A morte do cisne

A versão mais emocionante que já vi de A morte do cisne é esta, coreografada e interpretada por um rapaz de 20 anos, brasileiro de São Paulo, chamado John Lennon da Silva. Ora vejam:

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a A morte do cisne

  1. V. KALIMATANOS diz:

    Gostei bastante, especialmente por vir dum artista completo e sem recursos. O que prova que a maioria dos neo-diaghilevianos e bejartianos que andam por este mundo fora encostados aos subsídios dos governos “socialistas” e capitalistas não passam de máfias bailarinas encostadas ao bordão da cultura para agradarem e deliciarem apenas uns quantos por cento do pagode.

    • Tânia Vânia diz:

      Xiii… Kalamitanos que prosápia. Fiquei esmagada com a parte do “neo-diaghlevianos que andam por este mundo”. Que eu saiba, no meu mundo, não anda gente dessa e se andar só espero que não seja contagiosa porque não estou a ver a minha médica de família com conhecimentos para aniquilar tal coisa. Ainda assim nota-se que o camarada (pareceu-me reconhecer-lhe no tom um leve sotaque do leste) anda triste com a cultura reinante e pretende acabar com ela com uns graffitis.

  2. Pedro Penilo diz:

    É muito bonito, sim. É pena tudo o que vem a seguir… Que pode aquela malta fazer por ele?

  3. António Paço diz:

    Isso não sei. Mas ele, John Lennon da Silva, já fez muito por si mesmo (vê-se) e pode fazer muito mais.

  4. josé diogo diz:

    Que grande momento da arte de bem dancar… Bravo, mil vezes bravo!

  5. Espantoso, não conhecia…
    🙂

  6. Tânia Vânia diz:

    Gosto mais do outro Silva, o Aníbal Cavaco.

    • João Alberto Silva Leite diz:

      O seu comentário é de muito mau gosto.
      Primeiro, porque não soube enaltecer as qualidades demonstradas pelo jovem John Lennon da Silva. Será que não tem sensibilidade para as reconhecer?
      Segundo, porque veio sujar o ambiente artístico com a mal-cheirosa política. Havia necessidade?
      Se gosta mais do outro Silva, é bom que desaparecça de vez destas paragens.

Os comentários estão fechados.