Só duas linhas dirigidas aos biltres e energúmenos animalizados que querem comparar Kadhafi a Hugo Chavez, apenas porque corre agora o boato de que Kadhafi foi para a Venezuela:

1. Que se foda para onde vai Kadhafi – podia até vir para Portugal se José Sócrates não fosse cobarde (uma vez que as relações políticas e diplomáticas entre ambos eram muitíssimo boas, tal como, já muitas vezes repetido, Ben Ali e Mubarak, até há pouco tempo, eram membros, como Sócrates e Guterres, da coisa chamada Internacional Socialista).

2. Chavez ganhou da forma mais cristalina mais de uma dezena de eleições (e eu que não valorizo desmedidamente os processos ritualizados chamados “eleições”, aqui acho que é de sublinhar este facto).

3 (para acabar, pois o assunto não merece mais comentários). Além de popular e vitorioso consecutivamente, Chavez já foi vítima de golpes de estado norte-americanos, como se sabe, e foi reposto no seu legítimo lugar por movimentos populares tão ou mais intensos quanto estes que agora derrubaram Ali, Mubarak e, creio que não passará de hoje, Kadhafi.

Portanto, energúmenos costumeiros – o destino e a trajectória de Chavez e o seu lugar e apoio no seio da população da Venezuela é exactamente o oposto do coronel Kadhafi: Chavez é mais do que necessário para os venezuelanos (os EUA que o digam, pois fracassaram há uns anos na sua estúpida golpada!), ele é pretendido pela população da Venezuela; contrariamente, Kadhafi, Ali ou Mubarak eram abominados.

Ou melhor, eram apenas amigos e aliados dos dirigentes da Internacional Socialista, os únicos cúmplices do atroz sofrimento das populações líbia, tunisina e egípcia. Mirem a Internacional Socialista (esse baluarte do chamado “socialismo democrático” de Soares, Guterres e Vitorino, insignificante personagem esta, mas que suponho andar agora a viajar pelo norte de África, claro nunca referindo que pertence a essa coisa que é a Internacional Socialista de Ben Ali). Deixem Chavez em paz – peçam contas ao Ayala, o “socialista”!!!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

53 respostas a Só duas linhas dirigidas aos biltres e energúmenos animalizados que querem comparar Kadhafi a Hugo Chavez, apenas porque corre agora o boato de que Kadhafi foi para a Venezuela:

  1. vitalino diz:

    Sim Vidal, tens razão. Leva lá a bolinha para casa.

    • Carlos Vidal diz:

      vitalino ou Vitorino??

      Creio que é mesmo vitalino (sem ser “canas”), pois o outro, o Vitorino, ou a Dona Constança, anda muito ocupado a “ensinar” a democracia a quem a pratica, hoje, a toda a hora, arriscando a própria vida, perdendo-a mesmo, uma coisa que o tal Vitorino nem sonha o que seja. Este, o Vitorino, apenas conhece o passeio em frente do Altis: “habituem-se”.

  2. maria monteiro diz:

    partilhei no FB

  3. Evidentemente que não se pode comparar as personagens.

  4. legitima-se pelo seu declínio, em virtude de a sua indigência se instalar como raison d’être, ao mesmo tempo, através da sua ocupação, ele é subsumido num fim, de facto, num fim afirmativo, dócil a um topos burguês, que remonta pelo menos a Saint-Simon.

  5. Bolota diz:

    Comparar Kadhafi a Chavez, é comparar cagalhões com marmelos. Tivesse Chavez metade das benesses por parte dos USA e por certo a Venezuela faria parte das economias emergentes…mas não convem.

    • Carlos Vidal diz:

      Não teve e felizmente não tem Chavez mas teve Andres Perez, o amigo de Soares que a história não vai perdoar – nem a um nem a outro.

  6. Miguel Lopes diz:

    Mais uma tentativa nesta guerra mediática de atirar lama para cima do governo venezuelano. Nicolás Maduro já veio desmentir a patranha.

