O JOÃO GABRIEL É COMO O TIRIRICA: A Universidade de Coimbra pior do que está não fica!

João Gabriel Silva ganhou a nomeação para Reitor da Universidade de Coimbra. Conseguiu, como poderá ver na reportagem, 18 votos contra os 16 de Cristina Robalo Cordeiro e ainda se registou um voto em branco, num universo de 35 lentes. Para a Universidade que já teve alunos a partilhar o reitorado ou onde este já chegou a ser eleito por sufrágio, não está mal de capital democrático.

O primeiro andou pela Quercus e os seus alunos dizem que é academicamente competente. Depois do Rebelo e do Seabra é revigorante. Julgavam que era só o Sócrates? Como Reitor João Gabriel diz que quer qualidade e que não é de rupturas mas poucos adivinham como o vai conseguir no actual quadro de financiamento. A segunda, que viveu anos intensos como vice-reitora na equipa de Seabra Santos, com apaixonadas campanhas pelo PSD e a Coordenação da aplicação do Programa de Bolonha na UC (a mais desastrosa entre todas as instituições de ensino superior, vá lá, da zona euro), finalmente saiu da Reitoria. Diz que assim sendo vai de sabática e volta daqui a quatro anos para tentar de novo. Bendito eferreá!

Para trás ficam anos difíceis. Seabra Santos abandona finalmente o cargo que tantas chatices lhe trouxe. Foi eleito com um manifesto intitulado Fazer univers(c)idades, sublinhando a importância da cidadania e da irreverência no contexto académico. Palavras suas que cito de cabeça. Foi escolhido na altura em que o plebiscito ainda era feito por cerca de 300 pessoas no marco da Assembleia da Universidade, com um universo representativo dos funcionários, dos alunos e dos professores. O seu adversário de então, José Reis,  empatou a parada entre os professores e Seabra arrasou entre os outros fruto do capital que a militância comunista e meia dúzia de promessas generosas lhe conferiam. Ninguém queria propinas e Seabra prometia não expulsar quem não as pudesse pagar. Todos queriam lutar contra as leis do Governo e Seabra prometia ou ajudar ou nunca chamar a polícia. A José Reis sobrou-lhe o apoio dos professores da direita musculada e de um ou outro do Bloco de Esquerda. A Seabra coube-lhe ser o segundo reitor a ver os estudantes impedirem a Abertura Solene das Aulas algo que só tinha acontecido quando entre a canalha estava o velho Antero. E ainda teve direito a estátuas satíricas, a ver o seu cargo impugnado por estudantes e ser fiel imediato de Santana e Sócrates.

Depois vieram as histórias que já por aqui se contaram e nos últimos 10 anos a única obra que Seabra e Robalo deixam é uma univers(c)idade que continuou cientificamente parada no tempo, mercantilizada pela normalização imposta pela Europa e de cidadania duvidosa. Neste caso como noutros o futuro pode não ser luminoso mas a página que se fecha não deixará saudades.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

5 respostas a O JOÃO GABRIEL É COMO O TIRIRICA: A Universidade de Coimbra pior do que está não fica!

  1. Paulo Fernando diz:

    Infelizmente não partilho do seu pessimismo moderado. Há sempre margem para piorar.

  2. Mário diz:

    E o João Gabriel, nunca fez campanha pelo PSD? Vê lá isso, Renato…

    • Renato Teixeira diz:

      Não faço a mais pequena ideia, nem me espantava muito. Mas vice-reitor ainda não foi e do que me lembro… articula.

  3. Mário diz:

    É o posto avançado da tecnocracia bolonhesa cá do sítio. Redução de quadros abaixo dos limites de funcionamento e cada vez mais empresas a decidir o rumo da universidade, é o que este senhor fez nos últimos anos de FCTUC. Só não soubeste de nada porque joga bem nos bastidores para calar os estudantes descontentes.

    • Renato Teixeira diz:

      Mário, pode ser o Belzebu. Pior do que está não fica. Chegaste a lidar com a Robalo Cordeiro? Ouviste-a no grupo de missão de Bolonha? Espreitaste o que disse no comício high do PSD?

Os comentários estão fechados.