A esdrúxula táctica do BE

Quem não estivesse disposto a votar em Manuel Alegre estava a capitular ao cavaquismo e quem se mostrou favorável a votar com a direita uma moção de censura contra o governo não contava com o apoio do BE pois oferecia o poder a Passos Coelho. Duas semana volvidas e depois do BE ter acusado o PCP de abrir caminho para a direita chegar ao poder com uma moção de censura, anuncia ele próprio uma moção que só pode ter uma leitura: o BE quer parecer o que não é e tem a certeza que o PSD não vai votar a sua pretensa censura ao governo Sócrates. Não vota as moções dos outros para que fique claro que não quer que os outros votem a sua moção. Quem quer derrubar o governo deixa claro que quer derrubar o governo e não anda a brincar com os eleitores. Como no caso da candidatura do Alegre, estes senhores merecem ser novamente surpreendidos e todas as outras forças políticas deviam votar favoravelmente a sua iniciativa parlamentar ou anteciparem eles próprios as suas moções para que, olhos nos olhos, fique claro que o BE está disposto a ser o Suleiman do Hosni em que se tornou o Sócrates. A esdrúxula táctica do BE só contrasta com a clareza da sua estratégia política.

PS: O PCP, que sabe como ninguém que os governos se derrotam com greves gerais, em vez de salamaleques parlamentares já convocava a seguinte.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

44 respostas a A esdrúxula táctica do BE

  1. António Paço diz:

    Se é esdrúxula não é grave, Renato. Muito menos aguda.

    • Renato Teixeira diz:

      Grande Paço… conta-nos tu que ainda não perdeste a esperança ;), nem direito a mesa nacional nem nada? Eu até já nem o escrevo, que tal coisa nunca decidiu sequer um cartaz de propaganda, quanto mais linha política, mas a coisa começa a dar dó. É como diz o Penilo? Nem eles a vão votar? Ou começaram a rezar preces para que os outros não a votem? Terá isto alguma coisa com a convenção que se realizará quase de seguida? Cortina de fumo para esconder os comícios de Castelo Branco e Santarém ao lado do engenheiro?

  2. Portela Menos 1 diz:

    Cinco Dias acabou de ganhar quatro (4) adeptos na sua saga contra o BE … os 4 da Quadratura do Círculo, hoje na SICn.

    • Renato Teixeira diz:

      Engana-se Portela, o problema por estas bandas é mesmo o Sócrates.

      • Portela Menos 1 diz:

        pois não parece!

        • Renato Teixeira diz:

          O Portela bem podia era iluminar as dúvidas do debate, mais do que fazer jogos de luzes. O que lhe parece o volte-face? O PS ou o governo Sócrates mudaram em seis dias? O que aconteceu ao PS como garante do Estado Social na figura do Alegre?

          • Portela Menos 1 diz:

            Jogos florais, caro!
            eu esperava do 5dias uma análise realista e menos interesse partidário; a questão é que para o PCP “não estão reunidas as condições objectivas” e com este velho argumento – que já o ouço desde os anos 60’s – atiram-se aos que “fazem o jogo da reacção”.
            Já dei para esse peditório.

          • Renato Teixeira diz:

            Mas qual jogo da reacção portela. No que diz respeito ao interesse partidário o BE não dá lições a ninguém.

            Deixe lá os fantasmas e explique se o BE quer ou não derrubar o governo. É que se quer não se entende nada do que está para trás, do Alegre ao Zé, e se não quer para quê avança com a moção de censura?

            Mais, o que mudou em seis dias para passar a estar disposto a deixar que Passos Coelho chegue mais rápido ao governo?

    • Filipe Costa diz:

      Sim, foi intragável…nauseabundo mesmo.

  3. Publicado em vermelhos.net
    PONTO DE VISTA :: BE e PCP, PCP e BE. Quo vadis?

    Da Constituição: “A Assembleia da República pode votar moções de censura ao Governo sobre a execução do seu programa ou assunto relevante de interesse nacional, por iniciativa de um quarto dos Deputados em efectividade de funções ou de qualquer grupo parlamentar.”

    Resulta da leitura do texto constitucional, que, se o quisessem, Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português poderiam ter apresentado, em conjunto, uma moção de censura.

    Significaria essa convergência na acção que os dois partidos à esquerda do PS, com representação parlamentar, teriam de acordar sobre os passos sequentes à eventual aprovação dessa moção.

    Todos sabemos que uma moção de censura apresentada pela oposição de esquerda teria de incluir na sua fundamentação um forte crítica à direita, pela sua óbvia complacência com as políticas neo-liberais implementadas pelo PS. Todos sabemos também que essa moção muito dificilmente seria aprovada pela direita.