  7. xatoo diz:

    ouvido na Al-Jazeera sobre a Libia: “os revoltosos andam a incendiar os edificios do Comité do Povo” – ora isto é diferente da luta contra uma ditadura
    – e eu lembro-me, aquando da visita a Lisboa para a Cimeira Europa-África da página de jornal comprada para publicar o ponto de vista da Revolução Verde por Muammar al-Gaddafi (esta é que é a grafia correcta, a corruptela Khadafi é importada do dialecto anglo-sax imperialista que os “esquerdistas” tanto abominam mas que absorvem como loção kevin klein por todos os poros) – portanto, em relação às novas revoluções coloridas encomendadas para o norte de África anda aqui muita gente enganada, enquanto na parte oculta tudo se vai jogando na especulação da Bolsa, como sempre, com os preços das mercadorias básicas a serem inflacionados propositadamente em nome e “por causa da democracia no Magrebe”

    • AA diz:

      Meu deus, o MRPP cagou mais de 5 linhas sem ter culpado os judeus de nada. Aliás, a boca da especulação da Bolsa é para os judeus? Ou será que os judeus deitaram abaixo o governo no egito para fazerem mais uma fronteira com árabes hostis?!

    • José diz:

      “Colonel Muammar Qaddafi” – http://www.libyanembassy.ca/pages/index.htm#
      “Col/ Muammar Elkaddafi,” – http://www.libyanbureaudc.org/history.html
      “Muammar al-Gathafi” – http://www.algathafi.org
      معمر القذافي” Muʿammar al-Qaḏḏāfī” – http://pt.wikipedia.org/wiki/Muammar_al-Gaddafi#Ortografia
      Como se vê acima, a grafia do líder da (Al-Jamāhīriyyah al-Arabiyyah al-Lībiyyah ash-Shabiyyah al-Ishtirākiyyah al-Uthmā) Grande República Socialista Popular Árabe da Líbia, não é assim tão líquida quanto o Xatoo quer dizer, nem parece que a grafia com K seja resultado de uma conspiração sionista/americana.
      A terceira versão, já agora, é do site do próprio. Presumamos que saberá escrever o seu próprio nome.
      O Xatoo, na sua longa cruzada pelos mares da ignorância, não se fica por esta lição de como bem escrever nomes árabes. Acabou por dar um novo nome ao pobre do fabricante de cuecas e perfumista de apelido Klein. Os srs. Klein achavam que o seu filho se deveria conhecido como Calvin, mas o Xatoo entendeu crismá-lo de Kevin. Provavelmente porque este senhor é judeu…
      Por outro lado, é bem fácil de ver que, para o Xatoo, há revoluções populares e as outras. as que lutam contra um regime que se auto-intitula de Grande República Socialista Popular Árabe da Líbia. Aqui não se pode tocar!

      Por lapso, o comentário anterior foi remetido antes de finalizado.

  8. faff diz:

    Muito bem Vidal, não há pachorra para tanta desconversa, tanta treta pretensiosamente iluminada.

  9. Stasi diz:

    Eu não comparo nada, só gostava de saber se o paranóico do Chavez deu uma palavrinha de conforto ao seu amigo Kadafi.

    • Carlos Vidal diz:

      Paranóico, hã?

      Por ter experimentado um golpe americano fracassado?

      E, Stasi, os seus amigos americanos, como é que o Stasi os chama?

      • Jose diz:

        Golpe fracassado? Refere-se ao que Chave tentou dar, antes de apanhar o autocarro da democracia “burguesa”? Aquele de que se diz que quando chegas ao teu destino, sais? Bem, Chavez já chegou ao seu destino ( líder vitalício) e já se está a apear há uns tempos.

  10. Carlos Fernandes diz:

    Não tenho grande opinião sobre ditadores, sejam eles f. da p. de esquerda ou direita, numa coisa todos se irmanam (no roubo e na corrupção, com grandes contas na Suiça)não esquecendo que se Chavez tem o apoio popular então Hitler também foi eleito pela maioria do povo em 1933.

    Portanto o apoio popular não é argumento para se apoiar o ditador y em vez do X, até por que nesta era, como por ex. explicou o genial Tchakotine, dos mass.media (resta ver é aqui o papel activo – e participante e operacional – dos jornalistas, em especial dos correspondentes estrangeiros, nestes recentes eventos), em se dominando a maioria dos mass.media nacionais, como o fez e faz Chavez, controla-se o povo e a opinião pública.

    Interessa-me mais nisto tudo é perceber o que Portugal vai perder com estes eventos, já que houve recentemente grandes investimentos na Líbia e na Tunísia, entre outros.

