Mais uma obra-prima de Iñarritu “incompreendida” em Portugal…

Biutiful marca o regresso do mexicano Iñarritu às longas metragens, depois da trilogia dourada composta por Amor Cão, 21 Gramas e Babel (todos eles incríveis). Embora haja aqui elementos das obras anteriores, como o lado mais conturbado e profundo do amor do primeiro filme, a questão da morte de 21 Gramas ou o choque cultural de Babel, esta é a primeira obra a solo do autor, sem a presença do argumentista Guillermo Arriaga, e não inclui a abordagem mosaico, em que os destinos de personagens aparentemente sem qualquer ligação se encontram por causa de um episódio, de uma característica ou de um desígnio.

Contudo, grande parte dos traços do autor está bem presente em Biutiful. Continuam em destaque as personagens perdidas à procura de um rumo e da redenção e a apresentação de uma sociedade cruel e desumanizada, pontuada por momentos de uma beleza e de uma bondade subliminares. Ou ainda, uma forma de filmar muito tremida e próxima, de forma a causar algum desconforto ao espectador e a envolvê-lo mais de próximo na trama, e a sempre lindíssima banda-sonora de Gustavo Santaolalla, com o som poderoso do charango a acompanhar na perfeição a intensidade dramática do filme.

A isto acrescentamos (mais) uma interpretação avassaladora de Javier Bardem e a descrição crua do submundo de Barcelona. Ou ainda a profundidade emotiva da relação pai-filhos, provavelmente só com paralelo na fabulosa adaptação cinematográfica de A Estrada de Cormac McCarthy, e um final absolutamente sublime, que me deixou arrepiado de uma forma que já muito não acontecia. Assim sendo, não fico com dúvidas de que se trata de mais uma obra-prima de Iñarritu, talvez até a maior da sua ainda curta carreira.

No entanto, nem toda a gente acha isto, há quem faça críticas destrutivas ao filme. É o caso de Luís Miguel Oliveira, no seu texto “Óful”, publicado no Ipsilon. Com todo o respeito, não se trata apenas de uma crítica pouco feliz, mas reveladora de uma desonestidade intelectual tremenda. Desconheço se a crítica portuguesa tem algo de pessoal contra Iñarritu, mas que outra justificação se encontra para arrasar constantemente a obra do autor, tão elogiada por esse Mundo fora, nomeadamente no insuspeito Festival de Cannes? A crítica é livre e tem sempre uma certa subjectividade, mas há limites. É impossível não detectar ali uma marca de autor que o separa dos demais, uma preocupação grande pelos detalhes e cenas de cinema absolutamente obrigatórias. Algo que é objectivo e que uma crítica séria deveria valorizar.

Francamente, eu não suporto os filmes do David Lynch, mas, exactamente pelo que foi dito, seria incapaz de lhes dar bola preta ou uma estrela…

Este artigo foi publicado em André Levy and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

14 respostas a Mais uma obra-prima de Iñarritu “incompreendida” em Portugal…

  1. Pingback: Tweets that mention Mais uma obra-prima de Iñarritu “incompreendida” em Portugal… | cinco dias -- Topsy.com

  2. italianwomanwithakilleraccent diz:

    João Torgal, estás aborrecido por um crítico (um!) não partilhar a tua opinião?

    “É impossível não detectar ali uma marca de autor que o separa dos demais, uma preocupação grande pelos detalhes e cenas de cinema absolutamente obrigatórias. Algo que é objectivo e que uma crítica séria deveria valorizar.”

    Já te passou pela cabeça que, ao contrário do que pensas, isto pode ser subjectivo?

  3. italianwomanwithakilleraccent diz:

    Já agora para não restarem dúvidas:

    Não vi este Biutiful, mas detestei verdadeiramente os três filmes dessa “trilogia dourada”. Cinema medonho, na minha opinião. Se me pagassem para isso e tivesse tempo, explicava porquê. Mas ainda bem que há críticos para isso.