    Mas sabemos também, nós, cidadãos de esquerda libertos de determinações partidárias, que queremos neste preciso momento uma censura explícita no parlamento à governação de Sócrates, independentemente de cálculos tacticistas e eleitoralistas. A censura é premente, independentemente de vir ou não a provocar eleições antecipadas.

    Como se podem combater as políticas de direita do PS/PSD/CDS, se Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português são incapazes de estabelecer plataformas de luta?

    Qual é o objectivo comum? Não existe?

    Enquanto militante apartidário anticapitalista coloco esta questão, por estar certo que não sou uma voz isolada, pelo contrário, julgo ser este um sentimento crescente no povo de esquerda: a necessidade de uma frente de luta e proposta que desenhe uma outra realidade para o país. Ou, mais mediaticamente, BE e PCP, PCP e BE, quo vadis?

    • Renato Teixeira diz:

      Estão e estarão de costas votadas. Uma vez mais por um, outra vez mais por outro. Ambos vêem a unidade como uma arma apontada à sua cabeça e provavelmente terão razão pois seria o caminho mais rápido para se concluir sobre os limites da agenda reformista.

  4. Portela Menos 1 diz:

    Renato Teixeira says:
    11 de Fevereiro de 2011 at 1:29 (…) Mais, o que mudou em seis dias para passar a estar disposto a deixar que Passos Coelho chegue mais rápido ao governo? (…)

    ah sim? não me recordo de ter lido nada de RT sobre as intenções do PCP ao apresentar uma moção de censura; também era para dar vida a PCoelho? ou para si PCP e BE são as duas faces da mesma moeda … reformista?

    • Renato Teixeira diz:

      Sei que tem muito treino na caixa de comentários do Blasfémias e do Arrastão mas se quer respostas responda às perguntas. Estão logo aqui acima onde me deixou pendurado.

  5. Portela Menos 1 diz:

    pergunta com pergunta se paga.

    • Portela Menos 1 diz:

      … e não posso responder pelo BE.; sou dou opiniões próprias.

      • Renato Teixeira diz:

        O portela a opiniões é um mãos largas. Só tem opinião sobre os outros e nunca nos brinda com uma opinião própria. Terá? Arrisque lá. Só desta vez.

    • Renato Teixeira diz:

      e? O que mudou em seis dias para passar a estar disposto a deixar que Passos Coelho chegue mais rápido ao governo?

      • Portela Menos 1 diz:

        RT tem razão quanto ao “Estão e estarão de costas votadas”.
        Pode-se, então, procurar nessa constatação o facto de o PCP estar disposto a avançar, isoladamente, para uma moção; os estrategos do BE terão decidido não ficar entalados…

        • Renato Teixeira diz:

          “os estrategos do BE terão decidido não ficar entalados…”

          Ora vê que quando arrisca é muito mais interessante lê-lo. Aí está o interesse partidário a falar acima do que a esquerda precisa ainda por cima com a perna curta pois sabemos bem o que pensam em matéria de ainda considerar o PS um partido dotado de uma reserva esquerdista. Para o BE, e isso nos dizem grande parte das suas orientações nos últimos anos, o PS é ainda a última trincheira do Estado Social.

          Se assim não fosse, como se explicam os Alegres e os Zés para os quais correram apaixonados?

          • Portela Menos 1 diz:

            e sobre “o facto de o PCP estar disposto a avançar, isoladamente, para uma moção” , não lhe apetece, também, fazer juízo de valor?

          • Renato Teixeira diz:

            Se lê-se a posta antes de salivar tinha visto o post-scriptum: “O PCP, que sabe como ninguém que os governos se derrotam com greves gerais, em vez de salamaleques parlamentares já convocava a seguinte.”

            Quanto a avançar sozinho é uma crítica injusta uma vez que o PCP afirmou que votaria uma moção de censura do PSD.

  6. Portela Menos 1 diz:

    “o PCP sabe … que os governos se derrotam com greves gerais”
    colar essa matriz anarco-sindicalista ao PCP é um bocado injusta, nos dias de hoje 🙂
    ou será mais uma opinião de RT?

  7. anonimo pois, pois diz:

    Joao Delgado, a sua proposta sai furada porque o eleitoralismo do PCP nao permite assumir as responsabilidades de apresentar uma moçao. aprovar uma moçao liberal da direita pode ser, apresentar uma propria e’ que ja’ e’ mais complicado. Se duvidas houvessem ficou tudo esclarecido na posiçao dos Verdes ‘a moçao do Bloco.

