Que azar, ó Renato…! (Quem se apega às datas, às horas…)

4 de Março, cerca da 1 da manhã
Renato Teixeira “Do sectarismo, da inteligência e da vontade sindical…”

“Não é uma impressão que o PCP olha de soslaio a manifestação da Geração à Rasca. Apesar de ter havido um sector da sua base que aderiu ao protesto a verdade é que os dirigentes têm largado fel sobre o assunto, de resto com sempre largam quando os processos sindicais não são dirigidos por eles.”

3 de Março, 23h30 (2 horas antes)
Jerónimo de Sousa: o PCP vai estar na Av. da Liberdade no dia 12 (entrevista na TSF/DN)

“O secretário-geral do Partido Comunista afirma que a luta contra a precariedade está nas prioridades do PCP, e como tal, aceitou o convite da organização do «Protesto da Geração à Rasca» para participar na manifestação de dia 12, na Av. da Liberdade. Neste Entrevista política, Jerónimo de Sousa fala também dos 90 anos do PCP, do actual contexto político e de moções de censura.”

http://www.tsf.pt/paginainicial/AudioeVideo.aspx?content_id=1798105 (ao minuto 11)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

33 respostas a Que azar, ó Renato…! (Quem se apega às datas, às horas…)

  1. Renato Teixeira diz:

    Pedro, quem se agarrou às datas para debater uma questão política foi a resposta do Bruno ao João. Reconhecerás. A minha posta apenas pretendeu rebater um facto falso e que ainda não foi rebatido. Nessa mesma posta defendo a unificação dos protestos, de resto como já tinha feito o João, e a notícia que agora avanças é boa para quem sempre defendeu isso. Fica bem ao PCP e a sua presença fará bem ao protesto da Geração à Rasca. Esperemos que este seja mais um bom vento para trazer os professores para a Avenida da Liberdade e não para o Ministério da Educação às moscas.

    • Pedro Penilo diz:

      Oh, como eu gostava que tivesses escrito isso antes…!

      • Renato Teixeira diz:

        Não vejo que tenha dito outra coisa. Espero que a presença do Jerónimo de Sousa acabe de vez com as suspeições que têm caído sobre a natureza progressiva da manifestação. Abraço e até à Avenida da Liberdade. 😉

  2. maradona diz:

    fala o vosso maior admirador: esta merda de discussão não tem um um zircão de interesse, caralho. 8 posts sobre nada. parece um filme do hal hartley.

    • Renato Teixeira diz:

      Maradona, até as novas conversas sem interesse o deixam com a tenda armada. Deixe-se lá de merdas e venha mas é à Avenida da Liberdade.

    • Pedro Penilo diz:

      maradona, se um dia estiver com as audiências em baixo, esta receita não falha: uma atoarda contra a CGTP ou o PCP, e é ver os números a subir… Junta-se o nojo com a fome de comer. Mas que lhe estou eu para aqui a ensinar… (Não gosta do Hal Hartley?)

  3. Augusto diz:

    Uma manifestação que se queria APARTIDÁRIA a convidar dirigentes partidários, é no minimo contraditória.

    Que os cidadãos que quisessem apoiar o protesto estivessem presentes, fossem eles militantes ou dirigentes partidários , tudo bem…

    Agora a organização convidar dirigentes partidários, mostra que afinal o tão proclamado apartidarismo foi chão que deu uvas…..

    • Renato Teixeira diz:

      O Augusto é cidadão e com a cidadania não se brinca. Nem a diferença entre apartidário e antipartidário o ilumina?

  4. A.Silva diz:

    Que tristeza Renato!
    Tanto contorcionismo, tanto argumento esfarrapado e infantilóide, tanta insinuação, tanta censura…
    Assim se vê quem procura dividir, quem procura impôr aos outros a sua vontade.
    Esta aleivosia iniciada (?) pelo João Torgal e alimentada por ti é uma tristeza.

  5. paradise café diz:

    estou para ver a mudança de 180 graus que irá ser feita por muitos militantes do pcp depois do chefe dizer que vai, quando entalado com a perspectiva de ficar de fora de uma manif que irá ter alguns milhares, creio.
    pedro, poderás sempre fazer esse exercício das datas e das citações com o que, em facebook ou em blogues, os militantes disseram antes e dirão depois do pcp passar a “gostar” da manif.

