É impressão minha…

… ou a FENPROF quer espetar uma facada nas costas à malta da manif da Avenida da Liberdade, de 12 de Março, marcando uma de professores, exactamente à mesma hora, mas noutro local (Campo Pequeno). Apenas e só para ganhar protagonismo no processo de luta e tirar importância mediática à manif “concorrente”.

Como a jogada táctica tem limites, quero acreditar que não. Que ainda haverá um objectivo consequente de juntar as Manifestações, que partilham muitas preocupações e objectivos comuns.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

63 respostas a É impressão minha…

  1. Maria Santos diz:

    e que tal verificar quem é que marcou o quê primeiro, em vez de aludir a conflitos onde eles não existem?

    • gg diz:

      Claro Maria dos Santos.

      A VERGONHA NÃO TEM LIMITE;

      A MENTIRA É UMA ARMA DE ARREMESSO POTENTE;

      Isto cada vez mais cheira esturro, a forma como uma acção (a da geração à rasca de dia 12) justa porque parte de injustiças gritantes, se transforma numa acção anti-sindical é desconcertante…

  2. Augusto diz:

    A concentração dos PROf no Campo Pequeno está marcada há já um certo tempo, só agora é que o Ricardo teve conhecimento dela….

    Rigor é necessário nas criticas , e neste caso não tem razão.

    E o que me diz do Alberto João Jardim, vir a terreiro apoiar a manifestação da Geração Rasca, há certas companhias que seriam bem dispensáveis…..

  3. Rui F diz:

    A canhota, perdão, a esquerda, com estes protagonistas, NUNCA se vai entender neste país.

    • A.Silva diz:

      Talvez porque para os filhos da puta seja fácil entenderem-se… o que os une é a sacanice.

    • Bolota diz:

      Parente,

      Mas qual canhota a moderna???
      Tás a ver o Mario Nogueira a cometer uma argolada destas??? Hummm , isso são coisa mais do tipo Louçâ.

      Abraços

      Abraços

      • Rui F diz:

        parente

        Mário Nogueira??
        Queres fechar já amnhã a Autoeuropa? mete-o lá dentro.

        A. Silva
        Não merece que eu lhe responda

  4. subcarvalho diz:

    fenprof…cgtp…pcp…é mesmo difícil de perceber a ligação!!

  5. Rui F diz:

    …e além de não se entender nunca conseguirá convencer o povo que é alternativa

    • koshba diz:

      Sim,pq a alternativa são os responsáveis,rigorosos e competentes do PS/PSD/CDS assim como o dias loureiro,os varas,os paulos portas,joão rendeiro-estes é q são os capazes!

      Porque nunca vão presos por mais q ROUBEM,não é?

  6. Rui F diz:

    …quanto muito espalhar umas brasas e já não vão mal.
    Provavelmente “ganhar” uma revoluçãozinha de trazer por casa, em jeito de sol de pouca dura, para aí de 100 em 100 anos.

  7. Filipa diz:

    Para sua informação, o que pode afirmar é exactamente o contrário.. A FENPROF no dia 10 de Fevereiro faz uma conferência de imprensa a convocar esta Encontro Nacional de Professores para o dia 12 de Março no Campo Pequeno.
    Só depois disto é que surge a Manifestação Geração à rasca.. É melhor informar-se antes de dizer inverdades.. Se houve alguém que espetou facada nas costas, o que eu não acredito, foi o Movimento Geração á Rasca e não a FENPROF…

  8. JA diz:

    Mas quais facadas. Tudo para a rua e por todos os motivos! É preciso que as pessoas se encontrem e falem e discutam e partilhem e… o que for. E não conheço sítio melhor do que a rua para o fazer.

  9. Bruno Carvalho diz:

    Claro, há presunção de inocência para todos, menos para o movimento sindical…

  10. Fernando Pereira diz:

    É isso… como já há muita gente a dizer. A ignorância está para este blog como a Madeira está para o Offshore. Isto cruza a parvoíce com piada com a burrice sem qualificação. Este post pertence à segunda classificação.