    • AA diz:

      Que comentário mais fascista. Não publiquem este tipo de merda, é intolerável. Entretanto vou investir na Coreia do Norte, pois sou um gajo com muito papel e o Estado em que nasci deve estar contra uma revolução nesse país porque isso prejudicaria o meu capital. Essa é boa, ó f. da p.

    • Miguel Lopes diz:

      “e se Chavez tem o apoio popular então Hitler também foi eleito pela maioria do povo em 1933.”

      Foi eleito mas não reeleito, ao contrário de Chávez que já foi reeleito várias vezes.

      “Portanto o apoio popular não é argumento para se apoiar o ditador”

      Defina ditador primeiro, para podermos entabular uma discussão que não seja sobre vacuidades…

      “em se dominando a maioria dos mass.media nacionais, como o fez e faz Chavez”

      O que é mentira.

      “Interessa-me mais nisto tudo é perceber o que Portugal vai perder com estes eventos, já que houve recentemente grandes investimentos na Líbia e na Tunísia, entre outros.”

      Claro, perante a possibilidade de libertação de um povo, convém não perder atenção sobre o que é realmente importante.

    • Carlos Vidal diz:

      Chavez não se limita a ter apoio popular. Não se trata de uma pessoa. Ou melhor, não se trata só de uma pessoa, do seu estilo.
      Chavez protagoniza uma política que é exigida pelas massas populares do seu país.
      Aqui chegados, não há muito a discutir.
      Com Chavez ou sem Chavez, aquelas políticas e os resultados alcançados (escolaridade, saúde, programas de luta contra a pobreza num país rico) implantaram-se na Venezuela.
      Não é o pessoal da Internacional Socialista, nem os herdeiros de Miami do sr. Andres Perez, amigo de Soares e Gonzalez e também membro da ISocialista, que dizem quem é ou não é Chavez.
      Digo outra vez: telefone ao Ayala, C. Fernandes – é gente que sabe o que semeia e semeou.

      • Jose diz:

        O Carlos Vidal parece ter ligação directa às “massas”. Da maneira que fala do que as “massas” querem, nota-se que tem poderes telepáticos.
        Já agora, aqueles estudantes em greve de fome, são das “massas”? Ou são das “massas” as milícias e comités pagos pelos petrodólares do camarada Chavez, o “socialista do séx XXI”?

    • Bruno Carvalho diz:

      Sim, Hitler foi eleito mas depois expulsou os deputados comunistas para ter a maioria absoluta. Sempre a mesma treta de conversa para tentar legitimar os fascistas e deslegitimar – quando interessa – os social-democratas anti-imperialistas. Seja como for, Hugo Chávez sempre respeitou os resultados eleitorais e não pode, sob forma alguma, ser comparado com Hitler. E é mentira que o governo venezuelano controle a maioria dos media. Seria bom que fosse verdade porque assim rompia-se com os aparelhos de propaganda dos golpistas venezuelanos, esses sim muito parecidos com Hitler.

  11. AA diz:

    Vidal: no entanto, se Chávez albergar al-Gaddafi (obrigado Xatoo!) a coisa muda de figura. Se Portugal tivesse recebido Pinochet de braços abertos, estarias contra, certo?

    • Carlos Vidal diz:

      AA,
      O que eu digo é que deve ser Portugal a albergar Kadhafi, o que não irá suceder por causa da cobardia de Sócrates e, já agora, de JP Sá Couto.

  12. resumo diz:

    O sr. carlos fernandes é de uma brilhante inteligência arrebatadora e arruma tudo de uma só estopada.Conversa de boy, concertezamente bem instalado na manjedora dos jobs para os rapaces…

  13. Vou-me abster, nunca estive na Venezuela para ver com os meus próprios olhos, não conheço lá ninguém em quem tenha confiança, e tenho receio de que o que quer que eu possa pensar sejam «verdades/mentiras parciais» filtradas por este ou akele e vindas daqui ou d’ali…
    🙁

  14. Leo diz:

    Reparem como está em curso a fabricação duma nova intervenção “humanitária”. O que querem? Para começar que a NATO (por intermédio da NATO) imponha uma no fly-zone na Líbia. Eis parte do road map da CNN:

    Across the Middle East and North Africa, CNN’s reporters and iReporters are covering protests
    Developments on unrest in the Middle East and North Africa:

    LIBYA 11:45 p.m. ET, 6:45 a.m. local: U.N. Secretary-General Ban Ki-moon has called on Libya to immediately stop the “unacceptable” attacks on anti-government demonstrators. “Like you and many others around the world, I have seen very disturbing and shocking scenes, where Libyan authorities have been firing at demonstrators from warplanes and helicopters,” Ban said from Los Angeles. “This is unacceptable. This must stop immediately. This is a serious violation of international humanitarian law.”

