Dois gajos de quem eu gosto…

… e que conheço há uns tempinhos, com quem várias vezes concordo e outras (nuns casos mais, noutros menos) discordo, mas relativamente a quem me é muito desagradável ler ataques abaixo-de-cão em sítios onde escreva.

Há vários outros indígenas acerca de quem poderia dizer isso (incluindo gente que me tem sacaneado bastante), mas a verdade é que esses outros não se têm tornado, aqui, sacos de pancada.

Mas nenhum ataque abaixo-de-cão a essas pessoas me faz pôr em causa o direito de outros os fazerem – ou, sobretudo, me faz pôr em causa a importância de que exista o direito de os fazer.

Isto, sem que essa minha posição diminua o meu desconforto com o que por vezes leio. Ou, ao mesmo tempo, e por muito que tal possa ser contraditório com os valores de quem faz os tais ataques (e não me venham, por favor, argumentar com o Nietzsche, a propósito da palavra “valores”), sem que tal me faça questionar as virtudes da diversidade ao ponto de deixar de escrever por aqui. Partilhando, ao fazê-lo, o sentimento de que as eventuais potencialidades de um espaço bastante mais plural do que possa parecer são superiores ao choque de nos podermos cruzar com coisas como essas, ou com coisas bastante mais relevantes do que aquilo que suscitou este post – como, por exemplo, tentativas de legitimação de lapidações.

Que fique registado, então, o meu desconforto. A par da minha tolerância – palavra que, para mim, continua a ter a sua etimológica carga negativa.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

11 respostas a Dois gajos de quem eu gosto…

  1. paulogranjo diz:

    Não percebi a que é que “acresce” (mas, depois da vingança do Pepetela ao começar um romance por “portanto”, imagino que seja algo semelhante), mas o Nietzsche é uma velha recordação do único comentário que me foi apagado em blogs, uns meses antes de me tornar comensal deste estabelecimento.
    O comentário – em tom algo irónico, e referente a uma utilização do bigodudo filósofo para, por coincidência, esmagar o Daniel acerca duma referência aos seus (dele) valores – metia o revolver na tomba do Marx (embora fosse anterior ao compatriota) por não tomarem em conta a sua Ideologia Alemã, e o bom humor do Gramsci por não ligarem aos dois últimos sentidos que atribui à tal de “hegemonia”.
    Talvez já não se lembre do episódio.
    Mas a referência nada tem de rancorosa. Nem,muito menos, se pretende apropriar de cavalgadas que pretenda reservar para si.

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    capitão haddock e woody allen, presumo

  3. Carlos Vidal diz:

    «(…) para bem explicar tudo o que aprendi dos mais sábios de entre os sábios, será necessário fazer uma obra cujo corpo seja dividido em três partes principais: A primeira, que tratará da COMPOSIÇÃO, compreende quase toda a teoria da arte, uma vez que essa operação se dá na imaginação do pintor, que deve ter disposto toda a sua obra no seu espírito, e possuí-la na perfeição antes de partir para a execução.
    As outras duas partes que tratarão do DESENHO e do COLORIDO, não cuidam senão da prática, e pertencem ao trabalho: o que as torna menos nobres que a primeira que é totalmente livre, pois dela podemos saber sem se ser pintor.
    (…)
    (…) a segunda parte, que é a do desenho, é igualmente por norma um princípio para todos aqueles que pretendem aprender esta arte. Uma vez que é através do desenho que cada um lança os primeiros fundamentos da ciência, através dos quais todos os conhecimentos adquiridos se devem estabelecer, uma vez que sem desenho tudo perde solidez.
    (…)
    Quanto à terceira parte, que será a do colorido: tratarei dela depois de ter falado da natureza das cores, da união e amizade entre elas, mostrarei de que modo deverão elas ser empregues para produzir os seus belos efeitos de claro e escuro que contribuem para a elaboração do relevo das figuras e das distâncias nos quadros.»

    PORRA pá, enganei-me – ISTO NÃO É DAQUI.

  4. Olha!, o Herberto Héder quando era Novo 🙂

  5. V. KALIMATANOS diz:

    Como ainda ninguém disse nomes, e o autor confessou que gostava deles, presumo que sejam duas putas famosas da política disfarçadas de homens. Peço esclarecimento e que me perdoem esta abrupta intervenção.

  6. miguel serras pereira diz:

    Post exemplar.
    Fiz link e deixo abraço

    msp

  7. Pingback: MAS AFINAL, AFINAL, AFINAL O QUE É QUE O ANTROPOCOISO QUER? | cinco dias

  8. Pingback: Que raio quer o Antropocoiso? | cinco dias

  9. Pingback: Sim, volto a este “5″ (depois de lógicas demonstrações da minha absurdidade), e volto no dia do amor com uma confissão (que há muito trazia atravessada) | cinco dias

Os comentários estão fechados.