  11. curiosamente, a manifestação e o encontro de professores convocado pela FENPROF está agendado há muito mais tempo. confesso que cheguei mesmo a pensar se não teriam os organizadores da “geração à rasca” tentado marcar para o mesmo dia para ver se ainda arranjavam boleia nos autocarros pagos pelo movimento sindical.

    não menos curioso é o facto de a comunicação social ter ignorado olimpicamente a convocação da manifestação/concentração de professores, da manifestação convocada pela CGTP para 19 de março e da manifestação da interjovem para 1 de abril e ter dado eco desta da “geração à rasca” como se de uma revolução se tratasse.

    já mais penoso é ver por esta blogosfera afora a malta de esquerda tocar a melodia dos grandes órgãos da comunicação social, ignorando que a cultura política que difundem é a doutrina dominante.

    • flash gordon diz:

      se este miguel tiago é o deputado do pc muita coisa fica explicada. e que tal menos ranço sectário e mais diálogo democrático? menos política da suspeita e mais política unitária?

  12. Toninho diz:

    Nove comentários depois o autor do post mantém-se em silêncio?

  13. A.Silva diz:

    É impressão minha ou este João Torgal não é lá muito honesto?

  14. Pedro Penilo diz:

    Confirmo o que aqui é dito. A suspeição é infundada. (E desnecessária também…).

    Estranho é que se critique a CGTP por querer ser “dona” das suas manifestações, mas ninguém diga nada por haver donos do tempo, das datas e – novidade – donos da nossa decisão de participar ou não em manifestações…

    Estou à espera de ler discursos inflamados contra a “obrigação de participar em manifestações” – uma novidade dos que andam com a democracia e o anti-totalitarismo na boca.

  15. Alfredo Campos diz:

    Caro João,

    De facto a jogada táctica tem limites, mas neste caso, sem teres verificado quem convocou primeiro, a jogada táctica para ser mais a tua…
    Sugiro uma rectificação a isto, que não ficaria nada mal. É que isto de alinhar na diabolização do movimento sindical, arrastando o PCP implicita ou explicitamente, como um comentador também faz com a gracinha “fenprof…cgtp…pcp…é mesmo difícil de perceber a ligação”, é um bocado dispensável.

    Alfredo Campos

  16. Se ao menos tivessem a decência de se juntar (cada um com os seus objectivos se bem que existem objectivos em comuns, pelo menos no que aos professores mais jovens) a manifestação de descontentamento era mais profícua.

  17. João Torgal diz:

    JA, para que haja essa partilha é preciso que as pessoas se encontrem… no mesmo local. Entre o Campo Pequeno e a Avenidade da Liberdade, só se houver bom-senso de juntar os dois processos.

  18. Ho Chi Mihn diz:

    João: se não tens nada pra dizer, não inventes! Calado, és um poeta.

  19. Stasi diz:

    Não percebo a admiração, este tipo de actuações há muito tempo que fazem parte do manual.

  20. João Valente Aguiar diz:

    João Torgal,

    Devias era:
    1)reconhecer que meteste a pata na poça pois a iniciativa da Fenprof foi marcada mto antes da manif de dia 12 de Março;
    2)retirar o post.

    Não fazendo isto, tal facto só mostrará que fizeste esta manobra por puro “meter nojo” ou para tentar denegrir o movimento sindical, mais ainda num momento em que o governo se prepara para o ataque mais tenebroso aos professores. Face a (mais) um post descabido e altamente faccioso, é caso para perguntar, de que lado estás da barricada?

  21. Joao A. diz:

    Aqui na minha santa terrinha, Portimão, o entusiasmo na mobilização para a manifestação
    da “geração à rasca” é visível nas hostes do PSD/CDS.

  22. JMJ diz:

    Mania das perseguições, sr. Torgal?

    Ou é mesmo só embirração com os sindicatos, assim no geral?

    Percebo que isto de sindicatos não seja tão cool como as “redes sociais” do Facebook, twitter tumbLr, e afins, mas um bocadinho de respeito por quem faz a luta todos os dias era o minimo que se podia exigir a quem se diz de “esquerda” (ou se calhar engano-me e o senhor é mesmo de direita).

