À chacun, son Pyongyang

Os do PS chamam-se Tunis e Cairo (deve haver outros, mas eu não sei de cor); até ontem, conta-se aqui, os partidos de Ben Ali e Mubarak eram membros da Internacional Socialista, essa benemérita federação de partidos que promovem o “socialismo” (seja lá o que isso for) nos cinco continentes – mas hoje já não são, porque a I.S. descobriu que eles afinal não eram bem o que pareciam – e a I.S. nestas coisas é lixada; nós é que já sabiamos todos da trapaça, porque de cada vez que se falava dos amigos da Coreia do Norte, a nossa imprensa, sempre vigilante, falava também da Tunísia, do Egipto e de todos os outros (que ainda não apareceram nos jornais) – não era?

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a À chacun, son Pyongyang

  1. AA diz:

    Ao menos o PCP manteve-se firme e continuou a achar que Ceaucescu era um verdadeiro socialista.

    • António Figueira diz:

      Foi mesmo? Não me lembro de nada disso, quer recordar o público? Todos as provas factuais serão bem-vindas! (Se fosse mais esperto, tipo I.S., o PCP devia era dizer que, por puro acaso, ele tinha perdido a qualidade de socialista no preciso dia do seu fuzilamento…)

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      AA, eu parece-me que o Ceauşescu tinha uns amigos portugueses que não eram bem do PCP… Mas, como o António solicita, fico a aguardar que as suas fontes nos iluminem.

  2. Pode incluir também o partido do Gbagbo da Costa do Marfim (ver as notícias do mês passado), e o MPLA.

    E, por estranho que pareça, o partido da Benazir Bhutto. Ainda a Fatah. E a Polisário. Estes dois como «observadores».

    Aqui:

    http://www.socialistinternational.org/viewArticle.cfm?ArticleID=1780

  3. Nesse aspecto não há melhor internacional que a 4ª, que como nunca chegou ao poder em lado nenhum, não tem que se preocupar com o currículo mais ou menos democrático dos partidos que integra.

  4. David diz:

    Ora vejam a lista completa. E, já agora, AA deveria lembrar-se que o grande amigo de Ceausescu em Portugal era… o Partido Socialista, que ia aos congressos de lá e convidava os “camaradas” para os congressos de cá.

  5. vítor dias diz:

    Sobre quem era mais amigo do Ceascescu ler ou o Tony Judt
    ou mesmo o Rui Mateus no tal livro que parece estar online.

  6. Pingback: Ou há democracia… | cinco dias

Os comentários estão fechados.