Viva a demonização da homossexualidade, que o importante é ensinar a procriar… e com a vantagem de encher os bolsos dos psiquiatras!

 

Serviços de educação barram campanha “ideológica contra homofobia nas escolas   

Viva o obscurantismo, a ignorância e a mentira! 
Só vamos saber que existe homossexualidade depois dos 21 anos
e mesmo nessa idade… falaremos dela à boca pequena,
atrás do reposteiro das nossas mansões burguesas em crise. 
Viva a igreja!
Que mesmo que não acreditemos em nada daquela história
em que um senhor volta a viver depois de estar morto,
mesmo que não vamos à missa aos domingos,
a igreja é importante para manter isto tudo na ordem!
Se não tivéssemos todos respeitinho pela igreja
onde é que andavam os nossos valores?
O que era feito da pobre da taxa de natalidade?
Tão baixinha… E nós a precisar de tanta gente no mundo…
A China deserta, a África deserta…
Em Lisboa não se vê vivalma!
E na Portela de Sintra estão a demolir prédios porque já não há habitantes.
Nem sequer há desemprego porque não há candidatos.
Viva o bullying!
Sem discriminação, sem opressão,
sem o gozo dos panilas, maricas, panascas,
das camionistas de pelo na venta,
sem lhes apontar o dedo a rir de bom rir,
sem as anedotas sexistas e homofóbicas,
sem ovos para atirar ao efeminado
e pedras pra jogar na Geni,
como manter a família, a propriedade privada e o estado?
E o que fazer depois com o psicólogo escolar? Mandá-lo para o olho da rua?
Viva as dúvidas de todos os adolescentes!
É deixá-los sofrer no silêncio deste grande seminário sombrio
que é Portugal!
É obrigá-los a falarem em latim uns com os outros à hora de almoço!
É deixá-los cortar os pulsos ou serem mortos pelo ódio!
É fazer campanhas para não se drogarem (muito),
é fazer campanhas para darem sangue aos hospitais
(se mentirem e não disserem que são homossexuais),
é fazer campanhas pela reciclagem do papel, do vidro e do metal!
Agora falar-lhes do seu corpo, da sua sexualidade,
do mundo, das relações, e das DSTs?!
Shhhhiiiiuuu…
Porque isso depois dá ideias…
Fica logo tudo a querer ser homossexual! 
Epá, ouviste aquilo ontem? 
Dizem que se pode dar beijinhos numa pessoa do mesmo sexo! 
Não! A sério, tás a brincar?! Então bora lá! 
E passam todos a ser homossexuais de ontem para hoje, 
depois de lerem o panfleto! 
É queimar panfletos! 
É queimar livros! 
É queimá-los a esses doentes sem vergonha! 
Não sabes que isso de gostar de pessoas do mesmo sexo 
é Ideologia? 
Não sabes que só os militantes de certos partidos 
é que são homossexuais? 
Não sabes que não há homossexuais de direita? 
E nunca te disseram que a ideologia é a pior coisa do mundo? 
Morte à ideologia! 
Não sabes de tudo isto? Nunca te ensinaram na escola?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

45 respostas a Viva a demonização da homossexualidade, que o importante é ensinar a procriar… e com a vantagem de encher os bolsos dos psiquiatras!

  1. Há uma coisa, felizmente, que ultrapassa todas as barreiras, sexuais, mentais, psicológicas, etc. A estupidez. A estupidez é a única coisa que nivela a sociedade. Isso e os espelhos, que reflectem todos, pobres e ricos, gays e heterossexuais. E os estúpidos. Quem bonito o reflexo de um estúpido! Pena que nem toda a gente tenha espelhos em casa…

  2. Carlos Fernandes diz:

    Lésbicas e maricas, biológicos e com as hormonas e orgãos errados, há muito poucos …
    Se ela for mesmo gira e for lésbica, que normalmente são feias como tudo, tudo o que um homem tem a fazer para lhe dar a volta é perguntar a ela se quer que ele se vista de rapariga…

  3. Tânia Vânia diz:

    Cara Diana, não sei onde pretende chegar com este seu texto. E se eu lhe dissesse o seguinte: estou agora a pensar que a Diana é lésbica. Porquê? Porque estou a escrever com a minha mãe ao lado e se nós as duas não somos alguém tem que ser. Percebeu agora a estupidez da campanha? Entretanto só espero que não esteja entretida a comer um franguinho enquanto eu escrevo porque amanhã um publicitário qualquer pode vir dizer que ontem nós as duas comemos meio franguinho cada uma 🙂

    • Johnny Carmeleon diz:

      Confesso que não percebo onde está a estupidez. Explique, por favor.

