? A isso respondo: não, muito obrigado! Já tivemos disso 48 longos anos e não queremos mais…”

Pacheco Pereira: “vai ser difícil evitar que a rua entre em cena, como na Grécia, E não vem da CGTP, nem do PCP, de cujas manifestações políticas vamos ter saudades. Vem do Bloco em primeiro lugar, vem da ala esquerda do PS, vem da extrema-direita, vem de anos e anos de um fermento que anda por aí, alimentado pela incúria e irresponsabilidade, feito por velhos reaccionários com nostalgia de Salazar e por jovens modernaços que passam a vida no Facebook e acham que o ecrã do computador mudou o mundo.”

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Foi o bloco central que deixou várias gerações à rasca. Eles são o nosso antigo regime.

  1. Pingback: O poder não tem poder contra o poder da rua | cinco dias

Os comentários estão fechados.