  4. António Paço diz:

    Um crítico, Roger Ebert (http://rogerebert.suntimes.com), fez uma crítica interessante que por acaso li ontem:

    Alejandro Gonzalez Inarritu’s “Biutiful” stars the Oscar-nominated Javier Bardem as a low-level criminal in Barcelona who is told by his doctor he has very little time to live. He works as a middleman in an industry that makes fake luxury items in sweatshops and sells them to tourists via sidewalk vendors. You’ve seen the Gucci bags lined up on pavements. He’s also involved in importing and housing the undocumented Chinese workers who exist in poverty and manufacture the items. Both fake Gucci and real Gucci are made by poor people, but the real Guccis are made in China.

    Uxbal’s life is a mess. He is separated from his wife, who is bipolar. He tries to care for the sons he loves. He is under urgent pressure from his criminal associates; he oversees the living conditions of the factory’s illegal immigrants. There is blood in his urine. He works in crime, but is not a bad man, and indeed under sentence of death, he is moved, like the hero of Kurosawa’s “Ikiru,” to try to do something good.

    One gesture he makes ends in tragic consequences. His workers are cold in their crowded basement, and he tries to alleviate that condition. He also tries to make some money in the process. He’s devastated. Surely few actors have faces that project sorrow more completely than Bardem.

    Gonzalez Inarritu follows Uxbal’s last days with great intimacy, burying his camera in the seamy street life that Uxbal lives, introducing many characters in sharp and colorful relief. He grants his characters the dignity of having feelings and reasons, and not simply behaving as mechanical inhabitants of a crime plot.

    The film’s moral sense is heartfelt but not especially daring; by giving us a good man as his hero, Gonzalez Inarritu possibly weakens his case against the general sense of injustice in his film (nominated for a best foreign film Oscar). Uxbal is so wholly sympathetic that it’s hard for us to assign blame for his sins, and yet surely they are sins. Perhaps the idea is that he inhabits a world so lacking in goodness that his possibilities for choice are limited. Everyone he comes into contact with is flawed, except for his children and Ige (Diaryatou Daff), a Senegalese woman he hires as a nanny for his children. And her love for them (and to a degree for him) is warm but almost obligatory in a story of this sort; one more unworthy character would be unthinkable.

    What drew me into the film and engaged my sympathy was the presence of Bardem himself. Bardem, who received a best actor Oscar nomination for “Biutiful,” is a vastly human actor. He can be handsome, ugly, hard, tender or a monster (as he was in “No Country for Old Men”). Here he suffers, and is good, and suffers partly simply because he cannot do good things. That isn’t a complex message, but I see films every day like “The Mechanic,” that will entertain millions with cold, amoral violence, and sometimes it’s good simply to see a man who cares about the consequences of his actions.

  5. António Paço diz:

    Roger Ebert (http://rogerebert.suntimes.com) fez uma crítica interessante que por acaso li ontem:

    Alejandro Gonzalez Inarritu’s “Biutiful” stars the Oscar-nominated Javier Bardem as a low-level criminal in Barcelona who is told by his doctor he has very little time to live. He works as a middleman in an industry that makes fake luxury items in sweatshops and sells them to tourists via sidewalk vendors. You’ve seen the Gucci bags lined up on pavements. He’s also involved in importing and housing the undocumented Chinese workers who exist in poverty and manufacture the items. Both fake Gucci and real Gucci are made by poor people, but the real Guccis are made in China.

    Uxbal’s life is a mess. He is separated from his wife, who is bipolar. He tries to care for the sons he loves. He is under urgent pressure from his criminal associates; he oversees the living conditions of the factory’s illegal immigrants. There is blood in his urine. He works in crime, but is not a bad man, and indeed under sentence of death, he is moved, like the hero of Kurosawa’s “Ikiru,” to try to do something good.

    One gesture he makes ends in tragic consequences. His workers are cold in their crowded basement, and he tries to alleviate that condition. He also tries to make some money in the process. He’s devastated. Surely few actors have faces that project sorrow more completely than Bardem.

    Gonzalez Inarritu follows Uxbal’s last days with great intimacy, burying his camera in the seamy street life that Uxbal lives, introducing many characters in sharp and colorful relief. He grants his characters the dignity of having feelings and reasons, and not simply behaving as mechanical inhabitants of a crime plot.