      • Tânia Vânia diz:

        Johnny,
        só me limitei a demonstrar ironicamente a estupidez da campanha. Quanto ao texto e aos demónios a resposta é simples e faz parte do senso comum: os demónios estão na nossa cabeça, Freuds à parte 😉 Já a resposta da Lúcia Gomes (num comentário a seguir) explica o que pode ser explicado.

    • Erica diz:

      Pensarem que eu sou lésbica? Vá de retro, tudo menos isso! Vou começar já a fechar a boca sempre que ouvir/ler notícias homofóbicas, não vá alguém achar que sou fufa.

    • Que confusão… Há pessoal que tem problemas com as coisas não serem literais.

      • Tânia Vânia diz:

        É exactamente por não serem literais Youri.

        • Youri Paiva diz:

          Exacto, não são. Qual é o problema? O cartaz é feio, é. Podia ter umas coisas mais interessantes, sim. Mas não tem nada de mal ou de errado, apenas afirma que todas as pessoas são iguais e que a homossexualidade não é uma doença contagiosa que se nota à distância.

          Enfim, é como a música dos Deolinda, é feia à brava, mas se fosse proibida de passar nas rádios das escolas também estaria profundamente contra.

    • Moniz diz:

      Peço desculpa…a campanha é estúpida porque não retrata com exactidão o rigor estatístico da predominância da homossexualidade? Pergunta retórica. Compreendo perfeitamente onde a Tânia quer chegar. Não tem pés nem cabeça mas compreendo.
      Preciosismos de parte, compreende a Tânia a mensagem de valores que o poster tenta transmitir?

      • Tânia Vânia diz:

        Em mensagens publicitárias ou políticas não se tenta transmitir Moniz. E que valores são esses a que se refere? Retire as mensagens escritas e escreva: “ela é gorda e estamos bem com isso” ou “nenhuma tem o magalhães e uma delas bebe água”. Que valores passaria? A campanha é estúpida e o texto que a sustenta escrito neste blogue não é menos.

    • Diana Dionísio diz:

      Cara Tânia,

      percebi mal ou dizer que eu devo ser lésbica é para si um insulto?

      Viva a discriminação de quem afirma a sua homossexualidade!

      Viva as vistas curtas, a burrice e a infantilidade na interpretação de um cartaz!

      Ah, pois, porque não existem homossexuais, os cartazes é que estão a inventar que sim, para nos fazerem crer que esses monstros existem! Mas nós não acreditamos em bruxas!

      • Tânia Vânia diz:

        Não vale a pena. Está tudo nas vossas cabeças é essa a razão porque esta campanha é estúpida. Porque há pessoas como a Diana que salivam sempre que se tenta demonstrar que certos caminhos não são os melhores (e eu não vou dizer que se trata de sexualidade reprimida esteja descansada), porque eu nunca me referi ao tema mas sim à campanha. Como deve saber Diana a sexualidade ou a homossexualidade (tanto me faz) é mais do que os monstros ou as bruxas que faz questão de trazer à discussão frequentemente.

        • Diana Dionísio diz:

          Faço notar apenas que não defendo esta campanha como a melhor do mundo, como a mais brilhante inventada na história, etc… Nem gosto dos cartazes, que são feios. E para mim até é politicamente correcta demais, institucional q.b., etc. Mas a Tânia ainda não percebeu que o problema no meio disto tudo não é defender esta campanha cegamente mas sim achar estranhíssimo, estapafúrdio e perigoso que o ministério da educação não permita uns cartazes e uns panfletos sobre homofobia nas escolas… E que dê como argumento que uma campanha sobre não discriminar pessoas em função da sua orientação sexual não pode ser porque é «ideologia»?

        • Diana Dionísio diz:

          Mas Tânia… Essa de a “mensagem” que o cartaz passa ser “uma em cada três pessoas é lésbica”… Não sei como se pode fingir ser assim tão burrinho que se chegasse ao ponto de tirar essa conclusão. Qualquer pessoa percebe que o que se está a dizer é que as pessoas não se devem discriminar pela sua orientação sexual.
          Fazer estatísticas e estar preocupado com dizer isso aos estudantes numa campanha (numa campanha de quê? de fazer aprender estatísticas?) seria de uma pessoa estúpida, claro. Estatísticas sobre a orientação sexual são aliás, parece-me, bastante impossíveis de fazer.
          E todos os seres humanos são bissexuais. Mas alguns ainda não perceberam. Ahah.

        • Youri Paiva diz:

          Tânia Vânia é uma rima engraçada, mas o que escreve não tem graça nenhuma. Nem se percebe. Claro que percebe o que se está a discutir, mas finge ter uma certa abertura quando não a tem. O problema dela não é a campanha, ela quer lá saber da campanha, o que lhe mete nojo é que esta campanha a possa chamar de lésbica, fufa, maricas, porque isso é ofensivo para ela – quando não chama nada a ninguém, a campanha é tão sem sal que se fosse recusada deveria ser pela falta de tempero.