    LIBYA, 11:22 p.m. ET, 6:22 a.m. local: At the request of Libya’s deputy ambassador to the United Nations – who earlier today called the crackdown in Libya a “genocide” – the U.N. Security Council scheduled a Tuesday morning meeting on Libya. This will be the first time the council has held consultations over any of the revolts that have swept Arab nations since January.

    LIBYA, 11:09 p.m. ET, 6:09 a.m. local: A Libyan woman, speaking on condition of anonymity to CNN’s Anderson Cooper, recounts a massacre near her home in Tripoli:

    LIBYA, 7:40 p.m. ET, 2:40 a.m. local: About 15,000 of Libya’s 2 million to 3 million Egyptians returned Monday across the border, border officials said. The Egyptian military has set up refugee camps near its border with Libya and set up two mobile hospitals at the Salloum border crossing to assist Egyptians fleeing the protests in Libya, Egypt’s state-run news website EgyNews reported late Monday.

    LIBYA, 7:33 p.m. ET, 2:33 a.m. local: Here is more on Libyan leader Moammar Gadhafi’s 40-second appearance – in which he said he still was in Libya – on state-run TV Tuesday morning:
    “I want to have some rest,” the embattled Libyan leader told a reporter in front of what Libyan television said was his house as he pulled out an umbrella in the rain. “Because I was talking to the young man at Green Square, and I want to stay the night with them but then it started raining. I want to show them that I am in Tripoli, not in Venezuela. Don’t believe those dogs in the media.” Green Square is where pro-government demonstrators in Tripoli have been located.

    LIBYA, 6:49 p.m. ET, 1:49 a.m. local: Libyan leader Moammar Gadhafi said Tuesday morning on state-run television that he is not in Venezuela as rumored, but in Tripoli.

    LIBYA, 6:46 p.m. ET, 1:46 a.m. local: CNN’s Cairo bureau chief Ben Wedeman has entered eastern Libya and is the first western television reporter to enter and report from inside Libya during the current crisis. He says much of eastern Libya appears to be in opposition control. “What we saw as we were driving in is that this part of eastern Libya is clearly under the controls of the rebels – the forces that are opposed to Col. Gadhafi,” Wedeman by phone on CNN’s “The Situation Room.” “We saw along the road a lot of groups of men with shotguns – with machine guns – in civilian clothing. They call themselves basically the popular committees that are trying to maintain some sort of order along the way. “Clearly the situation is very unstable. What we saw was that there are a lot of people – mostly Egyptians – who are leaving Libya at the moment. At the Egyptian border we were told by Egyptian officials that 15,000 Egyptian s left Libya, returning to Egypt.” “There are some signs of normal life. Gas stations are open. Stores are open. We saw … what looked like kebab shops that are functioning. There is a fair amount of traffic on the road, although I was told that was mostly Egyptians leaving the country.”

    LIBYA, 6:35 p.m. ET, 1:35 a.m. local: Libyan state TV is reporting that Libyan leader Moammar Gadhafi is to speak soon.

    LIBYA, 6:28 p.m. ET, 1:28 a.m. local: Ali Al Oujli, Libya’s ambassador to the United States, said earlier today that he urges protesters in Libya “to keep momentum alive.” “If they they keep the momentum in the Libyan streets, (then) they’ll reach their goals. … They have a very good experience on what happening in Egypt and what happening in Tunisia. And they should not compromise.”

    LIBYA, 6:22 p.m. ET, 1:22 a.m. local: Earlier today, this blog reported that Ibrahim Dabbashi, Libya’s deputy ambassador to the United Nations, told reporters Monday that Libyan leader Moammar Gadhafi has declared war on the Libyan people and is committing genocide. Dabbashi was speaking in reference to reports that the Libyan military was firing on protesters.

