Sai de casa e vem comigo para a rua*

É absolutamente extraordinário o desvario em que se encontram os mais fiéis apoiantes deste governo após perceberem que os deputados do PCP serão consequentes com o seu discurso e nunca serão a tábua de salvação deste governo. Em várias caixas de comentários, aqui pelo 5dias, demonstra-se que nem os mais aficionados socratinos põem a hipótese que esse animal de eleições, qual Santana, possa voltar enganhar a confiança dos eleitores (a propósito, ver esta notícia).
O PS foge de eleições como diabo da cruz e o PCP não escolhe entre direitas, quer derrubá-las todas. Nesta entrevista a Jerónimo de Sousa percebe-se que os deputados do PCP não vão ficar em casa e vêm para a rua.

* Certamente para chatear Irene Pimentel, a entrevista começa com os Deolinda.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

21 respostas a Sai de casa e vem comigo para a rua*

  1. Pacholin diz:

    Os deputados do PC vem para a rua? Onde? Quero ver essa moção de censura, se a apresentarem sou o prmeiro a não só dar os parabéns como a juntar-me a vocês…o problema é que isso é só conversa.
    Tal como no mundo do trabalho, depois de 24 de Novembro que fez mais o pcp? Que faz o Sr. Mário Nogueira relativamente aos ataques aos professores? Vai para os tribunais…aí é que se luta…
    Tiago, um pouco mais de rigor sobre o que o pcp faz…

  2. Pacholin diz:

    Tiago,

    não sejas desonesto. Essa moção de censura foi apresentada em Maio do ano passado quando o PSD afirmava que não apoiaria nenhuma moção de censura.
    Antes dessa altura nem BE nem PC a apresentaram, só quando viram que essa moção de censura não faria cair o Governo apresentaram a moção de forma oportunistica e o Be oportunisticamente tb foi atrás (inclusive dentro desse partido criticavam quem apelava a essa moção de censura para fazr cair o governo.)
    Mas Tiago, não seja por isso, aguardemos…se o PC apresentar uma moção de censura que faça cair o Governo, eu junto-me ao PC.

  3. Antónimo diz:

    Por acaso acho que o Governo deve cair e a moção faz todo o sentido. Não estou é a ver que boas consequências é que haverá com a vinda dos outros. Só se caírem também logo a seguir, mas não vai ser possível andar de moção de censura em moção de censura a fazê-los cair. Que mais se prevê a seguir?

  4. LAM diz:

    “Nesta entrevista a Jerónimo de Sousa percebe-se que os deputados do PCP….”

    que entrevista? já agora, se houver link, gostava de ler essa clareza de intenções.

  5. Augusto diz:

    O PCP diz que quer derrotar a politica de direita do PS….

    Para isso até está disposto, a votar uma moção de censura do PSD , que no governo, não só continuaria esta mesma politica de direita, como a agravaria.

    Afinal qual é a tactica politica do PCP….

    Derrotar a politica de direita….. só se fôr a do PS …… com a politica de direita do PSD parece que até se dá bem…

    Defendender os trabalhadores……. se o governo do PS todos vimos o que fez….. um governo PSD -CDS, não seria em nada favorável aos trabalhadores, e aos seus direitos.

    Se em lugar destas jogadas de pacotilha, de tartufos de fim de semana, o PCP se empenhasse em:

    Propôr , como em França um programa comum das esquerdas, que se comprometesse, a revogar o código do trabalho, defender o SNS e a Escola Publica, que defendesse medidas para o incremento do investimento publico, o combate ao desemprego, ataque á praga dos recibos verdes, uma reforma da Justiça, controlo da banca, e imposição do aumento dos imposto ao sector financeiro, diminuição do IVA , etc etc etc…..

    Medidas que poderiam reunir um largo consenso nas forças de esquerda, e que poderiam ser a alavanca para uma alternativa de esquerda, aí sim, o PCP estaria decisivamente a contribuir para a derrota das politicas de direita, fossem elas do PS do PSD ou do CDS.

    Mas enquanto do PCP continuar a pensar sectariamente, que só eles são a ESQUERDA em Portugal , não vai a lado nenhum

    • antónimo diz:

      A sério. De certeza absoluta que é…

    • Afonso Costa diz:

      A Esquerda em Portugal não é a do PCP que não alinha com um governo de direita para salvar o mundo de outro governo da mesmíssima área política. É a esquerda do Sócrates que anda desde 2005 a lixar a vida a quem trabalha e destruir tudo o que o Augusto acima propõe juntar-se ao PS para salvar, e a esquerda Alegre do BE que essa sim, provavelmente cairá na chantagem do xuxas aflitos com o fim dos tachos e tudo fará para salvar o governo mais neoliberal desde o 25. O PCP contribuirá para fazer cair qualquer governo de direita, seja do PS ou do PSD. O PCP não esquece a arrogância com que os xuxas têm tratado qualquer força política à esquerda e as suas lutas, enquanto na AR cozinham maiorias com o PSD e o CDS. Repito: o PS que se F*DA e vá procurar apoios naqueles para quem e com quem tem governado, chantagens nunca! O BARCO ESTÁ A AFUNDAR E OS CORRUPTOS A DESESPERAR!