  6. paulo diz:

    maradona é o maior

  7. POKE diz:

    Exacto Paradise, por exemplo podemos rever a posição do Pedro Penilo no facebook dia 20 de fevereiro: “tenho muito orgulho na minha actividade partidária, que é componente inalienável da minha condição de cidadão com direitos, conquistada pela revolução de Abril. Respeito outras opções. mas não aceito ser diminuído por pertencer a… um partido ou a um sindicato. Se a manifestação de dia 12 não quer ter “conotações partidárias nem sindicais” está no seu direito. Mas não é para mim.”

    Presumo que agora já tenha mudado de opinião ao sabor do grande líder.

    • Pedro Penilo diz:

      Diga lá, caro agente Poke: o que é que mudou nessa minha posição, já que se instalou na minha cabeça?

      • POKE diz:

        Agente??? De quê?
        Na tua posição pelos vistos nada mudou.
        Limito-me então a constatar um não alinhamento de ideias com o Strumpfe-chefe.

    • Pedro Penilo diz:

      Que falta de boa educação, agente Poke…! Obrigado por publicar aqui a minha opinião. Sempre é um servicinho de copy paste que se poupa… É mesmo a minha opinião, nessa data e agora.

      • POKE diz:

        É pena.
        Gostava de te ver mais uma vez ao lado do Jerónimo, dia 12 na Avenida da Liberdade.
        Espero que isso não signifique que vais passar a ser “revisa”.

        Quanto à tua opinião ter sido colocada aqui… foi retirada de um site público de um grupo público do facebook e sem qualquer reserva de publicação. Porque achas que fui “mal-educado”???!!.

        • Pedro Penilo diz:

          Não, agente Poke: eu é que fui mal educado, por não agradecer. Está lá escrito. E agradeci.

          O policiamento do agente Poke não é por publicar aqui a minha opinião. (Embora não fizesse mal ser eu a escolher quando e como a dou, não é agente Poke?). É por – confirmando a opinião do agente Paradise Café sobre mim e o “meu chefe” – decidir o que é que eu vou ou não pensar. E apresentar este texto, não como contradição do que eu disse, mas como contradição do que o agente Poke gostaria que eu dissesse. Totalitarismo em estado bruto.

          • Ricardo Noronha diz:

            Não te vi tão sensível relativamente a outros policiamentos Pedro. Nem é preciso recuares muito. Basta o mês de Novembro.

          • Pedro Penilo diz:

            Olá, Ricardo! Estava aqui a falar com o agente Poke… Como vocês se ajudam uns aos outro…

            Mas eu sou “o stalinista”, caro Ricardo!!! Já não te lembras? Não pode ser pecado em mim. Mas vocês, do Spectrum, são os inabaláveis “pesadores de almas”, os puros democratas e anti-sectaristas. Vocês é que não podem falhar…! Têm de se manter íntegros no vosso respeito pela diversidade de opiniões!

            Claro que estou sensível: anda gente a esgravatar sobre o que penso ou deixo de pensar. Nem preciso de dizer nada: tenho-te a ti, ao agente Poke e ao agente Paradise como porta-vozes. Por exemplo: agora nem preciso de dizer nada, e tu vais dizer o que é que eu penso sobre o mês de Novembro. Diz lá aqui a malta: o que é que o Pedro Penilo pensa do mês de Novembro.

          • pardise café diz:

            pedro, em que é que te policiei? podes ter a verticalidade de voltar a ler o que escrevi e pôr aqui em baixo a citação?
            e sobre agentes, realmente! Quando o teu partido se portou de forma absolutamente pidesca em recentes manifes, não te ouvi falar. Belo tratado de totalitarismo que nos vens dando aqui e ali, sim senhor.

          • Pedro Penilo diz:

            “estou para ver a mudança de 180 graus que irá ser feita por muitos militantes do pcp depois do chefe…”

            Ou simplesmente só: “…chefe…”

            Bem sei que está lá a palavra “muitos”… É um bom truque, mas eu não sou tonto. Por azar, veio o agente Poke pôr as coisas em pratos limpos. O que também é mais bonito, diga-se. E tratou logo de comparar a minha opinião com outra que eu nem soletrei. E insiste (já vamos em Novembro).

