Vencer a crise com criatividade e organização, seguir o exemplo de Fátima Lopes

Não é grande novidade, mas parece-me que a comunicação social anda a gozar connosco quase sempre que emprega a palavra «crise».

Fazendo uma busca das notícias com essa maldita palavra – completamente nova, como todos sabemos – aparece com cada coisa mais estúpida. Há as coisas boas: a crise do petróleo leva Portugal a investir mais nos recursos naturais, a generosidade para combater a crise, o «ir para fora cá dentro» porque a crise não permite grandes viagens para o estrangeiro, a Fátima Lopes combate a crise com glamour, a reciclagem de carros de Carnaval na Figueira da Foz, as várias empresas que tiveram lucros muito maiores que antes desta época de crise; e as más: a crise da subida dos alimentos, casas entregues aos bancos, o desemprego, a suposta necessidade de mais medidas de auteridade. E até o que se passa na Líbia e no Sporting é uma crise.

Enfim, depois desta enorme confusão em que pouco se percebe e se quer dar a perceber, o Público pergunta na sua edição on-line como estamos a conseguir superar a crise? Enfim, além de me questionar qual delas, a da Fátima Lopes ou a da subida dos alimentos, só me apetece responder: não estou e a culpa não é da minha falta de cabeça para novos projectos ou ideias inovadoras, nem porque simplesmente não me consigo organizar. Mas, como diz a Fátima, o verde é a cor da esperança.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

Uma resposta a Vencer a crise com criatividade e organização, seguir o exemplo de Fátima Lopes

  1. LAM diz:

    o verde é a cor da esperança….mas sempre pró ano. Pró ano é que vai ser.

Os comentários estão fechados.