Pode alguém ser quem não é

Deputado comenta comentador.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Pode alguém ser quem não é

  1. Leo diz:

    A trapalhada é ainda maior do que julgava!

    No dia 8 de Fevereiro, terça-feira, o líder parlamentar do Bloco de Esquerda declara ao Público que a sua bancada não está disposta a dar a mão ao PSD e CDS. “Não nos colocamos na posição de facilitar a vida à direita portuguesa”, afirmou, lembrando que o que poderia significar uma moção de censura aprovada. “Derrubar este Governo para introduzir a revisão constitucional do PSD não é aceitável”. O BE repete que discutir uma moção de censura neste momento “não tem efeitos práticos”.

    E contudo, sabemos pela Leonor Botelho no Público de hoje, que “Pureza afirmou que a decisão de apresentar a iniciativa (moção de censura) foi tomada em comissão política, terça-feira, quatro dias depois de Louçã ter afirmado, no fim de uma reunião da Mesa Nacional, que não era oportuna uma moção de censura, que o PCP já admitira ponderar.”

    http://ww2.publico.pt/Pol%C3%ADtica/bloco-esvazia-a-sua-mocao-e-psd-ja-prepara-a-abstencao_1479912?p=2#Comentarios

  2. zé neves diz:

    feio (não o teu link, mas o post)

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Também acho.
      Independentemente de não estar minimamente de acordo com o que o Daniel defende para a esquerda.

  3. Leo diz:

    “O PS depois de Guterres foi quem abriu caminho ao ataque ao Estado Social e será o partido que mais privatizou na história da democracia portuguesa. (…) À Esquerda procuram-se maiorias sociais para defesa do Estado Social (…). O Bloco de Esquerda é o rosto destas lutas”.

    Quem teve a lata de escrever isto é além de deputado membro da Comissão Política do BE. O “mocinho” deve já estar com Alzheimer porque não acredito que se tenha esquecido que o pai dos contratos a prazo e do fim da Reforma Agrária foi Mário Soares, que igualmente apadrinhou a revisão da Constituição que abriu portas às nacionalizações. E que Alegre aplaudiu todas estas políticas e aprovou-as na Assembleia da República.

Os comentários estão fechados.