  23. Pisca diz:

    Este rapaz tem uma habilidade natural para se espetar contra a parede

    Como se usa dizer em certos sitios é a chamada

    “Crença natural”

  24. Pedro Penilo diz:

    Confirmo o que aqui é dito. A suspeição é infundada. (E desnecessária também…).

    Estranho é que se critique a CGTP por querer ser “dona” das suas manifestações, mas ninguém diga nada por haver donos do tempo, das datas e – novidade – donos da nossa decisão de participar ou não em manifestações…

    Estou à espera de ler discursos inflamados contra a “obrigação de participar em manifestações” – uma novidade dos que andam com a democracia e o anti-totalitarismo na boca.

  25. A.Silva diz:

    É impressão minha ou… o João Torgal não merece muita confiança?? (2ª tentativa, a ver se o comentário sai).

  26. A.Silva diz:

    Afinal tinha saido , mea culpa.

  27. JP diz:

    Este é um post à 31 da Armada.

    É pena é a realidade não dar razão aos nossos delírios….

    É tramado.

  28. cuba.si diz:

    a este post chama-se desonestidade pura e simples……
    deplorável e mentiroso

  29. Hakeem diz:

    Por favor não misturem as manifs. Uma é de uma classe profissional. A outra é de uma classe de cidadãos. Não misturem até porque os objectivos são muito diferentes.

  30. Pingback: Do sectarismo, da inteligência e da vontade sindical – Tenho a impressão que a maioria dos professores vai acabar por ir ter à Avenida da Liberdade | cinco dias

  31. Pintas diz:

    O autor da posta é mesmo rasteirinho, depois de ter sido desmentido amplamente na caixa de comentários manter a posta sem no minímo a corrigir demonstra que se tratou de acto premeditado. Pior ainda é o facto de este ser um blog colectivo e não individual, pelo que em último caso pode ser o “5 dias” que fique mal se a posta for replicada na net.

    Shame on you.

  32. João Torgal diz:

    1. Continuo sem estar esclarecido sobre a questão de qual das manifs foi apresentada 1º. Sou sócio do SPGL (ainda, julgo) e só ontem fui informado da manifestação de professores, através de um mail. Enquanto isso, já soube da manif da “Geraçao à Rasca” há cerca de um mês.

    2. Independentemente de qual tenha sido 1º, não tirarei o texto do blog. Por um lado, porque ainda não está claro o que se passou, Por outro, porque o último parágrafo abre caminho a que haja um objectivo de convergência. Finalmente, porque abrir caminho para uma discussão sobre junção de lutas com objectivos comuns parece-me interessante.

    • João Valente Aguiar diz:

      Olha Torgal, essa de não estares esclarecido sobre quem marcou primeiro a data da manif é um bocado má-fé política. Quando escreves este post ainda vá que não vá. Um ingénuo ainda te pode dar o benefício da dúvida. Agora que já ficou demonstrado que a iniciativa da Fenprof foi marcada primeiro não me parece nada bonita essa tua atitude. E, aliás, para que é que interessa quem marcou primeiro? Achas que a direcção da Fenprof quando pensou no dia 12 de Março estava preocupada com algo que na altura não passava de um zunzun no facebook e com, nessa altura, meia dúzia de pessoas? E desde quando é que haveria aproveitamento político da Fenprof em relação à manif do “À Rasca”? Olha, o PCP, que levanta mto mais pruridos foi convidado a participar na manif, sabes lá tu se o mesmo não sucedeu à Fenprof?

      Tb importa referir que não é nada bonito esse teu toquezinho do “ainda julgo” ser sócio do SPGL. Ninguém deixa de ser associado do sindicato a não ser por vontade própria. Os sindicatos não são partidos onde a luta política pode levar à exclusão de um membro (não interessa se bem ou mal). Num sindicato existem afiliados com variadas posições políticas e não é por isso que não recebem as informações do sindicato. Eu tinha aí há uns anos um prof vizinho do CDS e que era afiliado na Fenprof (SPN) e que nem por isso deixava de ser convocado para plenários, etc. E ele estava na Fenprof porque achava, e bem, que os sindicatos estavam lá para defender o salário, o emprego e as condições de trabalho dele. Portanto, tb não se percebe essa insinuação de tu fazeres de conta que não sabes se és ou não és afiliado. Pareces o Cavaco quando dizia que não sabia da escritura da casa dele no algarve.