    RT, (*) Saiu-te furado a caracterizaçao do BE nao foi? e’ lixado… afinal, foram os pequenoburgueses a salvarem a esquerda toda (incluindo o PCP) da alhada que o jeronimo nos meteu depois de ter anunciado o voto favoravel ‘a moçao da direita. A esquerda seria responsavel pela entrada da direita no governo. Assim, com esta moçao do Bloco contra o PEC, despedimentos e privatizaçoes podemos perceber quem esta’ contra estas politicas e quem nao esta. e o PSD e o CDS ja estao a dar sinais de que nao vao votar esta moçao. A brincadeira do Jeronimo para encaralhar o Bloco (forçando a que o Bloco segurasse o governo para impedir a direita) ia permitindo ‘a direita aparecer como alternativa a este governo. Ja com esta moçao, fica bem clarinho onde se posicionam verdadeiramente as varias forças. A direita ao lado do governo, como deve ser, e a esquerda em oposiçao.

    Mas claro, nada disso te interessa, se e’ bom ou mau ‘a esquerda. O que e’ mesmo lixado e’ que te estragou a caracterizaçao sobre o Bloco. Nem isso interessa ao Joao Delgado tambem, que incapaz de ver a importancia desta proposta para a uniao da esquerda. Talvez tambem preferisse como o Jeronimo que o BE se visse obrigado a segurar o governo para nao deixar entrar a direita.

    • Renato Teixeira diz:

      Tem argumentos suficientes para que tenha que recorrer ao insulto. Por isso lhe aprovo o comentário com a devida censura.

      Está enganado. A direcção do BE dá, a cada dia que passa, razão ao que diz ser a minha caracterização. Não lhe chegam as matérias de facto, do voto favorável à divida grega, aos Alegres e aos Zés, espere pela merecida cambalhota eleitoral. No seu caso será lição que baste.

  8. Pedro Lourenço diz:

    Creio que a questão é simples: tanto o PCP como o BE, ao fazerem aumentar a contestação na rua (como acredito que seja o plano de ambos os partidos para o futuro próximo), têm de apresentar equivalente protesto no parlamento, e isso é feito através do instrumento da moção de censura.

    Poderiam o BE e o PCP partir para jornadas de luta sem apresentar a respectiva moção de censura? Sim. Em Novembro assim aconteceu. Mas agora não estamos em Novembro. Até Março serão apresentados projectos para alterar nomeadamente as leis laborais em claro prejudício para os trabalhadores. Considero perfeitamente natural que ao crescer da contestação na rua corresponda igual protesto no parlamento.

    E depois, alguém está a ver o PSD votar favoravelmente um texto do PCP ou BE com a carga ideológica que estas moções carregam?

    • Renato Teixeira diz:

      Demasiado pressupostos sem confirmação Pedro. Na rua e no parlamento. Se o BE queria avançar com uma moção de censura porque cilindrou a do PCP? Se quer que ela seja aprovada porque é que não se limita a atacar o governo e varre com piropos toda a oposição? Os únicos que mostraram querer caminhar sozinhos nesta matéria foi o BE e percebendo isso até o Jerónimo teve a inteligência de ser diplomático defendendo o BE do ataque do Sócrates.

      • LAM diz:

        Renato, não houve qualquer anúncio de apresentação de moção de censura apresentada pelo PCP. Ameaças veladas dependentes de “profunda reflexão” e consideração de hipóteses em abstrato até eu faço durante o sudoku.

        • Renato Teixeira diz:

          Ameaça por ameaça a verdade é que ainda ninguém foi além delas nesta fase da legislatura.

          • LAM diz:

            Certo, mas o que está em cima da mesa (e nunca este outra coisa até agora) é a intenção expressa de apresentar uma moção de censura, com data marcada e tudo…
            (e, para quem é a favor desse, como dizer, expediente parlamentar, convenhamos que é diferente e não fica dependente do nem f… nem sai de cima das “reflexões” e “considerações de todas as hipóteses” e pátáti pátátá.)

  9. Pedro Lourenço diz:

    Ah, boa música e grande artista.

  10. Vítor Dias diz:

    Aí para trás, há pelo menos dois idiotas que afirmam, sem lhes tremer a voz, que Jerónimo de Sousa afirmou que o PCP estava disponível para votar favoravelmenteuma moção de censura apresentada pela direita.

    Esses dois mentirosos, se não querem sê-lo, mostrem onde está essa declaração.

    E vejam se percebem que a uma pergunta dessas quem tem objectivos políticos próprios tem todo o direito de não responder explicitamente que sim ou que não. A adversários políticos, sejam eles o PSD ou o PS, não se tem de mostrar que jogo é que se tem antecipadamente.