    LIBYA, 6:07 p.m. ET, 1:07 a.m. local: A formerly pro-government newspaper in Libya is reporting that African mercenaries are shooting at unarmed civilians in Tajouraa, 25 miles east of Tripoli. The newspaper Quryna’s perspective has changed since protests in Libya began.
    CNN could not immediately confirm the report. The Libyan government maintains tight control on communications and has not responded to repeated requests from CNN for access to the country.

    LIBYA, 5:32 p.m. ET, 12:32 a.m. local: The United States on Monday condemned the violence in Libya and called for a halt to the “unacceptable bloodshed” in response to civil unrest, Secretary of State Hillary Clinton said in a statement.
    “The government of Libya has a responsibility to respect the universal rights of the people, including the right to free expression and assembly,” Clinton’s statement said.

    LIBYA, 5:29 p.m. ET, 12:29 a.m. local: Saif al-Islam al-Gadhafi, the son of Libyan leader Moammar Gadhafi, told the Libyan state news agency that the Libyan armed forces have not targeted protesters in Tripoli and Benghazi, Libyan state television reported Monday.
    Al-Gadhafi said the bombardments targeted ammunition storage facilities in remote areas.
    Earlier, a U.S. official not authorized to speak publicly told CNN that Libya has used “aviation assets” to attack protesters on the outskirts of Tripoli.
    In the following video, CNN’s Ivan Watson, reporting from Egypt, talks about these allegations that Libya used aviation assets to attack protesters.

    LIBYA, 5:21 p.m. ET, 12:21 a.m. local: Libya has used “aviation assets” to attack protesters on the outskirts of Tripoli, a U.S. official not authorized to speak publicly told CNN Monday.
    The official could not be more specific about the “assets,” but the National Front for the Salvation of Libya, an opposition group, said helicopter gunships have fired into crowds of protesters.
    A Libyan diplomatic source has denied the Libyan air force was conducting air raids against protesters in Libya.

    LIBYA, 4:54 p.m. ET, 11:54 p.m. local: Video on YouTube shows what CNN is told are six badly burned bodies of Libyan soldiers in open body bags. Opposition sources in Libya say the bodies are of soldiers who refused to shoot at anti-government demonstrators. The video, taken on a cell phone, was posted on Monday; it is not known when it was taken.

    LIBYA, 4:31 p.m. ET, 11:31 p.m. local: A woman in Tripoli, speaking on condition of anonymity, reports seeing people shooting – in an apparently random fashion – from cars. “I’ve seen myself red Hyundai cars with tinted windows that had armed people inside it shooting random people,” she told CNN in a telephone interview. “Three victims have fallen in the street where I live.”
    CNN could not independently confirm this report. The Libyan government maintains tight control on communications and has not responded to repeated requests from CNN for access to the country. CNN has interviewed numerous witnesses by phone.

    LIBYA, 4:25 p.m. ET, 11:25 p.m. local: A Libyan diplomatic source has denied the Libyan air force was conducting air raids against protesters in Libya. Earlier, the National Front for the Salvation of Libya, an opposition group, said helicopter gunships were firing into crowds.

    LIBYA, 4:01 p.m. ET, 11:01 p.m. local: The Arab League will hold an urgent summit Tuesday to discuss the recent developments in Libya, Egypt’s official news agency MENA reported Monday.

    LIBYA, 3:41 p.m. ET, 10:41 p.m. local: CNN is checking reports that helicopters in Libya fired on protesters. The National Front for the Salvation of Libya, an opposition group, has said helicopter gunships were firing into crowds.

    LIBYA, 3:29 p.m. ET, 10:29 p.m. local: Libyan leader Moammar Gadhafi still is in Libya, a Libyan diplomatic source told CNN. The source also denied the Libyan air force was conducting air raids against protesters in Libya.
    Separately, a senior official in the Italian secret service also said that Gadhafi remains in Libya. Earlier today, British Foreign Secretary William Hague told Reuters that Libyan leader Gadhafi may have been on his way to Venezuela.

    LIBYA, 2:15 p.m. ET, 9:15 p.m. local: Two Libyan Air Force pilots defected to Malta on Monday after being asked to bomb Libyan citizens, a Maltese government source said. The pilots’ fighter jets were armed with rockets and loaded machine guns, the source said. Malta is a short flight from Libya.

