Suez emancipado e a prisão de Gaza a caminho do fim

O novo Egipto anunciou a abertura parcial da fronteira de Rafah e deu luz verde à passagem de barcos iranianos pelo canal do Suez. Estas duas notícias não são de somenos importância. O fim do regime de Mubarak, para além de ser profundamente emancipador para o povo egípcio, devolveu a esperança na Palestina e quem quer que venha a liderar o Egipto terá muita dificuldade em manter fechadas as portas de Gaza. O fim do cerco é uma imensa vitória da resistência do povo palestiniano, das centenas de activistas que há anos lutam para acabar com o muro da vergonha, dos mártires da Flotilha da Liberdade e de todos os jornalistas assassinados pelas IDF por trazerem do Gueto mais do que a conveniente verdade israelita. Em suma, é uma vitória da humanidade.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

3 respostas a Suez emancipado e a prisão de Gaza a caminho do fim

  1. diz:

    Realmente, o fim do cerco é uma imensa vitória da “resistência” do povo palestiniano, e uma enorme vitória para os radicais islamitas do Hamas para quem apenas a vitória total sobre os judeus interessa, mesmo que isso implique usar a sua população civil “resistente” como escudos humanos e atacar propositadamente a população civil israelita.

    Também é uma vitória para os que procuram acabar com um muro que provavelmente já salvou centenas de vidas israelitas dos ataques bombistas palestinianos.

    É certamente uma vitória para os “mártires”, ou melhor, os shahada da “Flotilha da Liberdade”, a tal que foi acarinhada pelo PM islamita turco Erdogan e encabeçada pelos fanáticos islamitas do IHH, muitos dos quais queriam, precisamente, morrer como “mártires pela causa”.

    E é certamente a vitória do Irão e do seu regime radical islâmico, que por motivos ideológicos interveio numa guerra que não lhe diz respeito e ataca, de forma indirecta, um Estado que nunca o hostilizou.

    O fim do cerco a Gaza é, realmente, uma vitória da humanidade. Só não sei de que tipo de humanidade é que estamos a falar.

Os comentários estão fechados.