Suplemento de fim-de-semana (nem só de Egipto vive o homem)

Intenso debate político & actividade legislativa esta semana nos E.U.A. e no Malawi: em Nova York, quem acender um cigarro em Time Square ou em Central Park arrisca-se a pagar uma multa semelhante à aplicável a quem urine na via pública (100 dólares); no Malawi, país notoriamente mais pobre e menos sofisticado, o debate político foi empestado por algo bem mais comezinho: aqui, a questão que se coloca não é a do cheiro dos cigarros, mas de quem os fuma ou pode fumar (a notícia citada não indica a punição prevista para os prevaricadores).

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 respostas a Suplemento de fim-de-semana (nem só de Egipto vive o homem)

  1. susana diz:

    gralhas! (pode apagar)

  2. susana diz:

    os homens têm cheiros e aprenderam a não gostar deles, faz parte da humanização. lá vamos ter que arranjar o paralelo do dezodorizante para o peido. talvez um dispositivo nas cuecas, accionado pelo mais ténue vento, que dispara um spray a disfarçar, na melhor tradição do “então e agora, cheira-te a merda?, não, cheira-me a merda no pinhal.”

  3. A.F. há ruas inteiras em NYC onde não se pode fumar (chamam a polícia, vais preso, multa) e diz-me um dos meus irmãos que nem no deck, ao ar livre do ferry que te leva de Manhattan para Ellis Island (gabo-lhe o gosto, nunca me apeteceu…) ainda é mais proibidíssimo, e as multas são ainda mais severas…

    A boa notícia é que descobri como resolver todos os problemas no arab world: manda-se «isto» p’ra lá:
    http://images2.wikia.nocookie.net/__cb20110111073230/uncyclopedia/images/3/32/Palin_hot.jpg

    (Talvez ela faça a graça de não voltar, e aí talvez o Alaska não se afunde no meinho do oceano)
    Tirado de aqui:
    http://uncyclopedia.wikia.com/wiki/Republican_Party_Pornography

    thanks awfully bud illusion
    🙂

  4. maradona diz:

    aqui há uns aninhos bons, quando ainda votava no PSR, decidi, pela primeira vez desde que, há dois anos a essa parte, ali passava as tardes em vez de ir às aulas, apanhar o elevador do terceiro andar da casa de um amigo para o rés do chão, para me ir embora. como esse rés do chão era, de facto, o primeiro andar, significava que apenas teria que passar um andar na descida. Ao entrar no elevador e enquanto ainda me despedia no meu amigo, calculei que poderia finalmente dar o peido que há tantas horas acumulava (o amigo tinha a namorada e a mãe em casa, não pense que eu era dos que não me peidava à frente dos amigos), uma vez que, naquele prédio deserto e de gente trabalhadora, seria um azar medonho alguém estar à minha espera para entrar no elevador; e mesmo que estivesse, raciocinei maquiavelicamente, só me cruzaria com ela na porta de saida do elevador, e ela (essa pessoa anónima que não entrou nos meus calculos civilizacionais) só sentiria o verdadeiro peso do cheiro das entranhas de um jovem adulto alimentado a panelas de feijão com massa algarvio quando eu já ali não estivesse. Pois bem, talvez pela primeira vez na historia da humanidade, um elevador que desce de um terceiro andar para um primeiro andar foi mandado parar por alguém que vive no segundo andar; um gajo de 30 anos, com saude, claramente atleta, com as narinas no topo da ua forma e sensibilidade,decidiu não fazer 15 degraus a descer, mas ir de elevador: pagou muito, muito, muito, muito, caro. foi tal a minha vergonha e embaraço, que até suspeito que tenho até hoje manchas de sangue encurraladas nas bochechas que ainda não encontraram o caminho de volta ao sistema. uma vez também dei um peido num sitio isolado de um dos barcos permanentemente vazios da Transtejo da linha trafaria-belém quando, ainda descansado da vida e envolto numa névoa pesada gerada por uma noite de comes e bebes bebes bebes bebes bebes bebes, me sai um marinheiro de uma daquelas portas metálicas que um gajo pensa que só existem nos sumarinos nucleares, naquilo que me parecia até aí uma parece sólida, mas neste caso não ouve problema, ele parece ter compreendido perfeitamente a nossa situação conjunta.

    • António Figueira diz:

      Pois, and then all that was solid melted into air: V.Exa nunca me enganou, reconheço na sua pessoa um verdadeiro franc-péteur, inimigo jurado dos culs-serrés.

  5. V. KALIMATANOS diz:

    Muito bem imaginado e engraçado, Maradona, mas normalmente as casas dos amigos que moram em prédios com elevadores têm casas de banho, algumas com janelas e extractores de cheiros de toda a ordem. Mas, enfim, 8 out of 10 submarinos nucleares para ti e o mesmo para a Susana com o excelente cheiro a merda no pinhal. Um barco de borracha com dois furos para as autoridades neofascistas de NY.

Os comentários estão fechados.