    LIBYA, 2:04 p.m. ET, 11:04 p.m. local: Libyan Prime Minister Baghdadi Mahmudi met in Tripoli with ambassadors of the European Union, blaming the unrest in the country on “terrorists and destructive plans” and stressing that Libya has the right to “take any measures” to protect its unity, stability, people and resources, Libyan state television reported.

    LIBYA, 1:19 p.m. ET, 8:19 p.m. local: Libyan helicopter gunships are firing into crowds of protesters, according to the National Front for the Salvation of Libya, an opposition group. CNN was unable to confirm the report independently.

    LIBYA, 12:45 p.m. ET, 7:45 p.m. local: Oil company Total says it will evacuate most of its expatriate employees and their families from Libya. Shell said it has temporarily relocated the families of expatriate staff.

    LIBYA, 12:30 p.m. ET, 7:30 p.m. local: The U.S. State Department has ordered family members of U.S. Embassy employees and non-emergency personnel to leave Libya.

    LIBYA, 12:26 p.m. ET, 7:26 p.m. local: Ibrahim Dabbashi, Libya’s deputy ambassador to the United Nations, told reporters that Libyan leader Moammar Gadhafi has declared war on the Libyan people and is committing genocide.

    LIBYA, 12:02 ET, 7:02 p.m. local: British Foreign Secretary William Hague told Reuters that Libyan leader Moammar Gadhafi may be on his way to Venezuela. The Libyan ambassador to the UK, Omar Jelban, is denying that Gadhafi is on his way to Venezuela.

    LIBYA, noon ET, 7 p.m. local: U.N. Secretary General Ban Ki-moon had talked with Gadhafi, saying he was deeply concern about the violence, and that it must stop. At least 233 people have been killed in the protests, according to Human Rights Watch. Its report cites information from hospital sources. CNN is not able to independently confirm the figure, as the network has not been granted access to report on the ground.

    LIBYA, 11:45 a.m. ET, 6:45 p.m. local The government is demanding that citizens cooperate with security forces, and warning “organized gangs,” Libyan state television reported, as security forces conduct raids on what it called “nests of terror and sabotage.” Libya’s justice minister, Mustafa Abdul Jalil, has resigned to protest the “bloody situation and use of excessive force” against protesters by security forces, a Libyan newspaper reported. Meanwhile, two Libyan fighter jets have landed in Malta, according to journalists at the airport.

    LIBYA, 11 a.m. ET, 6 p.m. local: As reports streamed of protesters setting fire to a government building in Libya’s capital and ransacking state TV headquarters, questions swirled around Gadhafi and whether he could be the third Arab leader toppled by the wave of protests rippling through the region. His son, Saif al-Islam Gadhafi, is trying to defend the family dynasty, warning on state television of “a fierce civil war” if the demonstrations don’t halt.

    http://news.blogs.cnn.com/2011/02/21/live-blogging-north-africa-middle-east-protests/

  15. vitalino diz:

    Essa do “Deixem o Chavez em paz” lembra-me os pedidos do paulo granjo aqui neste blog. “Ah e tal, não se metam com ele, porque eu gosto muito dele e ele é muita fofinho e não sei quê” – uma espécide meu pequeno poney para crescidos.

  16. Leo diz:

    Correcção:

    Reparem como está em curso a fabricação duma nova intervenção “humanitária”. O que querem? Para começar que o Conselho de Segurança da ONU (por intermédio da NATO) imponha uma no fly-zone na Líbia. Eis parte do road map da CNN:

  17. Rui F diz:

    Como é que pode elogiar um gajo como o Chavez que é o “maior” num dos países mais corruptos, miseráveis e espirito carneirista da América do Sul?
    A iniciativa privada é castrata logo á nascença…pergunte aos merceeiros Portugueses que já lá estão faz gerações.

    O que lhes vai valendo é Petróleo que jorra a pontapés em cada xafariz e lhes vai valendo para manter um esboço do estado verdadeiramente social ..tivesse Chavéz um oitavo da inteligência Politica dos Noruegueses.