    The film’s moral sense is heartfelt but not especially daring; by giving us a good man as his hero, Gonzalez Inarritu possibly weakens his case against the general sense of injustice in his film (nominated for a best foreign film Oscar). Uxbal is so wholly sympathetic that it’s hard for us to assign blame for his sins, and yet surely they are sins. Perhaps the idea is that he inhabits a world so lacking in goodness that his possibilities for choice are limited. Everyone he comes into contact with is flawed, except for his children and Ige (Diaryatou Daff), a Senegalese woman he hires as a nanny for his children. And her love for them (and to a degree for him) is warm but almost obligatory in a story of this sort; one more unworthy character would be unthinkable.

    What drew me into the film and engaged my sympathy was the presence of Bardem himself. Bardem, who received a best actor Oscar nomination for “Biutiful,” is a vastly human actor. He can be handsome, ugly, hard, tender or a monster (as he was in “No Country for Old Men”). Here he suffers, and is good, and suffers partly simply because he cannot do good things. That isn’t a complex message, but I see films every day like “The Mechanic,” that will entertain millions with cold, amoral violence, and sometimes it’s good simply to see a man who cares about the consequences of his actions.

  6. maradona diz:

    foda-se, aquelas duas gajas do molholholholholand drive são um portento de mulheres, quer dizer, não gostar desse filme é como ser homossexual. por deus. só tive mais tesão num filme chamado swiming pool, de um realizador cujo nome agora me escapa, e em que a gaja anda a passear á roda da piscina de bikini; meu deus, se abandonar este comentário de repente é porque tive que ir à casa de banho.

    • italianwomanwithakilleraccent diz:

      o mulolandrive, o melhor filme do lynch, a final com os holagramas anões a dançar saídos da caixa veio directamente do twin peaks e eu diria que “algo que é objectivo e que uma crítica séria deveria valorizar” se isso não fosse idiota. mas sobre o tema em questão, morena: 9/10; loura: 7.5/10

  7. maradona diz:

    foda-se, aquelas duas gajas do molholholholholand drive são um portento de mulheres, quer dizer, não gostar desse filme é como ser homossexual e por deus, estou certo que você não é um desses. só tive mais tesão num filme chamado swiming pool, de um realizador cujo nome agora me escapa, e em que a gaja anda a passear á roda da piscina de bikini; meu deus, se abandonar este comentário de repente é porque tive que ir à casa de banho.

  8. Aconteceu-me (completamente por acaso) ser apresentado ao Javier em Barcelona, num concerto de uma madrilena no Palau de la Música Catalana, uma maravilha modernista de Domènech i Montaner, aki:
    http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/e/e7/Palau_de_la_M%C3%BAsica_-_Interior_general.JPG/398px-Palau_de_la_M%C3%BAsica_-_Interior_general.JPG onde ambos estávamos.
    Tipo grande e delicado, and a fine actor as they come.
    Tenciono ver esse filme também, logo que houver tempo.
    🙂

  9. João Torgal diz:

    “llorando… por tu amor”, o Lynch é assim: grandes cenas de cinema perdidas numa freakalhice que não me agrada. É brilhante, eu é que não gosto do estilo.

  10. Pronto, está decidido… é ainda hoje que vou espreitar o flix.

    🙂

  11. Pergunto eu: seria legítimo dizer, de forma rendilhada e irónica, que o trabalho do David Lynch é uma merda? Seria a mesma coisa…

  12. Viva! Concordo contigo. Também me “incomodou” aquela triste crítica.. e até senti que perdi o meu tempo ao lê-la porém nada acontece por acaso e ela levou-me até aqui.. e aqui encontrei mais alguns comentários depreciativos do trabalho deste (a meu ver excelente) realizador e do seu trabalho. Sabes uma coisa que aprendi ao longo dos meus poucos anos de vida e de experiência a “discutir” cinema? Quando alguém te diz que filmes como “Amor cão” ou “21 gramas” não são bons, está-nos a dizer: ” – Adoro o “sexo e a cidade” ” e quando é assim nem discuto, simplesmente porque não vale a pena.. 😉
    Cumprimentos!

    Carlos Andrade

Os comentários estão fechados.