          • Tânia Vânia diz:

            Diana, para esta discussão acabar de uma vez por todas façamos o seguinte: vá ler os meus comentários cronologicamente (sem preconceitos ou pelo menos sem pensar que sou isto ou aquilo) e depois elimine-os. De seguida, com os restantes, tente perceber em 3 quantos entenderam a campanha ou passaram a opinar sobre “a homossexualidade ou o ser homossexual” (o youri, aqui em baixo, incluído fingindo ter abertura de espírito e partindo para a agressividade com algo tão básico como o nome) 😉 Ainda não chegou lá? Sou eu que não me faço entender 🙂

  4. pois não sabeis que os papás nã gostam de paleios desses

    e os papás tamém votam

    ó filho se eles precisassem de cartazes para se auto definirem

    é preciso muita visão com cataratas para ver tanto esclarecimento

    em campanhas que só servem para encher os bolsos a alguns

    esclarecer o quê?

  5. Lúcia Gomes diz:

    O PCP denunciou esta situação e apresentou, a 15 de Fevereiro, Perguntas ao Ministério da Educação e ao Gabinete da Secretária de Estado da Igualdade. Porque para além de todas as questões óbvias que subjazem a este comportamento, é o próprio Governo em total descoordenação (o projecto tem o apoio da CIG e do IPJ!), é a violação flagrante do artigo 13º da CRP e do IV Plano para a Igualdade, aprovado em Conselho de Ministros, que determina expressamente numa das suas medidas a sensibilização do público nas escolas, com intervenção directa do Ministério da Educação.
    É o Governo a desrespeitar as suas próprias resoluções, a lei, e, pior do que tudo, a não cumprir o desiderato constitucional de combate a todos os tipos de discriminação.

    http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalhePerguntaRequerimento.aspx?BID=62186

    http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalhePerguntaRequerimento.aspx?BID=62187

  6. Pingback: Heteroideologia @ semiose.net

  7. Diogo diz:

    Valerá a pena tanto chinfrim?

    • Moniz diz:

      Não Diogo. Amanha joga o Benfica e ninguém repara no Estado que é demasiado Estado. Não se preocupe, a sua tranquilidade está garantida.

  8. tric diz:

    tadinhos, amuaram!!! é o que dá quando não se lhes não faz a vontade…depois é sempre a mesma lengalenga lol

  9. V. KALIMATANOS diz:

    Ai jasus, que agora são as lesbicas de esquerda (?) que não gostam dos bulls maus ou assim. Vá, moçoilas, mostrem lá as fotografias das nódoas negras, ou, na falta disso, os certificados médicos sobre cicatrizes psicológicas deixadas pelas perseguições na escolinha.

    Aprenda esta menina Dionísio: a população em Portugal, tal como na maior parte dos paises da Europa, está a descer. É por isso que se está a importar pobres da África e doutros lados (pouco importa que eles morram afogados, são menos uns quantos) para preencher o “vazio” criado por políticas de eugenização e despopulação à escala global, enquanto os governos de todos os partidos da merdança assobiam para o ar a fingirem que não percebem o que se está a passar. Mas abra você o seu olho, ou mande o seu mentor, provalvelmente algum gajo a ganhar umas coroas num ONG, que abra o dele.

  10. A institucionalização do cuidar de si a cargo da escola, a sua função “protectora” na negligência -de quem e de quê- o que estes episódios demonstram é que se espera dela que cumpra mais depressa a sua função de vigiar e punir que própriamente a de cuidar de si e por isso os estudantes desconfiam de si e dos outros – uns mais, outros menos de acordo com regras que a vida ensina,nos bairros onde vivem,e as práticas que vêm e praticam.

  11. Renato Teixeira diz:

    Mais, mais, mais! 😉

  12. Marota diz:

    Eu gosto de homens grandes, barbudos, e muito mais fortes que eu. Parece-me que pelo menos neste campo tive muita sorte. Penso até que conseguia gostar duma grande mulher muito bombástica, tipo Válquiria, mas sinceramente não sabia o que fazer com o par de maminhas…

  13. Santiago diz:

    É curioso como o amor dos outros incomoda tanta gente…

    • Dimus Domus Dumus diz:

      E’ isso que aprendem na biblia, a jogar “pedras na Geni”. Os fanaticos religiosos (ou seja, todos os catolicos) sao invejosos, rancorosos, intolerantes. E os seus lideres sao pedofilos. Nao sou eu que digo, sao os fatos. Ainda nao nos esquecemos do papel do Ratza a liberar os pedofilos americanos e de todos os casos que vieram a lume no ano passado.