      O Renato Teixeira pode vir aí defender-te e dizer que tu apelas à unidade mas isso é tanga. Tem de haver coerência nos textos. Não podes começar no texto por atacar a Fenprof a torto e a direito, dizendo que, e passo a citar, estavam a dar uma «facada nas costas à malta da manif» de dia 12 e, no final, vires apelar a uma luta conjunta (que, bem articulada e bem pensada, deve existir). Isso sim é mto mais grave politicamente do que eu te chamar de infiltrado no movimento. A verborreia que eu, o A, o B, o C ou quem quer que seja é muitíssimo menos relevante do que o jogo político de insinuar aproveitamento político da Fenprof e depois vir com a conversa mansinha, no fim, de que esses da Fenprof é que se querem aproveitar e não querem a unidade. Desculpa lá, mas estás a actuar como se fosses um infiltrado no movimento quando fazes textos desta natureza, tentando acima de tudo dizer mentiras sobre a actuação da Fenprof e que, isso sim, é que prejudica a unidade. Ora, e o que prejudica a unidade só favorece o grande capital. Podem fazer a ginástica que quiserem mas isso é, consciente ou inconscientemente, fazer o jogo do outro lado quando se está mto mais preocupado com a Fenprof (e em inventar pretensos aproveitamentos políticos do sindicato) do que propriamente em mobilizar colegas (no teu caso professores) para a iniciativa da Fenprof, bem como para a manif do “À Rasca”.

      Olha e se só soubeste da manif ontem, isso mostra o quanto tu estás interessado no teu sindicato e na luta dos trabalhadores. Familiar meu recebeu mail do SPN (afiliado na Fenprof ) a 15 de Fevereiro. E depois, o sindicato é o que os afiliados fazem dele e quem não participa nos plenários, reuniões, etc. não pode depois vir acusar o sindicato quando esse alguém só liga ao sindicato para dizer mal na praça pública. E na tua escola não havia cartazes para a iniciativa de dia 12 de Março da Fenprof? Acho isso estranho, mas se isso acontecer é porque o delegado sindical anda a dormir, não que isso seja orientação da Fenprof. O que é algo bem distinto. E, no caso de o delegado sindical andar a dormir, vai à sede do sindicato, colabora com o mesmo, oferece-te para levar a luta a mais escolas. Isso sim é que seria interessantíssimo e algo que aplaudiria. Mas não me parece que seja o caso, o que é pena.

      • Renato Teixeira diz:

        “mobilizar colegas (no teu caso professores) para a iniciativa da Fenprof, bem como para a manif do “À Rasca”.”

        Isto sim é caminhar.

  33. João Torgal diz:

    Para que fique claro, não disse que ainda julgava pertencer ao SPGL na forma de qualquer acusação (há gente que vê pseudo-teorias da conspiração em tudo). Mas porque praticamente fugi do ensino este ano (deste sistema miserável, que teve todo o aval da FENPROF, com os dois “fabulosos” acordos que assinou com o Governo e que deixaram tudo igual ou pior) , pelo que, embora não me tenha desfiliado do Sindicato, não tenho certeza se o meu nome ainda permanece nos registos.

    Quanto à postura dos Sindicatos, vê-se o pouco ou nenhum apoio que a sua direcção tem dado a certas iniciativas de PESSOAS DO SINDICATO, como no início do ano lectivo ou na solidariedade com os colegas de EVT. Como tal, quem é que não quer colaborar com quem?

    Finalmente, se a luta for mesmo conjunta, fica o meu aplauso. Já chega de tiros nos pés.

    Dia 12 de Março, lá estarei. Na manifestação da Avenida da Liberdade, naturalmente

    • João Valente Aguiar diz:

      Aqui fica o mail que familiar meu tem do apelo enviado pela Fenprof para os professores participarem no protesto dos professores de EVT. Sejamos honestos pá!

