Feliz dia do amor de guardar ódios

O amor de guardar ódios
agrada ao meu coração
É como um dia sem sol
a raiva na servidão.

Há-de sentir o meu ódio
quem o meu ódio mereça
Ó vida cega-me os olhos
se não cumprir a promessa

E venha a morte depois
fria como a luz dos astros:
que nos importa morrer
se não morrermos de rastros?

Carlos de Oliveira

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

2 respostas a Feliz dia do amor de guardar ódios

  1. V. KALIMATANOS diz:

    E até aposto que a senhora anda a lutar por uma sociedade justa sem romance. E o Carlos era tão mauzinho, não era? Vai de Prometeus a Desgraçado. As coisas a que a rima nos obriga.

Os comentários estão fechados.