  18. Armando Cerdeira diz:

    Não sabia da existencia deste Vidal, fico satisfeito porque num país politicamente correcto e limpo ainda há um tipo assim que tem a virtude de se apresentar coberto de lama em estilo abjecto ao jeito da gestapo. A sua conversa, desbocada e badalhoca, causa alegria a qualquer desalinhado. Ou desabotoado. Parabéns!

  19. Golpe Americano fracassado… este Vidal é um castiço.

  20. Justiniano diz:

    Há nesta parte ” fico satisfeito porque num país politicamente correcto e limpo ainda há um tipo assim que tem a virtude de se apresentar coberto de lama.” um furor poético assinalável, sublime, quase shakespeariano!! Gostei!! E não são muitos os merecedores de tais palavras!!

  21. Mário Mortágua Freches diz:

    Acho que faz falta, para as denúncias tão oportunas de Carlos Vidal terem um sabor total, publicar aqui também um trecho de David Icke, um colega dele, de certeza, que descobriu que Georges Bush e a raínha de Inglaterra são, na intimidade, figuras reptilíneas com a aperencia de lagartos e descendentes dos Iluminatis.
    E estes Iluminatis, por seu turno, são delegados de extra-terrestres no qual o chefe é o Carlos de Inglaterra, sim, aquele pobre diabo a quem a mulherinha pôs os chavelhos a torto e a direito e que é dado como o mais poderoso da quadrilha e, adicionmalmente, primeira figura dum tal grupo Bilderberg, que se calhar esse é de descendencia das trutas…
    E se Vidal se deixasse de adolescentices conspiracionistas e, por uma vez ao menos, não nos fizesse comichão de risadas, carago?

  22. Carlos Fernandes diz:

    Para o AA: eh pá, se me quiseres chamar f.da p. fá-lo não aqui mas cara a cara, vou amanhã à noite ao C. Colombo, é só combinar o local e a hora. Quanto a quem é fascista o comentário e o insulto mostra bem quem de facto o é. Agora se o Chavez é um democrata exemplar que nem prende nem intimida jornalistas e etc., porque é que estes comentadores tão admiradores da criatura não vão viver para esse paraíso chamado Venezuela, é isso é que me admira…

  23. Jorge Carranca diz:

    Kadafito, o palhacito rico, só pôde fazer el discursito durante 23 segundito, porque chovia disse ele, o grande heroizito. Vês, Vidalito, como é o teu amiguito? Meu querido pobrezito, clown de partidito, e quando chegar a vez ao palhacito pobre, el Huguito, como será?
    Bueno, Vidalito, hace-nos reír com uma piadita de las tuas, hombrecito!

    • Carlos Vidal diz:

      Então, ó imenso burro carranca, ou imensa carranca de burro, então, repito, não chegou já a vez de Chavez no golpe de 2002????
      Não era um golpe democrático?
      Não chegou Chavez a estar fora do poder e preso e substituído por um tal Pedro Carmona????
      E então, carranca de burro, o que é depois os teus conseguiram?
      Conseguiram que a democracia recolocasse Chavez no lugar da governação, não foi?

  24. Jorge Carranca de Albuquerque diz:

    Vidal, meu Vidal que, apesar de que penses o contrário, admiro e não estou com ironias deslocadas.(Já te digo porque te admiro). O Chavez, esse teu herói popular onde os estudantes desafectos, lembras-te? morrem de gripe subitamente, não ganhou por força da democracia, pá. Foi porque se juntaram 3 factores: saber gerir a demagogia, saber usar a tolicece/ingenuidade dos pobres peones e, por último, porque os democratas de lá deixam-se capturar por sacanas vígaros e ávidos (umas espécies de varas e socratinos, tás a ver, como os de cá).
    No momento em que esses tais percebam que com esse laxismo estão a entregar a bolsa ao bandido, literalmente, e se deixarem de parvoíces, o teu Chávez irá direitinho para o sítio que é o seu, o célebre caixote de lixo da História onde se encontram os demagogos, populistas ou beatos, e os amigos do povo como o Estaline, o Enver Hoxa, o Ceausescu, o Kadafi e, the last but not the least, o teu Sócrates e outros kim il sungs da corda.
    Quanto ao eu admirar-te: não é sempre que se nos depara na frente dos lúzios um inocente bem intencionado como tu, assim em estado quase puro. E ninguém tem o direito de te chingar – o que aí está pode ser desadequado mas é de boa cepa!
    Recebe um xi-coração e viva a tolerancia.