  14. Santiago diz:

    Se a moralidade é a demonização, Viva a Imoralidade!!!

  15. The Studio diz:

    O bullying é um fenómeno enraizado nas escolas, porventura próprio dessas idades. No meu tempo gozava-se com tudo: ou porque era gordo, ou porque tinha o nariz comprido ou porque era caixa de óculos. Tudo servia. Todos esses bullyings são aceitáveis excepto um: O bullying de homossexuais. Quem decide isso? Obviamente, os pregadores da “boa moral” do BE e do PCP. Recentente um aluno vítima de bullying suicidou-se numa escola de Trás-os-Montes. Era gay? Não. Então não há problema, para o BE e o PCP está tudo bem.

    Porque é que estas campanhas são movidas exlusivamente pelos activistas da ideologia politicamente correcta e estes se preocupam exclusivamente com os grupos politicamente correctos? Será por alguma razão ideológica? Não, os outros é que são estúpidos.

    Muito bem esteve a ministra, pena é que estas palhaçadas se façam com o dinheiro dos nossos impostos.

    • Diana Dionísio diz:

      Que engraçado.
      E eu que escrevi este post e não sou do BE nem do PCP!
      Devo estar em hipnose ambulatória, comandada por algum dos dois, ou mesmo pelos dois ao mesmo tempo, e nem sei…

  16. António Lima diz:

    Grande LOL, a Tânia acaba de vos estraçalhar. Quod erat demonstratum… Pena é não terem chegado lá. Basta dar-vos um cheirinho de diferença e essa vossa tolerância faz-vos saír dos arbustos.

  17. ophi diz:

    Um óptimo texto, Diana (permita-me). Está linkad@!

    P.S. – Por vezes, apetece ser intolerante com a intolerância mas… ainda bem porque assim se vê o mais atávico e seródio do espírito da nossa espécie.

  18. Luis sarmento diz:

    Ora que merda, ensinar a procriar sempre foi o mais importante, desde os tempos obscuros da história e da outra antes desta: sem essa lição básica a menina não andaria por aqui esganiçada a defender a demonização da procriação. Há uma questão que não me sai da cabeça: e se todos os meus filhos e filhos dos meus amigos, mais os filhos dos outros que não são meus amigos, decidem pelo glamour da homoprocriação? Como é que vai ser ó Dondoquinha Dionísio? Como vamos dar continuidade à coisa? Esta propaganda, glamorização e fomento da homossexualidade + aborto à vontade do freguês (80 mil desde que a lei foi implementada) + pílula do dia seguinte + políticas contra a família vão resultar na anunciada e previsível catástrofe demográfica: perda de diversidade genética e diminuição das possibilidades de mutações creativas das trocas genéticas. Não sabem o que isso significa pois não? Aguardem mais 20 anos e depois falamos … porque não se iludam a homossexualidade é um desvio natural, sem impactos no futuro da espécie quando em pequena percentagem de espécimes, que resulta precisamente da variabilidade genética permitida pela heterossexualidade.
    Homossexualidade é, do ponto de vista genético, da espécie, das hipóteses de gerar variabilidade e novas soluções um fim da linha e um verdadeiro desperdício genético. Não sei qual é o entusiasmo que movem esta universalização forçada da “normalidade” Homossexual?
    Toda esta propaganda imbecil e afectada da normalização e pieguice do homossexual, à força de conceitos falsamente democráticos, só vai resultar em prejuízo, antipatia e mais preconceito sobre a homossexualidade.

    Foder e procriar é PRECISO. Se não gostam, não nos impinjam as tretas esquerdistas e moralistas da homossexualidade universal como conquista e ganho civilizacional. NÃO ME FODAM …

    • subcarvalho diz:

      Sinceramente, estava fodido se sempre que fodesse procriasse!!
      Quanto ao não te fodam, já não é preciso…já chega a foda das tuas ideias idiotas e eclesiásticas…já agora, tenho uma ideia, vamos pôr os padres e as freiras a procriar para o rebanho do senhor. Não custa nada…nem é preciso passar pelos preliminares!

      • Dimus Domus Dumus diz:

        Concordo plenamente. Em vez desses vadios de pastorinhos, freirazinhas e demias cafila andarem a sodomizar criancinhas DE AMBOS OS SEXOS (desde que sejam menores de idade, para eles marcha tudo), deviam era fazer o que tanto pregam e procriar. E fico a “rezar” para os seus filhos e filhas nao sejam pervertidos e pedofilos como eles sao. Fim.

  19. Diana Dionísio diz:

    Viva os Luíses, que dão pertinência aos meus posts! 🙂

Os comentários estão fechados.