  6. Alexandre Pomar diz:

    Ó Tiago, “não escolhe(r) entre direitas” (ou entre esquerdas) deu resultados terríveis ao longo da história. Em 1936, para lembrar um exemplo maior, depois de aberto o abismo nazi, foi preciso virar 180 graus para alinhar no frentismo popular e antifascista.
    A cegueira voluntária e o ensimesmamento (ou autismo) continuam a prejudicar em especial aqueles que se diz defender – mas não importa, são apenas carne para canhão de uma qualquer autodesignada vanguarda. É preciso não olhar à volta, não aprender nada, para ir conservando uns restos de capital eleitoral: de facto, não derrubam ninguém, vão só conservando inteiro o partido. Porque vale tudo desde que o aparelho e o seu folclore se perpetuem.

    • Afonso Costa diz:

      Invocar a ascensão do Nazismo para defender a manutenção dos tachos do PS é o desespero total. Hilariante a argumentação dos xuxas quando pressentem que o fim do seu poder se aproxima. Onde andou o Alexandre durante todos estes anos de governação PS? Quando os seus líderes achincalhavam e menosprezavam tudo o que lhes cheirava a Esquerda, fosse do PCP, do BE ou do movimento sindical? Hitler subiu ao poder com a complacência dos “democratas moderados” da altura que preferiram entregar-lhe o poder do que apoiar o único partido que lhe podia ter feito frente em eleições, o Partido Comunista. Por isso não venha fazer invocações de papões para tentar salvar um governo de direita só porque é do PS e não do PSD. O PS tem-se entendido tão bem com o PSD na hora de lixar a vida aos trabalhadores e agora perante mais um passo na alternância, vem acenar com o fantasma do Hitler? Não sei quem tem mais vocação para “fuhrer”, se Sócrates ou se Passos Coelho, entre os dois venha o diabo e escolha. O PCP contribuirá sempre para o derrube, quer dum quer doutro, com isso podem contar. O BARCO A AFUNDAR E OS CORRUPTOS A DESESPERAR!

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      O Alexandre oscila entre falar de um partido comunista fraquinho e outro que é responsável por tudo o que de mal acontece ao país. Ou somos irrelevantes ou responsáveis. Há que escolher.

      • Alexandre Pomar diz:

        Não direi que são irresponsáveis (e não são inimputáveis). Pelo contrário. Têm vindo a conseguir o que querem (à custa dos que dizem representar), recuando de derrota em derrota: o objectivo é ir desaparecendo devagarinho. O que é mais chocante, visto do exterior, é o conservadorismo sociológico e o anti-internacionalismo.

        • Tiago Mota Saraiva diz:

          Alexandre, neste blogue, há dois excelentes textos do Manuel Gusmão sobre a questão do patriotismo-internacionalismo. Dizer que os comunistas portugueses têm como objectivo “ir desaparecendo devagarinho” parece-me uma matéria de fé. Durante muito anos foi anunciado o desaparecimento do PCP, e o Alexandre já será dos poucos que o refere de uma forma tão frontal.
          O que se pode apontar é que o crescimento da luta de massas, não tem tido correspondência num crescimento eleitoral. Isso deve-se a um conjunto de factores endógenos e exógenos, não simplificáveis num comentário.

          • Alexandre Pomar diz:

            Essa luta de massas expressa e materializa o que chamo conservadorismo sociológico: as “conquistas” como trincheira (modelo guerra de 14), a partir da qual se recua sempre. O futuro constrói-se noutros lados; aqui (a questão é europeia) há que re-desenhá-lo e negociá-lo (tomar a iniciativa).
            O anti-internacionalismo está-lhe associado: saudemos a ascensão das massas operárias exploradas pelos comunistas da China, que causa a deslocalização das empresas produtivas e o desemprego na Europa. O mundo dos “favorecidos” está a mudar (a alargar-se, a equilibrar-se). O “estado social” europeu construiu-sobre a partilha do globo, antes e depois da 2ª guerra, e sobre as ruínas desta. (A 3ª guerra foi Fria e a URSS perdeu.) (..e prometo que me calo…)

          • Tiago Mota Saraiva diz:

            Alexandre, perdi-me. Estamos a discutir a censura do PCP ao governo, ou se o PCC é comunista ou aspira a entrar para a Internacional Socialista, ou estamos a discutir o Stalin, a URSS, o internacionalismo, a reforma agrária, a Europa, a luta de massas, a Guerra Fria, o PREC…
            É que assim é difícil, é como pedir a Sócrates explicações sobre o fim da reforma agrária.

  7. lingrinhas diz:

    para perceber quem é o pcp não é preciso grandes argumentos basta dar uma olhadela ao primeiro de maio de 1974 não aprndem nada.

  8. Daniel Nicola diz:

    Que venha ela! E já! A mim revolta-me muito mais ser um governo dito de esquerda (fofinha e responsável, mas dito de esquerda) a enterrar o pouco que restava de dignidade para com os trabalhadores e pessoas em geral, a privatizar o pouco que restava de produtivo e lucrativo apenas para depois ocuparem os lugares de topo, a recusar sonhar sequer com alternativas ao neo-liberalismo e capitalismo selvagem, a mim revolta-me muito mais do que fosse um qualquer governo de direita.
    Pena não começar na rua, com manifestações em massa e genuínas na mobilização, qual magreb, que provassem o fim da apatia e alienação que nos tomou a todos (a quase todos vá)
    E estou curioso para ver a posição da direita (ai os mercados), do PR (ai os mercados) e do BE (ai os eleitorados…)

  9. Pingback: Moção de Censura | cinco dias

Os comentários estão fechados.