  11. Rui F diz:

    Só prova que BE+PCP nunca funcionará;
    PS+BE nunca se irão entender;

    A Esquerda revolucionária, a Marxista e a Leninista, a Alpista, a Chauvinista, a Populista, nunca serão elegidas pela via do voto.

  12. Pingback: Derrubar ou não, a escolha é simples « O Intermitente (reconstruido)

  13. Pingback: A farsa de Louçã « O Insurgente

  14. Daniel Nicola diz:

    1. F. Louçã afirmou a 06/02 isto: “no dia em que estamos a discutir não tem qualquer utilidade prática a apresentação de uma moção de censura”. Daí ter referido ontem mais que uma vez a data de 10 de Março para avançar. Na questão do português propriamente dito, não vejo aqui, nem à luz do novo acordo ortográfico, qualquer incoerência.
    2. Talvez não possa dizer o mesmo relativamente à questão política. Se o PCP se preparava para o fazer (apesar de ipsis verbis nunca o ter afirmado), não fica bem o BE adiantar-se assim. Mas compreendo. Portas e Jardim também já haviam “pré-anunciado” a possibilidade de apoio ou mesmo avanço para uma moção também, tal como o PCP. E daí? Terá um partido que estar refém de outro? Mas este não é certamente o entendimento da generalidade das pessoas e não será o BE a colher os frutos no futuro. Os eleitores mais moderados, tenderão para o PS face à ameaça neo-liberal e insana de PP Coelho, os mais radicais não esquecerão tão sedo o apoio a Alegre. (adenda- acabo de ouvir no fórum da SICN que 56% apoia a moção de censura. Surpreendente o resultado, e o facto de as opiniões escutadas se dividirem quase exclusivamente entre opinadores-taxistas e o opinador residente-medina-carneirista. ou então ouvi mal mesmo)
    3. Penso que tenha sido exactamente a necessidade imediata de expurgar Alegre que levou o BE a este anúncio. Tentou-se a unidade à esquerda na eleição que poderia ser mais consensual. Correu mal, muito mal daí a solução ser a expiação.
    4. Curiosa será a reacção do PSD. Refém dos “mercados”, da Banca e de Merkel, dificilmente aprovarão a moção. Mas admito que ao acordar, PP Coelho (que nem deputado é – ai Manelita…) se queira ver como o 1º ministro, um sonho de menino. Curioso portanto.
    5. Pessoalmente, revolta-me muito mais ser um partido que se diz de esquerda e socialista, imagine-se, a destruir ano após ano d3e forma fofinha e responsável o pouco que restava da dignidade de Abril, o pouco que havia de produtivo/lucrativo. Como diria o Jerónimo de Sousa, “é o povo que temos”. E talvez o povo que temos só acorde (espero que não muito tarde) quando lhe pedirem o cartão da seguradora no hospital, quando a Segurança Social for substituída pela Misericórdia, quando as bolsas de estudo passarem a crédito…
    6. Bonito, bonito seria terem avançado PCP e BE juntos, mas isso sim seria ridiculamente esdrúxulo para as suas direcções.
    7. E fica a questão:

  15. Daniel Nicola diz:

    no BE, quem decidiu isto?

  16. Leo diz:

    “todas as outras forças políticas deviam votar favoravelmente a sua iniciativa parlamentar ou anteciparem eles próprios as suas moções” ???

    Desde quanto, Renato, um anúncio é uma iniciativa? Não esqueça o fundamental: não há nenhuma moção de censura, nem do BE nem de ninguém, há apenas um anúncio do BE. E um anúncio é um anúncio é um anúncio. Neste caso, mero show-off.

  17. Ho Chi Mihn diz:

    ENTÃO MAS ESTES CRETINOS NÃO PERCEBEM QUE UMA COISA SERIA O “INGENHEIRO” CAIR PELA LUTA NA RUA E OUTRA É CAIR POR MANOBRAS PARLAMENTARES?!?

    O BE$, por puro oportunismo e para marcar a “agenda política” vai conseguir este soberbo resultado e “clarificações políticas”:

    a) fazer cair um governo minoritario ps
    b) fazer eleger um governo de maioria absoluta AD.

    PS= a PSD…? Certo! Mas já não é exactamente a mesma coisa lutar contra um governo minoritário ps ou um governo AD com maioria absoluta ancorado no PR Cavaco…

    O Bloco vai pagar caro. infelizmente, nós vamos pagar muito mais.
    Aliás… pela conversa… plo menos o Pureza já percebeu isso.

  18. Portela Menos 1 diz:

    É muito politòlogo junto!

Os comentários estão fechados.