          • pardise café diz:

            ora sim senhor “muitos militantes” é falar de ti e tu sabes isso porque és muito esperto, pronto, concluí a densidade do raciocinio. Acredita que não te vejo como tantos outros militantes que mudam de opinião de acordo com o que decide o secretariado, mas já que enfiaste o barrete, talvez devesse repensar esta análise.
            Depois “chefe”, quanto muito podes dizer que é uma provocação, agora um policiamento????? Continuo a achar que tens uma mesma resposta guardada para tudo o que diga independetemente do que diga.
            Sobre a tua sensibilidade para seres confrontado com o que já disseste (coisa que eu nunca fiz aqui) quando escreves num blog público em comparação com a insensibilidade que tens aos comportamentos pidescos do teu partido nas manifes, não dizes nada, repito NADA.

          • Pedro Penilo diz:

            (Não leve a mal, mas ocorreu-me que o Renato censurou dois parágrafos de um comentário do João Valente Aguiar, por este ter usado da mesma classificação que o agente Paradise Café usa na sua última frase, ao referir-se ao João Torgal. Que fique registado que eu não uso dos mesmos critérios…)

            Eu sou militante do PCP e este é o meu post: que outra utilidade teria a sua referência ao que pensariam “muitos militantes do PCP”. Ou está a demarcar-se do que na continuação esclareceu o agente Poke?

            (Um esclarecimento: já que o Ricardo Noronha não adiantou entretanto qual é a minha opinião – poderá ainda vir a fazê-lo… – quero só indicar um dado irrelevante: em Novembro, eu não escrevia em nenhum blogue nem mais, nem menos público. A minha actividade blogosférica é aliás muito comedida até há pouco tempo. O Pivô esteve inactivo dois anos. E estava em Moura a viver e a trabalhar, daí que fosse difícil certas coisas que formam a opinião.

            Eu gostava sinceramente de dar a minha opinião. Mas gosto de dá-la quando alguém está genuinamente interessado em ouvir. O que não me parece ser o caso presente. Sugiro que te dirijas aos “muitos militantes do PCP” em causa, um a um, ou por junto, e lhes exponhas a tua opinião sobre a presumível opinião deles. Eu sobre a opinião dos militantes do PCP tenho uma visão menos pré-formatada.)

          • João Valente Aguiar diz:

            Só falta o Renato vir censurar o comentário do Paradise Café. Como eu disse nos comentários doutro post, quando se trata de chamar pidesco ao PCP o Renato já não censura. Se sou eu a dizer, em relação a adversários políticos do PCP como o João Torgal, então já há motivo para censura. Por aqui se vê que o Renato censurou-me por motivos políticos e não por motivos de um suposto insulto.

            ATENÇÃO, apesar de não concordar com as ideias do Paradise Café não acho, de MANEIRA NENHUMA, que ele deveria ser censurado. Não concordo de maneira nenhuma com as posições dele nem deveria ser censurado.

            Apenas quis mostrar ao Renato que fazer o que ele faz não é nada bonito para quem gosta de puxar dos galões revolucionários e depois andar por aí armado em censor político.

          • Pedro Penilo diz:

            De acordo. Como viste, fiz esse reparo.

  8. LAM diz:

    Isto nem interessa para nada (e está com muita razão o maradona), e ainda bem que é dado relevância a declarações de Jerónimo de Sousa sobre a manif de 12 de Março. Pode ser até que desta maneira, principalmente nas redes sociais e às vezes aqui ou ali nalguns blogues deixando cair umas bocas, alguns militantes ou simpatizantes do PCP deixem de criticar e diminuir o protesto da “geração à rasca”. Vá, tudo junto a remar pró mesmo lado.

  9. iskra diz:

    Olha Pedro o que te digo é que já não há cú para os grandes educadores de bancada.Os grandes educadores veem mais à frente, eles estão sempre muito à frente, tão à frente que as “massas” ficaram lá atrás.Quando confrontados com factos torcem tudo até dar certo! e sempre que podem, destilam o venenozinho contra PCP. Isto é mais um problema de orfandade ou um qualquer complexo de Édipo.O que espero é que haja muita gente nestas manifs, e que corra tudo bem, senão a culpa, está-se mesmo a prever será do PCP!:-)
    E

  10. Pisca diz:

    Lembrei-me agora de uma coisa engraçada.