  25. Por isso, é também dever de um bom postador instruir de tal modo os seus comentadores, e com tão boas leis e ordens que possam viver na tranquilidade e na paz, sem perigo e com dignidade, e usufruir honrosamente do fim das suas acções, que deve ser o repouso do guerrilheiro.

    • Carlos Vidal diz:

      Trata-se de uma declaração inócua e desactualizada, a do ministro cubano.
      Emitida no início da revolta, era uma declaração inócua, que qualquer um faria: o problema deve ter desfecho pacífico e sem ingerência estrangeira.
      Agora, nada a fazer. Está irremediavelmente desactualizada.
      Por um lado, na Líbia, já não há via pacífica nenhuma: o amigalhaço do governo português está por horas (apesar de ainda ir tentar matar o mais que puder).
      O problema líbio é um problema líbio, porque está a ser resolvido pelos líbios. E estão a dar conta do recado: de Bengazi e Tobruk até Tropolí – imparável.
      Já amanhã.

  26. maria diz:

    Desactualizada? Olhe aqui, esta tem data de 21 de Fevereiro http://www.granma.cu/ingles/reflections-i/21february-reflections.html

    • Carlos Vidal diz:

      Leio no Granma de 25 de Fevereiro:

      «La diplomacia estadounidense se ha estado moviendo con una inusitada vehemencia y gran agilidad, promoviendo la condena del Gobierno libio de una manera que no se hubo de manifestar ante los acontecimientos similares de levantamientos populares en Túnez, Egipto, Marruecos, Yemen, Jordania, Bahrein (donde está la base de la V Flota de la Armada estadounidense)· y otras naciones del Oriente Medio¼ y mucho menos en los actuales casos de Wisconsin y Puerto Rico, por supuesto.»

      – É verdade que os EUA condenam a Líbia, como toda a gente, mas de forma pouco comparável com a condenação ao seu aliado Bahrein. Porquê?
      (E, já agora, em Puerto Rico não se passa nada?)

      «Con la misma presteza con que el gobierno de Estados Unidos trató infructuosamente de defender la permanencia de Hosni Mubarak al frente de Egipto, justificando u ocultando el abultado expediente de delitos de corrupción y arbitrariedades de su principal aliado en el mundo árabe, la diplomacia estadounidense manipula la valoración acerca del acontecer en Libia para crear condiciones para una eventual o inmediata intervención militar en ese país.»

      – Esta parte do texto é absurda, mas só em parte: por muita vontade que os EUA tenham de intervir na Líbia (um paraíso petrolífero mais do que sedutor), é mais do que sabido que actualmente não têm condições para tal.

      – Entretanto, o que se segue é correcto:

      «Se asegura que actualmente Hillary Clinton es la pieza principal del lobby sionista (también conocido como lobby de presión pro israelí) en la Casa Blanca, pese a que ciertos antecedentes indican que fue en un momento relativamente reciente de su carrera política que trocó inesperadamente su rumbo y asumió esta orientación.»

      «De ahí que resulte importante vigilar las posiciones que asuma la jefa de la diplomacia estadounidense para vaticinar o descubrir las de Israel en el complicado tablero medio oriental.»
      http://www.granma.cu/espanol/internacional/24febrero-hillary.html

      – No fundo, maria, qual é o seu problema??

  27. Rio D'Oiro diz:

    http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/12209042.html

    “Caracas, 26 fev (Lusa) — O Presidente da Venezuela, Hugo Chávez, manifestou hoje apoio ao seu homólogo líbio, Muammar Kadhafi, ao mesmo tempo que condenou a violência naquele pais, alegadas “pretensões intervencionistas” e acusou a imprensa de manipulação.

    “Sim, apoiamos o Governo da Líbia, a independência da Líbia, queremos paz para a Líbia e temos que nos opor decididamente às pretensões intervencionistas”, disse.

    Numa breve intervenção televisiva, o chefe de Estado venezuelano sublinhou que desde o início das manifestações naquele país não conseguiu contactar com Muammar Kadhafi e optou por manter um “prudente silêncio” devido “à desinformação sobre o que acontecia”.”

Os comentários estão fechados.