“Os governos poderão cair e as sociedades registar uma grande instabilidade. (…) Atingimos o nível de alerta” – Robert Zoellick ao G20 sobre a crise alimentar, um ano e meio depois da fotografia que se segue.

ISTAMBUL, Turquia - 6 de Outubro de 2009: Imagem cedida pelo FMI à LIFE, com Dominique Strauss-Kahn do FMI, Youssef Boutros-Ghali e Mahmoud Mohieldin respectivamente o Ministro das Finanças e do Investimento do Egipto, e o presidente do Banco Mundial Robert Zoellick, na assinatura dos planos do FMI e do Banco Mundial para o país.

Via Rubra
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

5 respostas a “Os governos poderão cair e as sociedades registar uma grande instabilidade. (…) Atingimos o nível de alerta” – Robert Zoellick ao G20 sobre a crise alimentar, um ano e meio depois da fotografia que se segue.

  1. V. KALIMATANOS diz:

    DOMINIQUE, DOMINIQUE, la chanson des religieuses de Bruxelles: toujours la même histoire (musique?). Merci bien, wikipeidia.

    First, God created communism and socialism (and not the other way round as we are told in the proletarian bible).

    “Strauss-Kahn was first an activist member of the Union des Etudiants Communistes (UEC, Union of Communist Students),[3] before joining in the 1970s the Centre d’études, de recherches et d’éducation socialiste (Center on Socialist Education Studies and Research, CERES) led by Jean-Pierre Chevènement, future presidential candidate for the 2002 election.[3] There, he befriended the future French prime minister Lionel Jospin (PS).”

    ..mais pas avant l’autorisation des grandparents:

    “Il est le fils de Gilbert Strauss-Kahn2, conseiller juridique et fiscal et membre du Grand Orient de France3, et de Jacqueline Fellus4, journaliste, d’origine russe et tunisienne5,6. Issu d’une famille juive qui s’installe au Maroc en 1955, il grandit à Agadir. Il quitte définitivement le Maroc à la suite du tremblement de terre d’Agadir de 1960, pour Monaco, puis Paris, où il entre au lycée Carnot”.

  2. xatoo diz:

    Zoellick, o mentor bushista ladrão que diz agarra que é ladrão

  3. o da boa-fé? diz:

    Robert Zoellick é um dos homens mais influentes do mundo contemporâneo. Representa hoje, num plano diferente, o que um genocida como Himmler representou nos anos 30. É um dos cabecilhas de um sistema que, para reproduzir a hegemonia do Ocidente, afunda metade do planeta na miséria. O principal garante da exploração colonial nos 4 cantos do planeta. Um dos 3 ou 4 principais responsáveis pela propagação avassaladora do neo-liberalismo pós-selvagem a todas as regiões. Um tiro na nuca e outro nos colhões, portanto.

  4. Pingback: Amado, Barroso, Ban Ki-Moon ou Obama estão todos a ser derrubatos nas praças Tahrir. Se eu fosse o Chavez não metia a mão na merda. | cinco dias

  5. Pingback: Daniel Oliveira, o cínico da esquerda democrática | cinco dias

Os comentários estão fechados.