    Nas corridas de toiros (já sei que não gostam, mas vão levar), quando animal sai e não tem qualidade, procura refugiar-se junto da porta dos curros, foi por ali que saiu e tenta voltar atrás investindo (marrando), aí torna-se falso e imprevisível
    É designado por “Tendencia Natural”, e é sempre sinónimo de mansidão e falta de qualidade

    Já falei dos toiros vamos ao resto

    Sempre que há algo onde o PCP aparece, seja por sua iniciativa ou seja por ser convidado ou ainda por tomar posição sobre actos ou acontecimentos, ou o contrário, por se abster por achar irrelevante os mesmo ou provocatórios

    Aí estão eles, saltam do seu lugar, espalham-se por todo o lado e depois refugiam-se no seu cantinho

    As suas investidas (chamem-lhe o que quiser), são sempre falsas só que neste caso previsiveis

    É a sua TENDENCIA NATURAL

  11. POKE diz:

    Pedro, ninguém te violentou, ninguém te chibou, ninguém mostrou algo que fosse oculto. A citação que eu retirei do facebook está tão acessível ao comum dos mortais como o blog 5 dias ou o spectrum. A vitimização é escusada. O chamar-me agente é de mau-gosto pois peca por ser gratuito. Foste tu que conscientemente (ou não) revelaste o teu sentir nesse forum e de uma forma pública.
    Não sei se vais mudar ou não de ideia sobre a manif de dia 12 (e até há duas, pelo que sei), sei que vi muita gente a bater na manif de dia 12 que depois do schtrumpfe chefe indiciar a comparência ou se calou ou deu a volta de 180 graus que o paradise fala. Basta ver as duas páginas do facebook das manifs de dia 12 e o da manif de dia 19.

    Quanto a Novembro, compreendo os teus pruridos em falar do caso, mas não vale a pena esconderes-te na vontade ou no desinteresse em te ouvirem.

    • Pedro Penilo diz:

      É escusado desconversar. Eu não me queixei da publicação da minha opinião (que sim, é pública). Mas acho totalitário decidir de antemão que alguém mudou de opinião por causa de um “chefe”, adivinhar-lhe a opinião e construir a partir daí análise. O seu objectivo ao publicar o texto que escrevi era confrontar-me com uma (por vocês anunciada) “reviravolta de 180 graus” que, já informei, não aconteceu, nem acontecerá. Mantenho e reitero essa e muitas outras que escrevi no Facebook.

      Eu, quando quero saber a opinião de alguém, pergunto.

  12. Pedro Penilo diz:

    O comentário de “!!!”, das 22h33, de 4 de Março, não foi publicado. O texto refere-se ao Renato Teixeira, que não aceita certas classificações políticas que considera insultuosas. Se o autor quiser alterar essa classificação, reescreva, por favor, o texto.

    Pessoalmente não gosto do insulto e da calúnia. Mas tendo a pensar que eles se viram contra quem os profere. Neste caso, contudo, respeito os critérios da pessoa a quem se dirigem, o meu companheiro de blogue Renato Teixeira.

    • Renato Teixeira diz:

      Acho que fazes bem Pedro. Alinho com pouca facilidade na publicação da calúnia pela calúnia. Com ou sem caracterização política a reboque acho que quando se denúncia um “agente” ou um “pide”, ou um “bufo”, há que se ter o mínimo de prova. É que é mesmo importante que sejamos levados a sério quando a denúncia assenta de facto em pressupostos reais e não se limitam ao insulto político ou à questiúncula pessoal. Não vejo onde é que o debate político ganhe clareza com esse método. Em suma, o insulto deve ser guardado para quem está do outro lado da barricada ou para quem desistiu de ser convencido, e portanto, de querer convencer.

      A propósito de um debate sindical, interessante e actual, sobre o interesse ou não na unificação dos movimentos e das lutas em relação a eixos concretos, passou-se metade do tempo a falar do barulho.

      Desde algum tempo a esta parte para aprovar um comentário ele tem que ter pelo menos uma ideia. É o mínimo que devemos exigir para justificar o tempo que perdemos a ler e a traduzir ideias. É o mínimo que quem não concorda tem que conseguir respeitar.

  13. lingrinhas diz:

    ACEITOU O CONVITE AH AH AH AH AH AH AH AH AH !!!!!!!!!!!!!!

Os comentários estão fechados.