      FENPROF apoia protesto dos professores de EVT
      A FENPROF rejeita as alterações curriculares impostas pelo ME através do DL 18/2011, pois não resultam de qualquer avaliação feita a esse propósito, contrariam pareceres e posições tornadas públicas (do CNE, da FENPROF, dos pais, das escolas…) e pretendem, apenas, eliminar horários de trabalho e extinguir milhares de postos de trabalho.
      Razão por que a FENPROF se associa ao protesto no dia 8 (terça-feira) promovido pela respectiva associação (APEVT).

      INSCRIÇÕES até 2ª feira às 17h
      Por mail: braga@nullspn.pt deve indicar o nome completo, nº de sócio (se for o caso) e contacto de telemóvel.
      Por telefone: 916327626 / 916893735 / 919264353
      Locais de Saída: BRAGA (junto às piscinas) às 8h / GUIMARÃES (junto ao Hospital) às 8h15

      • Renato Teixeira diz:

        Ninguém acusou a FENPROF de não oferecer autocarros mas a ausência das suas principais figuras fez-se notar. Esperamos mais mais dos sindicatos do que um mero fornecedor de transporte, certo?

        • João Valente Aguiar diz:

          Mobilizar os professores, ir às escolas falar com eles, ter um discurso altamente positivo de tentar chamar a atenção do que o governo quer fazer à EVT é um teste para as restantes áreas e que tb é um problema de TODOS os professores, isso é o quê?

          E se o Mário Nogueira já adivinho o que dirias. Dirias o mesmo que o Torgal que ele estaria ali a aproveitar-se. Preso por ter cão, preso por não ter…

          • João Valente Aguiar diz:

            Erro meu na primeira frase do último parágrafo. Deve ler-se “E se o Mário Nogueira tivesse ido à manif dos profs de EVT…”

  34. koshba diz:

    Foda-se!Tanto paleio do caralho.A Teoria já está inventada pelo velho judeu das barbas.Por favor,tratem-na de levar à prática e,o caminho faz-se caminhando!

  35. António Manuel diz:

    Nunca pensei ver o país nesta situação.
    Sempre votei (com alegria, até) e desde há 1 ou 2 anos desanimei desse acto.
    Previa que um dia iríamos pagar o despesismo que estávamos fazendo, pois não produzíamos para tal e esse dia chegou.
    Entretanto não soubemos (nem quisemos) aproveitar as oportunidades e o dinheiro que estava à disposição, vindo da E.U. Uma coisa que penso ter falhado, foi a educação. Se antes do 25 de Abril esta não era famosa – mas servia mais ou menos para as circunstâncias. Depois da revolução abandalhou-se, sendo a culpa de todos: governos, professores, alunos (que na sua grande parte queriam-querem tudo sem estudar), etc.
    E foco a educação pois pela Educação se vê um país.
    Quanto às Manifs; a da juventude, se fôr sincera e sem “chefes” servirá como alerta. (Tenho um filho a recibos verdes que acho que ainda paga para trabalhar).
    A dos profs é lá com eles. Só gostava é que ensinassem com mais dedicação (ganham bem para isso e mesmo). E na primária nem era muito difícil. Mas paciência são os professores que temos.

  36. Jorge Paulo diz:

    … é impressão minha ou este Mário Nogueira não trabalha muito?!
    Para quem defende a classe não trabalhadora chamada ‘ Professor’ estou sempre a vê-lo na tv.
    Na realidade penso que os não trabalhadores têm pouca ou nada de que se queixar!!!!
    Quem na realidade têm quase 3 meses por ano de férias? Quem é que tem dias livres da semana, ou seja, muitos tem 3 folgas semanais a juntar a 3 meses de férias?
    Quem é que chegava ao topo da carreira sem ter que trabalhar para tal bastando para isso trabalhar 7 meses por ano??
    Bem… este senhor ou muito me engano ou devia era tar caladinho e ter vergonha, pois as pessoas com quem eu falo pensam exactamente o mesmo.
    Esta classe de não trabalhadores tem o problema da colocação porque todos os anos saem profs a não necessários das universidades ( e aqui para nós; a gente sabe como é que se tira um curso hoje em dia); haja alguem com coragem para acabar com 80% dos cursos!! isso é esse senhor deveria defender!!

    Cumprimentos a todos

Os comentários estão fechados.